Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Ação do Ctism discutiu com alunos a importância do trabalhador e das instituições de formação



Foto colorida mostra em detalhe duas mãos lavando uma xícara vermelha
Foto vencedora do concurso

O Music Day, ação do Projeto Cidadania, do Colégio Técnico Industrial de Santa Maria, teve uma edição temática do Dia do Trabalhador e em Defesa das Instituições de Formação e Qualificação de Trabalhadores na segunda-feira (27), no horário de intervalo dos estudantes dos três cursos de ensino médio integrados do Ctism.

Além de apresentações musicais de servidores do colégio e alunos, o evento contou com uma roda de conversa sobre a temática, com participação de professora de Sociologia e de servidor técnico-administrativo do Inpe. O objetivo foi incitar uma reflexão dos estudantes sobre a relevância dos trabalhadores, bem como instigar sua percepção sobre os mais diversificados tipos de atividades laborais, muitas quase invisíveis e desvalorizadas socialmente, mas que possuem uma grande importância na construção da sociedade. Buscou também fomentar a reflexão crítica sobre a relevância das instituições de formação e qualificação de trabalhadores. 

Também houve a divulgação da vencedora do concurso de fotografia “Representação de trabalhadores(as): um olhar dos estudantes do Ctism”. A vencedora foi a estudante Manuela Nunes Pereira, da turma de terceiro ano do curso técnico integrado ao ensino médio Informática para Internet. As fotos foram avaliadas às cegas pelas professoras do Ctism Jacqueline Myanaki e Tatiana Guerche.

Intitulada “Quem mal vê, mal entende: a valorização do trabalho doméstico”, a foto tem como objetivo apreciar um trabalho pouco valorizado na sociedade: o de empregada doméstica. Traz uma reflexão sobre “o que essa categoria possui de relevância no país e nas pessoas que a exercem, suas batalhas e forças para se inserirem dentro de um mercado de trabalho preconceituoso que mal vê sua profissão”.

Foto: Manuela Nunes Pereira


Publicações Recentes