Ir para o conteúdo POSCOM Ir para o menu POSCOM Ir para a busca no site POSCOM Ir para o rodapé POSCOM
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Maria Immacolata Lopes abre a II Jornada Gaúcha de Pesquisadores da Recepção na UFSM



“A recepção transmidiática e os desafios da pesquisa em rede” foi o tema abordado pela professora doutora Maria Immacolata Vassalo de Lopes (USP) na conferência que abriu a programação da II Jornada Gaúcha de Pesquisadores da Recepção, na manhã desta quinta-feira, 17. Promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o evento se estende até amanhã, reunindo mais de uma centena de pesquisadores, de 18 universidades gaúchas e de outros estados.

A professora Immacolata apresentou um panorama sobre a tradição da pesquisa latino-americana de recepção, que tem como um dos maiores expoentes o pesquisador Jesus Martín Barbero. Em seguida, abordou a trajetória das pesquisas em recepção do OBITEL (Observatório Ibero-americano de Ficção Televisiva) no Brasil. Para a pesquisadora, os problemas metodológicos e epistemológicos estão centrados no trabalho do pesquisador de recepção e na escolha das técnicas, que devem ser epistemologicamente criticadas: “As técnicas não são neutras, elas são teorias em ação”, afirmou Immacolata.

O que é a recepção hoje? O que é ser receptor hoje? Como ele se relaciona com os meios e entre si? Na visão de Immacolata estas são perguntas fundamentais para se compreender o atual contexto da pesquisa em recepção. Com a cultura da convergência, segundo ela, os meios convergem de forma mútua entre mídias novas e antigas, e é preciso atentar para a renovação da pesquisa de recepção que migrou para as redes sociais. Trazendo o conceito de cultura participativa e defendendo a abordagem do receptor como fã, atuante em comunidades ativas, a pesquisadora ressaltou e exemplificou o uso de técnicas de visualização das redes sociais, como modos de trabalhar com grande número de dados nos estudos de recepção televisiva.

Ao final, Immacolata destacou o papel da telenovela brasileira como narrativa da nação e como um recurso comunicativo. Para ela “as temáticas sociais passam a ter uma interação com o cotidiano do país”. Trazendo dados de pesquisas realizadas pelo OBITEL no Brasil desde 2008, exibiu diferentes exemplos dos estudos de recepção transmidiática de telenovelas.

A programação da II Jornada Gaúcha de Pesquisadores da Recepção se estende até amanhã. Na tarde desta quinta-feira, acontecem ainda as apresentações dos trabalhos selecionados. Amanhã, estão previstas duas mesas temáticas, pela manhã, e a continuidade das discussões nos Grupos de Trabalho, no turno da tarde.

Texto: Cibele Zardo
Fotos: Laura Quadros


Notícia vinculada a


Publicações Recentes