Ir para o conteúdo PPGD Ir para o menu PPGD Ir para a busca no site PPGD Ir para o rodapé PPGD
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Plano de ensino da disciplina: JUR 825: Direito da Sociedade em Rede



UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
Centro de Ciências Sociais e Humanas – CCSH
Programa de Pós-Graduação em Direito – PPGD
Mestrado em Direito

                                                        Plano de ensino

1) Identificação
Disciplina: O Direito na sociedade em rede
Código: JUR 825
Créditos: 2 créditos
Carga horária: 30 horas/aula
Semestre letivo: 1º semestre/2015
Professores: Profª. Dr.ª Rosane Leal da Silva

2) Ementa
A Internet como motor da revolução informacional: um debate social, político, econômico e jurídico. Os fluxos transnacionais de informações e comunicações e os desafios à ordem global. Os modelos de regulação da Internet. O Direito Constitucional impactado pelas tecnologias informacionais: a releitura dos direitos fundamentais em tempos de Internet. A emergência de novos direitos fundamentais derivados da sociedade informacional: direito à inclusão digital, à proteção de dados pessoais e autodeterminação informativa. O Brasil na sociedade informacional: o estado da questão e desafios para o futuro.

3) Objetivo
A disciplina objetiva discutir os aspectos teóricos referentes à sociedade em rede, tratando de identificar os novos conflitos dela emergentes, bem como as respostas ofertadas pelo Direito para o seu enfrentamento.

4) Conteúdo programático

UNIDADE 1: A SOCIEDADE EM REDE
1.1 A alta modernidade e a sociedade em rede: transformações institucionais e premissas básicas.
1.2 A Internet como motor da revolução informacional.
1.3 A inserção do Brasil na sociedade informacional: os documentos técnicos e o Comitê Gestor da Internet no Brasil.
1.4 Informação e comunicação na era digital.
1.5 As formas de regulação da internet.

UNIDADE 2: A PROTEÇÃO DE DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS INTERNAUTAS.
2.1 O direito à inclusão digital como um novo direito fundamental.
2.2 Os direitos fundamentais revisitados pelo uso das TICs: dos direitos já contemplados na CF/88 à emergência de novas categorias: os dados pessoais e autodeterminação informativa (delineamentos e tratamento jurídico).
2.3 A utilização da Internet e os desafios à proteção da privacidade e da intimidade.
2.4 A emergência da intolerância e dos discursos de ódio na Internet e o tratamento jurídico do tema: desafios para promoção da interculturalidade.

UNIDADE 3: OS IMPACTOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO SOBRE O
MUNDO DO TRABALHO
3.1 O uso das TICs no mundo do trabalho: potencialidades e desafios para a proteção dos direitos fundamentais dos trabalhadores em face da utilização das TICs.
3.2 O tratamento jurídico do teletrabalho: análise do direito comparado e das iniciativas brasileiras.

UNIDADE 4: CONSUMO E SUSTENTABILIDADE NA ERA VIRTUAL
4.1 Os desafios do comércio eletrônico e as novas formas de contratação online.
4.2 As novas formas de publicidade online e os desafios ao consumo consciente e sustentável.

UNIDADE 5: O USO SOCIAL E POLÍTICO DA INTERNET
5.1 A internet como ferramenta que potencializa as mobilizações sociais e políticas.
5.2 O uso das TICs para promoção do acesso à informação pública em favor do meio ambiente e da sustentabilidade.

6) Caracterização Geral da Metodologia de Ensino

A disciplina é presencial. As aulas serão desenvolvidas em quatro períodos seguindo o cronograma ajustado, transcorrendo a partir da combinação de vários métodos, a saber: os três primeiros encontros privilegiarão abordagem expositiva-dialogada, com conteúdos ministrados pela docente responsável pela disciplina, ao que se seguirá um encontro no qual a aula consistirá em discussão focal (a partir da leitura obrigatória dos textos indicados, o que deve ser feito por parte de
todos os mestrandos). A partir do quarto encontro ocorrerão as apresentações de seminários temáticos, produzidos pelos mestrandos em trios. A apresentação dos seminários será precedida da revisão, pela docente, dos materiais (textos, slides, etc), preparados pelos responsáveis pelo seminário, que devem enviar os materiais completos com
uma semana de antecedência da data de sua apresentação. As exposições serão sucedidas de discussão do tema, onde os demais mestrandos serão questionados pela professora sobre o conteúdo proposto para o encontro, seguido consolidado feito pela docente. Os mestrandos que não são responsáveis pelo seminário devem ler ao menos três dos textos
indicados no plano de ensino para o encontro, conhecimento sem o qual não conseguirão participar dos debates. Ao final da disciplina cada mestrando entregará um artigo final.
Durante os encontros só poderão ser utilizadas TIC para finalidades específicas da disciplina. A manutenção do ambiente da sala de aula é responsabilidade de todos. Recolha o seu lixo ao sair, ajude desligando os equipamentos (computador, luz e condicionador de ar). A sustentabilidade do ambiente depende do uso racional de todos!

7) Cronograma de Desenvolvimento

8 encontros, das 19:10 às 22:30, seguindo os dias agendados

Datas Conteúdo/Atividade docente e/ou discente

1º encontro
9/03
Apresentação e explicação do plano de ensino e sorteio dos grupos de trabalho.
Início das discussões de acordo com unidade 1: modernidade e a sociedade em rede: transformações institucionais e premissas básicas; A Internet como motor da revolução informacional.
Aula expositiva.

2º encontro
16/03
A inserção do Brasil na sociedade informacional: os documentos básicos e o Comitê Gestor da Internet no Brasil. Novas categorias conceituais.
O direito à inclusão digital como um novo direito fundamental.
Aula expositiva.

23/03 Atividade alternativa: assistência de vídeos do YouTube, Saber Direito, sobre o Marco Civil da Internet. Aulas 1 a 5. Disponível em
https://www.youtube.com/watch?v=7ka9kswbC4s
Atividade: identificar pontos polêmicos e que precisam ser regulamentados, destacando-os e oferecendo a justificativa para a necessidade de regulamentação.

3º encontro
30/03
Os direitos fundamentais revisitados pelo uso das TICs: dos direitos já contemplados na CF/88 à emergência de novas categorias: os dados pessoais e autodeterminação informativa.
A recente regulação no Brasil: DEBATE sobre O Marco Civil da Internet e
apresentação oral dos resultados pelos mestrandos.

4º encontro
13/04

1) DISCUSSÃO FOCAL COM TODOS OS MESTRANDOS:
Tema: Informação e comunicação na era digital.
Obras: LASH, Scott. Crítica de la información. Buenos Aires: Amorrortu, 2005.
WOLTON, Dominique. La outra mundialización: los desafios de la cohabitación cultural global. Barcelona: Gedisa, 2004.

Estratégia: sorteio de quem apresentará os capítulos, seguido de discussão
e quesitação de conteúdos aos mestrandos.

5º encontro
27/04
Seminário grupo 1:
A utilização da Internet e os desafios à proteção da privacidade (inclui dados pessoais) e da intimidade no ambiente virtual.

Seminário grupo 2: A emergência da intolerância e dos discursos de ódio na Internet e o tratamento jurídico do tema: desafios para promoção da interculturalidade.

6º encontro
11/05
Grupo 3:
O uso das TICs no mundo do trabalho: potencialidades e desafios para a proteção dos direitos fundamentais dos trabalhadores em face da utilização das TICs.

Grupo 4:
Os desafios do comércio eletrônico e as novas formas de contratação online.

7º encontro
18/05
Grupo 5:
As novas formas de publicidade online e os desafios ao consumo consciente e sustentável.
Grupo 6:
O uso das TICs para promoção do acesso à informação pública em favor do meio ambiente e da sustentabilidade.

