Ir para o conteúdo UFSM Ir para o menu UFSM Ir para a busca no portal Ir para o rodapé UFSM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

VII Encontro Regional de Promoção da Vida e Prevenção ao Suicídio debateu a gestão e a atenção às crises suicidas

Realizado no formato online, evento reforça o papel do Fórum Permanente de Saúde Mental da Região Central do RS na articulação de uma rede e construção de políticas públicas para a prevenção ao suicídio.



Aconteceu no dia 15 de setembro o VIII Encontro Regional de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio, promovido pelo Fórum Permanente de Saúde Mental da Região Central. Realizado pelo segundo ano consecutivo de maneira online, o evento debateu “Gestão e Atenção das Crises Suicidas: Articulação das Redes” . O principal objetivo foi aprofundar questões entre os trabalhadores e gestores das redes de atenção em saúde mental, gerando reflexões, aprendizados e trocas de experiências que visem em última instância, a ampliar e fortalecer as redes de atenção, qualificando-as o mais possível para o enfrentamento das demandas, inclusive as mais difíceis, como as crises suicidas. A palestrante foi a médica psiquiatra, coordenadora de Saúde Mental do município de Campinas/SP e professora da Faculdade São Leopoldo Mandic, Sara Maria Sgobin. 

Palestrante coordena o setor de saúde mental em Campinas – SP

Atual coordenadora do setor de saúde mental do município de Campinas – uma referência nacional em saúde mental há muitos anos – Sara é uma pessoa que está à frente da gestão de um município que tem um funcionamento exemplar e pode trazer experiências que foram compartilhadas no evento. Além disso, foi orientanda no mestrado conduzido pelo Drº Neury Botega, que é a principal referência em prevenção ao suicídio no Brasil. No primeiro momento, Sara abordou questões mais teóricas como os comportamentos suicidas, autolesões, suas definições e abordagens. Logo em seguida foi trabalhado como construir e qualificar uma rede para esse tipo de comportamento. Um dos dados apresentados foi a taxa de suicídio anual no mundo, baseada em dados de 2019, que totaliza o número de 700 mil pessoas. No Brasil, o número é de 14.540, cerca de 40 pessoas por dia. A tentativa prévia é o fator de risco mais importante para o suicídio da população em geral e é a quarta principal causa de morte entre jovens de 15 e 29 anos. Apesar da diminuição das taxas mundiais de suicídio nos últimos anos, essa não é uma realidade nas Américas. 

A convidada ainda trouxe pontos como quais os fatores de risco para o suicídio, a intencionalidade suicida, fatores de risco e proteção, intervenções, tratamento, e a prevenção. Diminuir acesso a métodos, identificação precoce e acompanhamento da pessoa afetada por pensamentos ou comportamentos suicidas são alguns dos fatores essenciais. “O difícil na escuta do comportamento suicida é justamente a gente se despir das nossas questões e de fato ter uma escuta empática. Às vezes vão ser coisas corriqueiras da adolescência mas às vezes pode vir sim o relato de um sofrimento mais intenso, uma preocupação”, comenta. 

Desde 2016, Fórum Permanente de Saúde Mental tem papel fundamental na articulação sobre o tema na região central

O encontro foi realizado pelo Fórum Permanente de Saúde Mental da Região Central que foi lançado em 2016 no VII Encontro da AFAB e I Encontro do Espaço Nise da Silveira, cujo tema foi: “Políticas Públicas em Saúde Mental”, pela psiquiatra Martha Noal nos moldes do Fórum Permanente de Saúde Mental da Região do Vale do Rio Pardo, no qual ela  trabalhou por 12 anos. A criação do Fórum teve a aprovação e manifestação de interesse da maioria dos participantes do evento, surgindo a partir dali uma lista de contatos de pessoas interessadas em participar de suas ações. No III Encontro Regional de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio, em setembro de 2016, foi realizada sua primeira atividade formal. O objetivo do Fórum é de ser um espaço de discussão e articulação em saúde mental, em defesa de políticas públicas que contemplem as necessidades da população no cuidado e atenção integral à saúde mental. Surgiu como um movimento plural, intersetorial e interdisciplinar, que tem encontros regulares mensais, fortalecendo as demandas de gestores, trabalhadores, familiares e usuários dos serviços de saúde mental da região. A  partir de 2020 os encontros mudaram para o formato virtual, através da plataforma Google Meet. Desde a sua criação, o Fórum tem sido centralizador da organização que conta com setores de diferentes serviços e instituições da cidade.

Na comissão organizadora estão presentes profissionais da saúde, residentes, alunos da pós-graduação, acadêmicos, entre outros serviços. Todos eles participam regularmente das reuniões do fórum e estão planejando o evento desde o mês de fevereiro. A Pró-Reitoria de Extensão da UFSM auxiliou com material gráfico e os cartazes de divulgação, o Farol da Universidade a partir da transmissão e o CPD fazendo toda parte das inscrições, emissão e disponibilização de certificados. A universidade também participa a parte da iniciativa coordenada por Martha, que é o projeto de extensão Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio, em parceria com o Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar do Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), com 113 intervenções desenvolvidas na cidade e região, desde a sua criação em junho de 2014, atingindo um público alvo de 16.630 pessoas diretamente. O método utilizado varia de acordo com a demanda, sendo as modalidades Palestra, Rodas de Conversas e Oficinas, destinadas à profissionais das áreas da saúde, educação e segurança pública e Grupos de Sobreviventes, para o público-alvo de pessoas que tentaram o suicídio ou perderam alguém próximo desta forma. Esse projeto é um dos pilares do evento que surgiu há 8 anos atrás que era muito ligado ao núcleo de vigilância epidemiológica hospitalar do HUSM. A partir desse momento, surgiu a ideia do encontro regional juntamente com colegas da vigilância municipal e da vigilância estadual de saúde. 

 Para Martha Noal, a prevenção ao suicídio precisa basear-se na detecção precoce, no tratamento adequado, na informação qualificada para o profissional de saúde e para profissionais de segurança e educação mas também instrumentalização da imprensa, para poder tocar nesse assunto de forma adequada, sem sensacionalismo. Ela reforça que a prevenção do suicídio passa pela sensibilidade, escuta, arte e pela proteção das pessoas no sentido também de oferecer um evento que que seja sensível e seja humanizado.

. Neste ano, o VIII Encontro Regional de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio somou 450 inscritos de 14 estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Bahia, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Alagoas e Ceará, Rio de Janeiro, Paraná, Piauí e Pará, totalizando pessoas de 61 cidades só no Rio Grande do sul, num total de 87. O evento teve 232 avaliações e chegou a alcançar mais de 99% de avaliações satisfatórias ou muito satisfatórias. O encontro foi transmitido pelo Farol UFSM e está disponível para acesso para quem não conseguiu prestigiar ao vivo. 

Reportagem: Vitória Parise, bolsista de Jornalismo na Agência de Notícias da UFSM
Edição: Davi Pereira

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes