Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

Política de Extensão da UFSM é aprovada pelo Cepe

A minuta da nova Política de Extensão da UFSM foi aprovada na última reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) de 2018, realizada na tarde de quinta-feira (20), na Sala dos Conselhos. Em construção desde o início deste ano, a partir de um processo colaborativo que envolveu discussões com todas as unidades de ensino da universidade, a Política de Extensão tem como objetivo orientar e integrar as atividades extensionistas desenvolvidas na UFSM. Dessa forma, o texto dispõe sobre diretrizes, objetivos, linhas e eixos de extensão da universidade, bem como a caracterização, classificação, registro e financiamento das ações de extensão.

De acordo com o pró-reitor de Extensão, Flavi Ferreira Lisboa Filho, a nova política nasce de forma alinhada aos desafios do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e às Diretrizes para as Políticas de Extensão da Educação Superior Brasileira, recentemente homologadas pelo Ministério da Educação. Para o pró-reitor, a política fortalece os vínculos da universidade com a comunidade externa: “Nós queremos estreitar esses vínculos cada vez mais com os diferentes segmentos, diga-se de passagem, desde alguns grupos sociais em situação de vulnerabilidade até o meio empresarial e industrial”, reitera.

Para o reitor Paulo Afonso Burmann, a universidade deve intensificar suas ações extensionistas, trabalhando cada vez mais próxima às comunidades e com respaldo do poder público. “Precisamos estar integrados e trabalhar de forma estruturada pelo desenvolvimento regional, mudando de uma perspectiva de mão única para mão dupla, a fim de que todos capitalizem resultados”, desafia o reitor. Ele também destacou a necessidade de a extensão atuar em múltiplas frentes, de forma integrada ao ensino e à pesquisa. Burmann enfatiza que “ao mesmo tempo que trabalhamos na incubadora social, também trabalhamos com incubadoras tecnológicas e de inovação. Podemos ser múltiplos e atuar nessas duas frentes; elas não são contraditórias”.

Alterações – A nova Política de Extensão da UFSM traz mudanças relevantes em relação ao documento anterior, aprovado em 2008. Um dos itens mais importantes é a definição de diretrizes para a inserção das ações de extensão na graduação. A partir da curricularização da extensão, 10% da carga horária dos cursos de graduação vão ocorrer em atividades de extensão, o que não implicará um aumento da carga horária dos cursos. “Com a política estabelecida, podemos pensar em como cumprir a curricularização da extensão. A largada foi dada e já temos o caminho”, avalia a pró-reitora de Graduação, Martha Adaime.

O documento concentrou as áreas temáticas da extensão na UFSM, de acordo com o Plano Nacional de Educação. A nova política definiu oito áreas: comunicação, cultura e arte, direitos humanos e justiça, educação, meio ambiente, saúde, tecnologia e produção e trabalho. Também passou a considerar “publicações e outros produtos acadêmicos” como produtos resultantes das ações de extensão, e não mais como modalidades específicas, e criou quatro modalidades de bolsas de extensão: iniciação à extensão, organização de eventos, participação em eventos externos e inserção social (destinada a estudantes de pós-graduação). A política ainda define a constituição da Câmara de Extensão e das comissões, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), respeitando a proporção de 70/30 para sua composição.

Também faz parte da nova política a criação de estratégias de valorização da extensão. Nesse quesito estão previstas premiação anual, maior divulgação das ações extensionistas, incremento da pontuação referente a ações de extensão realizadas por docentes para fins de progressão na carreira, incremento da pontuação das ações de extensão para fins de concurso público para docente na UFSM, incorporação à jornada de trabalho da carga horária destinada a ações de extensão realizadas por servidores técnico-administrativos (desde que na sua área de formação), entre outras ações.

Texto: Assessoria de Comunicação do Gabinete do Reitor