8º encontro
25/05
Seminário com o Prof. Dr. Manuel David Masseno – Portugal
A União Europeia na sociedade informacional (aberto aos mestrandos das
Turmas anteriores)
**as aulas desse seminário ocorrerão de 25 a 27 de maio, com três horas cada dia. Será disponibilizado certificado a quem tiver 75% de presença,
tomando-se em conta a carga-horária total do curso (9 horas).

9º encontro

08/06
Consolidado da disciplina, com a participação de todos os mestrandos.

22/06

Envio dos artigos produzidos (em formato word) para o e-mail
rolealdasilva@gmail.com

8) Procedimentos, Critérios e Modalidades de avaliação da aprendizagem
Na avaliação dos mestrandos serão considerados os seguintes aspectos:

a) assiduidade aos encontros, participação qualificada nos debates, evidenciando a leitura do textos, comprometimento e cumprimento de prazos: valor 2,0
b) Preparação e apresentação dos seminários, que serão realizados em grupos de 4: valor 4,0
c) Produção e entrega do paper final (duplas), atendendo aos critérios exigidos para publicação nos Encontros Nacionais do Conpedi: valor 4,0.

*** O acesso às tecnologias informacionais durante as aulas somente será permitido para a realização de atividades relacionadas à disciplina.
O artigo deve:

a) ser inédito;

b) conter resumo em língua portuguesa e estrangeira (inglês,
espanhol, francês ou italiano) com no mínimo 100 palavras;

c) conter no mínimo 03 (três) palavras-chave
na língua portuguesa e na estrangeira (inglês, espanhol, francês ou italiano);

d) conter desenvolvimento e referências;

e) possuir de 15 a 30 laudas no formato Word – A4, posição vertical; fonte Times New Roman; corpo 12; alinhamento justificado; sem separação de sílabas; entrelinhas com espaçamento 1,5; parágrafo de 1,5 cm; margem: superior e esquerda: 3 cm, inferior e direita: 2 cm;

f) as citações devem obedecer às regras da ABNT (NBR 10520/2002);

g) o mesmo com as referências (NBR 6023/2002);

h) o sistema de chamada das referências das citações diretas ou/e indiretas pode ser autor-data ou numero (NBR 10520/2002), sendo as notas de rodapé somente explicativas (NBR 6022/2003);

i) conforme a NBR 6024/2003, os títulos, subtítulos e subsubtítulos devem ser alinhados à esquerda e conter um texto relacionados a eles.

