Ir para o conteúdo Terapia Ocupacional Ir para o menu Terapia Ocupacional Ir para a busca no site Terapia Ocupacional Ir para o rodapé Terapia Ocupacional
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Perfil do Terapeuta Ocupacional

Perfil do Terapeuta Ocupacional

Terapeuta Ocupacional com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva capacitado a realizar ações em saúde, bem como, específicos da Terapia Ocupacional priorizando o coletivo e o social, consciente das dimensões técnica, ética e política de sua atuação profissional numa perspectiva interdisciplinar. Para garantir esta formação, conforme especificado nas Diretrizes Curriculares Nacionais, o aluno deverá construir habilidades para:

a) Conhecer a evolução histórica dos conceitos e das práticas da Terapia Ocupacional;

b) Identificar e analisar as disfunções e patologias que afetam a atividade humana, a partir do conhecimento do desenvolvimento humano nos aspectos biopsicosocial e econômico-social;

c) Elaborar e executar avaliações específicas da Terapia Ocupacional, bem como, propor e desenvolver ações de intervenção nas diversas áreas da saúde e modalidades de atendimento;

d) Desenvolver atitude ética e crítica quanto aos programas de atenção à saúde, trabalho e prática profissional, no sentido de poder encaminhar soluções alternativas, sempre que se fizerem necessárias;

e) Desenvolver habilidades para análise e utilização dos recursos tecnológicos e terapêuticos, assim como pesquisar, criar e propor novos recursos;

f) Tomar iniciativas, gerenciar e administrar tanto o trabalho como os recursos físicos, materiais e de informação;

g) Ser gestor, empreendedor, articulador e liderar equipes de saúde.

Competências e Habilidades Específicas

As competências, conhecimentos e habilidades a serem desenvolvidas ao longo da formação são as seguintes:

a) Relacionar a problemática específica da população com os seus processos sociais, culturais e políticos objetivando a emancipação e autonomia da mesma;

b) Compreender as relações saúde-sociedade como também as relações de exclusão-inclusão social, bem como participar da formulação e implementação das políticas sociais, sejam estas setoriais (políticas de saúde, infância, adolescência, idoso, educação, trabalho, promoção social, etc.) ou intersetoriais. É com base nesta realidade que campos tais como saúde do trabalhador, saúde do idoso, saúde mental, atenção ao portador de deficiência se constituem como ações onde fica evidente a necessidade do campo de ação da terapia ocupacional cujo foco principal se instala às demandas de pessoas excluídas do acesso aos bens culturais e sociais;

c) Reconhecer a saúde como um direito e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema;

d) Explorar recursos pessoais, técnicos e profissionais para a condução de processos terapêuticos numa perspectiva interdisciplinar;

e) Compreender o processo de construção do fazer humano, isto é, de como o homem realiza as suas escolhas ocupacionais, utiliza e desenvolve as suas habilidades, se reconhece e reconhece a sua ação;

f) Identificar, entender, analisar e interpretar as desordens da dimensão ocupacional do ser humano e a utilizar, como instrumento de intervenção, as diferentes atividades humanas, quais sejam, as artes, o trabalho, o lazer, a cultura, as atividades artesanais, o auto-cuidado, as atividades cotidianas e sociais;

g) Desempenhar atividades de assistência, ensino, pesquisa, planejamento e gestão de serviços e de políticas de assessoria e consultoria de projetos, empresas e organizações.

h) Conhecer o processo saúde-doença, nas múltiplas determinações, contemplando a integração dos aspectos biológicos, sociais, psíquicos, culturais e a percepção do valor dessa integração para a vida de relação e produção.

i) Conhecer os fundamentos históricos, filosóficos e metodológicos da Terapia Ocupacional e seus diferentes modelos de intervenção;

j) Conhecer métodos e técnicas de investigação e elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos;

k) Conhecer os princípios éticos que norteiam os terapeutas ocupacionais em relação as suas atividades de pesquisa, prática profissional, a participação em equipes, bem como, as relações terapeuta-paciente;

l) Conhecer os principais métodos de avaliação e registro, formulação de objetivos, estratégias de intervenção e verificação de eficácia das ações propostas em terapia ocupacional;

m) Desenvolver habilidades pessoais e atitudes necessárias para a prática profissional, a saber: consciência das próprias potencialidades e limitações, adaptabilidade e flexibilidade, equilíbrio emocional, empatia, criticidade, autonomia intelectual e exercício da comunicação verbal e não verbal;

n) Conhecer as bases conceituais das terapias pelo movimento: neuroevolutivas, neurofisiológicas, biomecânicas, psicocorporais, cinesioterápicas, entre outras;

o) Conhecer a tecnologia assistiva e acessibilidade, através da indicação, confecção e treinamento de dispositivos, adaptações, órteses, próteses e software;

p) Vivenciar atividades profissionais com diferentes grupos populacionais em situação de risco e ou alteração nos aspectos: físico, sensorial, perceptual, cognitivo, mental, psíquico e social;

q) Desenvolver atividades de planejamento e gerenciamento de serviços de terapia ocupacional;

r) Conhecimentos, pesquisas e habilidades para utilização dos recursos tecnológicos e terapêuticos.