Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

UFSM melhora desempenho no Índice Geral de Cursos (IGC)

De acordo com o Índice Geral de Cursos (IGC), conceito calculado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao Ministério da Educação (MEC), a UFSM apresentou evolução no seu desempenho. Relativos ao ano de 2017, os dados atualizados do IGC foram divulgados nesta terça-feira (18), juntamente com as notas do Conceito Preliminar de Curso (CPC).

A UFSM obteve pontuação de 3,8633 no IGC contínuo, classificando-se na faixa 4 (sendo 5 a máxima possível). O índice é superior ao obtido pela Universidade na avaliação de 2016, quando o IGC contínuo foi de 3,8077. O resultado vai ao encontro das metas estabelecidas pelo Plano de Gestão 2018-2021 e pelo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). A principal meta é alcançar, até 2021, o conceito 5, elevando a UFSM ao patamar de Universidade de excelência.

Outros indicadores divulgados pelo Inep também revelam avanços em direção aos objetivos estabelecidos pela gestão, como o percentual de cursos com conceito 4 e 5 no CPC, que avançou de 79% para 83%. A contribuição da pós-graduação na composição do Índice também apresentou melhora. O IGC contínuo é calculado com base na média dos conceitos obtidos pelos cursos de graduação e pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) avaliados no último triênio e da distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino.

Para o reitor, Paulo Burmann, a UFSM obteve um desempenho acima do esperado, mesmo em um cenário de incertezas e constantes restrições orçamentárias. “Estes indicadores de 2017 confirmam as previsões fixadas no plano de metas e no PDI da UFSM de que chegaremos ao nível da excelência até 2021. Há um longo caminho a percorrer e muitos desafios pela frente. Precisamos seguir crescendo e melhorando a qualidade de nossos cursos de graduação e pós-graduação, e fortalecendo nossas ações de extensão, desenvolvimento regional e inovação, na direção de melhor cumprir o papel institucional. Todos estes avanços nos indicadores publicados são de responsabilidade do esforço coletivo de professores, técnico-administrativos, estudantes e da comunidade regional”, avalia Burmann.

No ranking geral desta edição, a UFSM classificou-se como a 17ª melhor universidade do Brasil. Entre as universidades gaúchas, está na 3ª colocação. Ficou atrás da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Em 1° lugar no ranking, está a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A lista das melhores universidades do Brasil, segundo o IGC, pode ser conferida no Portal do Inep

O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e o CPC são conceitos que avaliam a qualidade dos cursos individualmente. Conforme divulgado em outubro deste ano, seis cursos da UFSM obtiveram em 2017 o conceito 5 (nota máxima) no Enade, exame que avalia o desempenho dos concluintes dos cursos de graduação.

O Enade é um dos componentes usados para calcular o CPC, conceito que inclui em seu cômputo o valor agregado pelo curso ao desenvolvimento dos estudantes concluintes, o perfil do corpo docente e a percepção do aluno quanto às condições do processo formativo. As notas dos cursos da UFSM no CPC estão online.

As fórmulas de cálculo desses conceitos estão na página do Inep, onde também estão disponíveis as estatísticas completas e outras informações sobre o tema.

Texto: Assessoria de Comunicação do Gabinete do Reitor