9.1) Bibliografia básica

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e Teoria da Constituição. 7ª.
ed. – 3ª reimp. Coimbra: Almedina, 2006.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 11. ed. Traduzido por Roneide Venâncio Majer. São
Paulo: Paz e Terra, 2008. v. 1.
CASTRO, Catarina Sarmento e. Direito da informática, privacidade e dados pessoais.
Coimbra: Edições Almedina, 2005.
DELPECH, Horácio Fernández. Internet: su problemática jurídica. 2. ed. Buenos Aires: Abeledo
2004.
GARCIA MARQUES; LOURENÇO MARTINS. Direito da Informática. Almedina, Coimbra,
2000.
LEONARDI, Marcel. Tutela e privacidade na Internet. São Paulo: Saraiva, 2012.
PEREZ LUÑO, Antonio-Enrique. Los derechos humanos em la sociedad tecnológica.
Universitas: 2012.
9.2) Bibliografia complementar
ADOLFO, Luiz Gonzaga Silva. (Org.). Direitos fundamentais na sociedade da informação.
Florianópolis, GEDAI, 2012.
ACKERMAN, John M.; SANDOVAL, Irma E. Leyes de Acceso a la Información en el mundo.
Cuadernos de Transparencia, 07. Delegación Coyoacán, México, D.F.: Instituto Federal de
Acceso a la Información Pública, 2005.
ANDRADE, Marcelo. Sobre pluralismo, verdade e tolerância: diálogos epistemológicos e éticos
para uma educação intercultural. Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 117, dez. 2011 . Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
73302011000400011&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 24 fev. 2012.
http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302011000400011.
ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2008.
ALMEIDA, Lucilde D’Ajuda Lyra de. Trabalho em domicílio: histórico e perspectivas – o
teletrabalho. Disponível em:
<http://aplicacao.tst.jus.br/dspace/bitstream/handle/1939/3753/doutrina4_tst_2-
2005.pdf?sequence=1>. Acesso: 14 nov. 2013.
ALMEIDA, Rafael Luft de. A liberdade de expressão e o discurso de ódio na era da Internet.
Revista de Direito das Novas Tecnologias, São Paulo, nº 8, p. 7-32, jul. 2011/jun. 2012.
BARBAGALO, Erica Brandini. Contratos eletrônicos: contratos formados por meio de redes de
computadores peculiaridades jurídicas da formação do vínculo. São Paulo, SP: Saraiva, 2001.
BARBOSA, Marco Antonio. Poder na sociedade da informação. In: PAESANI, Liliana
Minardi (Org.). O direito na sociedade da informação. São Paulo: Editora Atlas, 2007, p.
31-60.
BARROS, Marco Antonio de. Tutela punitiva tecnológica. In: PAESANI, Liliana Minardi
(Org.). O direito na sociedade da informação. São Paulo: Editora Atlas, 2007, p. 275-300.
BARROSO, Luís Roberto. A dignidade da pessoa humana no Direito Constitucional
contemporâneo: a construção de um conceito jurídico à luz da jurisprudência mundial. Belo
Horizonte: Editora Forum, 2013.
______. Curso de Direito Constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a
construção do novo modelo. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Traduzido por Plínio
Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
______. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.
______. Modernidade líquida. Traduzido por Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,
2001.
BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo: hacia una nueva modernidad. Traducción: Jorge Navarro;
Daniel Jiménez; Maria Rosa Borrás. Barcelona: Paidós, 1998.
______. O que é globalização? Equívocos do globalismo, respostas à globalização. São Paulo:
Paz e Terra, 1999.
BEESON, Charles D. Cole. A regulação da internet na cultura jurídica americana.
Traduzido por: ZUCCI, Maria Cristina. In: PAESANI, Liliana Minardi. O direito na
sociedade da informação. São Paulo: Editora Atlas, 2007, p. 99-112.
BELTRÃO, Helio Marcos Coutinho. O problema da censura na internet. In: INSTITUTO
DE ESTUDOS EMPRESARIAIS. Liberdade na era digital. Porto Alegre: IEE, 2011, p.
142-163.
BRAGA, Ruy. A vingança de Braverman: o infotaylorismo como contratempo. ANTUNES,
Ricardo. BRAGA, Ruy (0rgs.). Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo:
Boitempo, 2009, p. 59-88.
BRAGA, Fernando Urioste. Derecho de la información. Buenos Aires: Su Gráfica, 2009.
BOBBIO, Norberto. Elogio da serenidade e outros escritos morais. Tradução de Marco Aurélio
Nogueira. São Paulo: Editora UNESP, 2002.
BONAVIDES, Paulo. Teoria constitucional da democracia participativa: por um Direito
