Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Divulgados os resultados da Autoavaliação Institucional 2019/2020



A Comissão Própria de Avaliação da UFSM divulgou os resultados da Autoavaliação Institucional 2019/2020. Toda a comunidade acadêmica foi convidada a participar no período de 6 de novembro de 2019 a 31 de março deste ano. A nota geral foi 4.62, numa escala de 1 a 6. Confira os resultados completos no link.

No total, foram 8.964 participantes, 29% do total de 31.045 aptos. O maior índice de participação foi entre os docentes (47%), considerada importante pela referência que os docentes são na comunidade acadêmica. A participação dos técnico-administrativos em educação (TAEs) foi de 44%. Entre os estudantes, a maior participação percentual foi dos estudantes em EaD (34%), seguidos pela pós-graduação (30%), graduação (25%) e ensino médio e técnico (20%). Em geral, entre os estudantes, a percepção dos aspectos relacionados às coordenações de curso são destaque nas pontuações. Além disso, os resultados apresentam uma percepção positiva dos estudantes envolvidos com projetos. Entre os docentes, a dimensão com melhor pontuação é aquela relacionada à atuação das pró-reitorias acadêmicas (de Graduação, de Extensão e de Pós-Graduação e Pesquisa). Já na percepção dos TAEs, a dimensão composta pelos sistemas institucionais, como portais e Moodle, é a melhor avaliada.

A participação foi um pouco menor do que na edição anterior da Autoavaliação Institucional, realizada em 2016, quando o índice foi de 31%, o que demonstra que tem muito trabalho a ser feito no sentido de conscientizar a comunidade acadêmica sobre a importância da participação nos processos avaliativos. Para a administradora Giana Silva Giacomelli, titular da Coordenadoria de Planejamento e Avaliação Institucional (Coplai) da Proplan, essa conscientização é resultado de uma maturidade do processo, com a qual muito contribui a evidência de utilização dos resultados como forma de melhoria institucional.

“Todo o processo desenvolvido para a edição 2019 procurou levar em consideração essa necessidade de uso dos resultados pela gestão, não apenas ao formular questões vinculadas ao PDI, mas também ao considerar a colaboração de gestores de diferentes áreas, em sua formulação, até a apresentação dos resultados, de forma a facilitar a visualização e identificação de necessidades por parte dos gestores. Todas essas ações fazem parte de um processo de evolução da Autoavaliação Institucional, no sentido de que toda a comunidade acadêmica possa se apropriar e fazer o melhor uso dos seus resultados, assim como, tenha nela um canal de contato direto com os diferentes níveis de gestão”, afirma.  

Em relação aos resultados, não é possível comparar com a edição de 2016, pois o instrumento foi reformulado para estar alinhado ao Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) vigente, bem como se aproximar de avaliações externas. O instrumento aplicado na edição anterior foi elaborado antes da entrada em vigor do PDI atual.

Giana destaca que os instrumentos aplicados são resultado de uma revisão feita pela Comissão Própria de Avaliação (CPA), em conjunto com a Coplai, com o objetivo de oferecer subsídios à gestão, com relação ao alcance dos objetivos previstos no PDI, e aproximar a Autoavaliação Institucional da UFSM dos mecanismos de avaliação externa, como o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e os instrumentos de avaliação da Capes. Essa revisão deu origem a 22 instrumentos diferentes, com o objetivo de ter questões direcionadas a diferentes perfis de estudantes e docentes (por exemplo, calouros, estudantes fora de sede, estudantes de outros estados e docente gestor). Cada um destes perfis recebeu um instrumento que continha questões direcionadas, além das questões comuns a todos os perfis.

A análise e apresentação dos resultados teve o apoio de uma servidora do Centro de Processamento de Dados (CPD) para composição das dimensões, por meio da Análise de Componentes Principais, e da Coordenadoria de Planejamento Informacional (Coplin), na elaboração dos painéis de resultados por meio do Power BI.

Texto: Agência de Notícias da UFSM

 
 
 

Publicações Recentes