Ir para o conteúdo Coronavírus - COVID-19 Ir para o menu Coronavírus - COVID-19 Ir para a busca no site Coronavírus - COVID-19 Ir para o rodapé Coronavírus - COVID-19
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Nota da Comissão de Biossegurança COVID-19 da UFSM (CBio)

A Comissão de Biossegurança COVID-19 da UFSM (CBio) está permanentemente trabalhando para o combate à pandemia e para garantir a segurança da comunidade acadêmica. 

Neste contexto, a CBio vem enfatizar as medidas prioritárias para prevenção da transmissibilidade do novo coronavírus. 

Atualmente, sabe-se que a covid-19 é transmitida principalmente pelo ar. Isso ocorre através dos aerossóis, que nada mais são do que pequenas partículas de saliva ou fluido respiratório junto ao ar expelido quando respiramos, falamos, gritamos ou tossimos. Embora esteja claro que os aerossóis emitidos por pessoas saudáveis não são um problema, aqueles emitidos por pessoas infectadas podem conter o vírus. O problema é que eles permanecem flutuando no ar por minutos ou horas e, nesse tempo, podem se mover vários metros.

Em ambientes internos mal ventilados, os aerossóis de uma pessoa infectada são distribuídos por todo o espaço, com o risco de outras pessoas serem infectadas ao inalá-los. O ar de uma sala fechada funciona como uma piscina: se houver uma fonte que coloca água com coloração (nosso vírus) na piscina, depois de um tempo toda a água da piscina (nosso ar) terá mudado de cor. Não importa se estou perto ou longe da fonte: a água estará colorida.

Foi observado que ser infectado em ambientes fechados é 20 vezes mais provável do que ao ar livre, o que novamente só pode ser explicado pela transmissão através de aerossol. A revista acadêmica de saúde The Lancet publicou recentemente um artigo que não deixa dúvidas quanto à importância da via de transmissão por aerossóis.

Sabe-se que as pessoas infectadas são principalmente contagiosas antes de apresentarem sintomas (pré-sintomáticos) ou quando sequer apresentam sintomas (assintomáticos). Assim, é impossível, na ausência de testes com diagnóstico imediato, confiáveis e abundantes, saber quem é contagioso e quem não é. Portanto, é preciso agir como se todas as pessoas fossem. Temos que nos proteger continuamente.

 

Medidas prioritárias: 

As máscaras de uso geral precisam ser eficazes. Uma máscara mal ajustada (com lacunas entre a borda da máscara e o rosto) pode ter sua eficácia reduzida. Em interiores compartilhados, incluindo, é claro, locais de trabalho, ela deve ser sempre usada, independentemente da distância entre as pessoas.

Atividades ao ar livre devem ser preferenciais. 

Os espaços internos devem ser ventilados com ar externo contínuo e abundante, usando ventilação natural ou mecânica. Na analogia da piscina, isso significa adicionar água limpa à nossa piscina de forma contínua, e gradualmente retirando a água colorida. Quanto? O suficiente para que a piscina nunca fique muito escura, apesar de a fonte com água colorida não parar.

 

Santa Maria, 13 de maio de 2021. 

Fonte: The Conversation