Constitucional de luta e resistência por uma nova hermenêutica por uma repolitização da
legitimidade. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.
BUSTAMANTE, Javier. Sociedad informatizada ¿Sociedad deshumanizada? Uma visión
crítica de la influencia de la tecnología sobre la sociedade em la era del computador. Madrid:
Gaia, 1993.
BRUGGER, Winfried. Proibição ou proteção do discurso de ódio?Algumas Observações sobre
o Direito Alemão e o Americano. In: Revista de Direito Público nº 15, Brasília: Instituto
Brasiliense de Direito Público ,p. 117-136,vol. 1 Jan-Fev-Mar. 2007. Disponível em:
<http://www.direitopublico.idp.edu.br/index.php/direitopublico/article/viewArticle/521> Acesso
em: 27 fev. 2012.
CANCLINI, Nestor Garcia. Diferentes, Desiguais e Desconectados. Rio de Janeiro: Editora
UFRJ, 2009.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Brancosos e interconstitucionalidade: itinerários dos
discursos sobre a historicidade constitucional. 2. ed. Coimbra: Almedina, 2008.
CARVALHO, Antonio Roberto Winter de. A verdadeira face da tecnologia aplicada em prol da
redução da burocracia governamental. In: INSTITUTO DE ESTUDOS EMPRESARIAIS.
Liberdade na era digital. Porto Alegre: IEE, 2011, p. 128-141..
CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, negócios e a sociedade.
Traduzido por Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
______. Fim de milênio: a era da informação: economia, sociedade e cultura. Traduzido por
Klauss Brandini Gerhardt e Roneide Venancio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 3.
______. O poder da identidade: A era da informação: economia, sociedade e cultura. 6. ed.
Traduzido por Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 2008. v. 2.
CARDON, Dominique. A democracia internet: Promessas e limites. Traduzido por VICENT,
Nina; COUTINHO, Tiago. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.
______. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da internet. Rio de
Janeiro: Zahar, 2013.
CARDOSO, Gustavo. A mídia na sociedade em rede: filtros, vitrines, notícias. Rio de Janeiro:
Editora FGV, 2007.
CENDEJAS JÁUREGUI, Mariana. Evolución histórica del derecho a la información.
Disponível em:<
http://biblio.juridicas.unam.mx/revista/pdf/DerechoInformacion/10/art/art3.pdf>. Acesso em: 30
jul 2013.
CHATELET, François; DUHAMEL, Olivier; PISIER-KOUCHNER, Évelyne. As
Concepções Políticas do século XX: história do pensamento político. Traduzido por:
COUTINHO, Carlos Nelson de; KONDER, Leandro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1983.
CHEIB, Ronaldo Maurílio. O Direito do Trabalho dos novos tempos: as novas tecnologias e garantias
constitucionais e processuais, o direito à intimidade e de privacidade do empregado e do empregador. Rio
de Janeiro: Editora Lumen Juris: 2010.
COMM, Joel. O poder do Twitter: estratérias para dominar seu mercado e atingir seus objetivos
com um tweet por vez. São Paulo: Editora Genta, 2009.
COUTO, Rute Isabel Esteves Ferreira. Comércio e Consumo Eletrônico: algumas considerações
jurídicas. 2004. 165p. Dissertação, Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa,
Porto, 2004. Disponível em
< https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/6146/1/RuteCouto_TeseMESTRADO_Com%C3%A9rcioConsumoElectr%C3%B3nico.pdf >
Acesso em: 21 out 2013
DE MASI, Domenico. A sociedade pós-industrial. In: ______.(Org.). A sociedade pósindustrial.
3. ed. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000, p. 11-98.
DIAS, Adriana Abreu Magalhães. Os Anacronautas Do Teutonismo Virtual: uma etnografia do
neonazismo na Internet. Campinas: UNICAMP, 2007. 311 p. Dissertação (Mestrado) –
Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2007.
DIAS, Lucia Ancona Lopez de Magalhães. Publicidade e Direito. São Paulo: Revista dos Tribunais,
2010.
DINIZ, Catarina. A influência dos estímulos não-conscienciatizados no comportamento do
consumidor. Tese (Licenciatura em Comunicação Empresarial) – Instituto Superior de Comunicação
Empresarial, Lisboa, 1999. Disponível em:
<http://www.valdata.com.br/html/downloads/estimulos.pdf>. Acesso em: 21 maio 2013
DONEDA, Danilo. Considerações sobre a tutela da privacidade e a proteção de dados pessoais no
