Ir para o conteúdo Ciências Sociais Ir para o menu Ciências Sociais Ir para a busca no site Ciências Sociais Ir para o rodapé Ciências Sociais
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo
Publicado: 7 fevereiro 2020 - 09:33 | Última modificação: 7 fevereiro 2020 - 09:33
Ouvir
BRECHAS - ARTE PSICANÁLISE RESISTÊNCIA

TÉCNICO-CIENTÍFICOS

Auditório da Cesma (Santa Maria) - Santa Maria

23/05/2020 09:00 - 23/05/2020 12:00

Descrição

Serão 4 atos ao longo deste ano.

SAVE THE DATE – primeiro ato: 23/05 (sábado) | 09hs-12hs | Auditório da Cesma (Santa Maria)

Em breve apresentação dos convidados e abertura das inscrições.

Apresentação:

Que efeitos as obras de arte e a experiência analítica podem produzir, senão aqueles que convocam o sujeito a deslocamentos e travessias singulares?

Como sabemos, Freud (1856-1939) concede às artes fonte inesgotável de material para seus escritos desde a origem da Psicanálise. Através de seu olhar, capturado por dias por Moisés, de Michelângelo, destaca a importância daquilo que se revela nos pequenos detalhes e nas entrelinhas. É nas brechas que Freud vislumbra um Moisés diferente ao descrito na Bíblia: alguém que renuncia aos seus impulsos e não deixa as tábuas da Lei se quebrarem. Este Moisés surge da sensibilidade do artista e da leitura freudiana nas minúcias da barba e nos movimentos dos pés e das mãos da escultura.

Na captura com que as obras de arte tomam o espectador, lançamos nosso olhar diante das obras do pintor e escultor argentino Lucio Fontana (1899-1968) para construção de Brechas. O artista coloca em cena incisões que alteram a dimensão convencional da tela plana da pintura e rasgam com a lógica simétrica da bela forma. Essas incisões podem ser percebidas como fendas, fissuras, Brechas que rompem com o automatismo da repetição de algumas imagens e abrem espaço para construções de outros significantes. Neste sentido, as Brechas que propusemos é um convite para que nos lancemos em deslocamentos e travessias junto aos pares na tentativa de fazer resistência aos violentos acontecimentos de nosso tempo.

Na lição Os circuitos do desejo Lacan (1901-81) situa a violência como algo pulsional que escapa à simbolização. Diz ainda que a violência é exatamente o contrário da fala, destacando que atos violentos se mostram no fracasso da palavra. “O que se pode produzir em uma relação inter-humana é a violência ou a palavra.” (LACAN, [1957-58]1999, p. 471). Como atravessar esse momento de fortes rupturas de diálogos, negação da história, graves censuras à arte brasileira, tentativas de apagamento da alteridade, atos de ódio e repúdio às diferenças, discursos totalitários que autorizam chacinas e que escolhem seus mortos e seus vivos, fazendo distinção de vidas?

Este cenário desértico temos testemunhado na clínica e em nossos laços mais íntimos. Desertos são “lugares totalitários, em que as imagens se apresentam como imperativas, onde os caminhos já estão exaustivamente indicados, repletos de prescrições, regulamentos – onde não há espaço para o inédito, para o fora do lugar, para o desvio, para a deriva.” (SOUSA, 2017, p. 82,83). Que possibilidades temos de fazer incisões e aberturas nesta geografia?

“Se queres aguentar a vida, prepara-te para a morte” (FREUD, 1915, pg. 246). Esta foi a proposta freudiana a partir do deslizamento do ditado popular “se queres conservar a paz, prepara-te para a guerra”. O inventor da Psicanálise encerra assim o texto Considerações atuais sobre a guerra e a morte (1915) produzido em uma época de grandes catástrofes e traumas sociais, os quais se atualizam e se transfiguram ao longo das gerações. Como efeito da leitura deste texto, ainda resta a pergunta: como construir Brechas possíveis que deem suporte à vida e à construção narrativa de restos traumáticos da nossa cultura para travessia deste deserto autoritário que se alastra cada vez mais em nosso país e em nosso dia a dia?

Não atravessamos um deserto sozinho. Neste sentido, nossa aposta é abrir Brechas para que a palavra circule como ato de resistência, através de articulações entre as artes e a Psicanálise.

Ariádini de Andrade (Psicóloga, Especialista em Clínica Psicanalítica – ULBRA/SM) e Giovana Dalcin Netto (Psicóloga e Psicanalista, Mestranda em Psicanálise/UFRGS)

Contato

Fone: 55 96012422

atospsicanalise@gmail.com

Localização

Auditório da Cesma (Santa Maria)

Professor Braga - 55 - Centro

Santa Maria - 97015530 - Rio Grande do Sul

Realização