Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

UFSM licencia tecnologia de comunicação entre equipamentos de iluminação profissional



Um novo convênio foi assinado para licenciamento de tecnologia desenvolvida na UFSM. Dessa vez, a empresa contemplada é a Som Maior Pro, localizada em Frederico Westphalen. A empresa desenvolveu em conjunto com a UFSM um dispositivo e método de análise do protocolo de comunicação digital DMX, que consiste em redes de comunicação entre equipamentos de iluminação profissional. Segundo o proprietário da empresa, Luiz Miritz, será contratada mão de obra para a montagem das interfaces dentro da empresa.

A tecnologia implementada na empresa é resultado de uma pesquisa realizada entre o empresário Luiz Miritz, ex-aluno do curso de Sistemas de Informação da UFSM (Campus de Frederico Westphalen), e o professor do Departamento de Tecnologia da Informação da UFSM Cristiano Bertolini. O licenciamento de tecnologia é um documento jurídico que permite o uso nas empresas das tecnologias desenvolvidas na UFSM. O processo foi intermediado pela Agência de Inovação e Transferência de Tecnologia (Agittec), por meio da Coordenadoria de Transferência de Tecnologia, em conjunto com a Coordenadoria de Propriedade Intelectual, responsável pelo acompanhamento do pedido de patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi).

Sobre a tecnologia – As redes DMX são utilizadas em shows musicais, teatros, decoração de prédios e eventos. Com o dispositivo, é possível realizar assistência técnica como ferramenta de teste de equipamentos. Além disso, os operadores dessas redes poderão visualizar a comunicação entre os equipamentos, contando com um sistema de análise em tempo real para diagnosticar e identificar os erros.

O empresário explica que passou por dificuldade na empresa, no que tange ao teste de equipamentos DMX, por não ter algo específico para este fim. “Assim veio a ideia de estudar uma alternativa em conjunto com a empresa e universidade, resultando num produto e logo depois na patente dele”.

O empresário afirma ainda que o licenciamento da tecnologia vai gerar novos empregos. “Vamos precisar de mais funcionários, sem falar nas partes que serão terceirizadas, como o gabinete metálico e as placas de circuito impresso, que serão confeccionados em outras empresas”, ressalta.

Assista ao vídeo sobre o dispositivo e método de análise:

Com informações da Assessoria de Comunicação da Agittec


Publicações Recentes