Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

UFSM firma parceria para desenvolver vitamina E e fitoesteróis



Na manhã de terça-feira (14) aconteceu a assinatura de contrato entre a UFSM, a Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência (FATEC) e a empresa Bioesans Produtos Biotecnológicos, a negociação foi intermediada pela Agência de Inovação e Transferência de Tecnologia (AGITTEC). O objetivo do acordo é o desenvolvimento de um processo voltado para a produção de tocoferóis e fitoesteróis a partir de um resíduo oriundo da fabricação do óleo de soja comercial.

A parceria firmada é para a execução conjunta do projeto “A obtenção de produtos com alto valor agregado a partir do subproduto da produção de óleos vegetais”, do professor Daniel Bertuol, do Centro de Tecnologia (CT) da UFSM. A finalidade do estudo é desenvolver métodos que possam transformar o resíduo gerado na fabricação de óleo de soja comum, conhecido como destilado desodorizado de óleo de soja, que possui baixo valor agregado, em produtos com alto valor de mercado. Do resíduo produzido, podem ser extraídos os tocoferóis, também conhecidos como vitamina E, um importante nutriente antioxidante que combate radicais livres e previne o envelhecimento precoce, e os fitoesteróis, que são substâncias que auxiliam na redução da absorção do colesterol e previnem doenças cardiovasculares.

Para o reitor, Paulo Burmann, “é uma grande satisfação firmar uma parceria dessa natureza. Estamos abrindo um caminho muito promissor na interação da universidade com outros órgãos públicos e com instituições privadas. A perspectiva de trabalho nesse setor é favorável, apesar de todas as dificuldades que a universidade pública enfrenta, principalmente considerando o resultado do trabalho que será desenvolvido”, destaca.

As etapas de extração dos compostos serão realizadas com apoio do Laboratório de Processos Ambientais (LAPAM), vinculado ao CT. O projeto prevê R$ 255 mil para a execução técnica. Caso a pesquisa acarrete registro de patente, gerará royalties mínimos, divididos nos primeiros 10 anos de comercialização dos produtos, podendo criar, ainda, novos empregos e oportunidades no setor. 

 

Texto e foto: Mariana Henriques / Assessoria de Comunicação do Gabinete do Reitor


Publicações Recentes