ordenamento brasileiro. In: CONRADO, Marcelo; PINHEIRO, Rosalie Fidalgo (Coords.).
Direito Privado e Constituição: ensaios para uma recomposição valorativa da pessoa e do
patrimônio. Curitiba: Juruá, 2009.
DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. Tradução de Nelson Boeira. 2 ed. São Paulo:
Martins Fontes, 2007.
__________. O direito da liberdade: a leitura moral da Constituição norte-americana. Tradução
de Marcelo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
DUPAS, Gilberto. Ética e poder na sociedade da informação: de como a autonomia das
novas tecnologias obriga a rever o mito do progresso. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo:
UNESP, 2001.
______. Tensões contemporâneas entre o público e o privado. São Paulo: Paz e Terra, 2003.
ERENBERG, Jean Jacques. Publicidade Patológica na Internet à Luz da Legislação
Brasileira. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2003.
FERNANDES NETO, Guilherme. Direito da Comunicação Social. São Paulo: Revista dos Tribunais,
2004.
FINCATO, Denise. Teletrabalho: uma análise juslaboral. Disponível em: <
http://www.amdjus.com.br/doutrina/trabalhista/386.htm> Acesso em: 06 out. 2013.
________. Acidente de trabalho e teletrabalho: novos desafios à dignidade do trabalhador.
Disponível em: <http://dfj.inf.br/Arquivos/PDF_Livre/4_Doutrina_7.pdf>. Acesso em: 06 out.
2013.
FRANCO, Júlio. Necesidad de un Instrumento Legal en Argentina sobre Teletrabajo para el
Desarrollo y la Inclusión Social. Revista de Derecho Informático. n 136, Nov 2009. Disponível
em: <http://www.alfa-redi.org/rdi-articulo.shtml?x=16121>. Acesso em: 18 jul 2011.
GAZEN, Marcelo. A importância da internet no controle da gestão pública. In:
INSTITUTO DE ESTUDOS EMPRESARIAIS. Liberdade na era digital. Porto Alegre: IEE, 2011, p.
110-127.
GERSTENFELD, Phyllis B; GRANT, Diana R; CHIANG, Chau-Pu. Hate Online: A Content
Analysis of Extremist Internet Sites. Analyses of Social Issues and Public Policy, Vol. 3, No. 1,
2003, pp. 29-44. Disponível em: <www.asap-spssi.org/pdf/asap31-Gerstenfeld.pdf>. Acesso em:
05 de mar. de 2012
GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Traduzido por Raul Fiker. São Paulo:
Editora UNESP, 1991.
______. Modernidade e identidade. Traduzido por Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,
2002.
______; PIERSON, Christopher. Conversas com Anthony Giddens: o sentido da modernidade.
Traduzido por Luiz Alberto Monjardim. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.
GIRAUDEAU, Michel Olivier. Home office. In: MARQUES, Jader; SILVA, Maurício
Faria da. O Direito na era digital. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, p. 135-142.
GOÉS, Joaci. Anatomia do ódio: Na família, no trabalho, na sociedade. Rio de Janeiro:
Topbooks Editora e Distribuidora de Livros Ltda., 2004.
GONÇALVES, Maria Eduarda. Direito da informação: novos direitos e formas de
regulação na sociedade da informação. Coimbra: Almedina, 2003.
GUICHOT, Emilio. Datos personales y Administración Pública. Navarra: Aranzadi,
2005.
GRASSELLI, Odete. O direito derivado da tecnologia: circunstâncias coletivas e individuais no
Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2010.
GRASSELLI, Oraci Maria. Internet, correio eletrônico e intimidade do trabalhador. São
Paulo: LTr, 2011.
HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoría política. São Paulo: Edições
Loyola, 2002.
INSTITUTO DE ESTUDOS EMPRESARIAIS. Liberdade na era digital. Porto Alegre:
IEE, 2011.
IVOSKUS, Daniel. Vivir Conectados. Buenos Aires: Grupo Editorial Norma, 2008.
JR. NERY, Nelson; NERY, Rosa Maria de Andrade. Privacidade e Internet. Revista de Direito
Privado, São Paulo, n.19, jul/set 2004.
JUNQUEIRA, Miriam. Contratos eletrônicos. Rio de Janeiro: Mauad, 1997.
KUMAR, Krishan. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: Novas teorias sobre o mundo
contemporâneo. 2ªed. Rio de Janeiro: Jorge ZAHAR Editor, 2006.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling (Org.). Comunicação pública, sociedade e cidadania.
São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2011.
LASH, Scott. Crítica de la información. Buenos Aires: Amorrortu, 2005.
LÉVY, Pierre. A conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. Traduzido por
Maria Lúcia Homem e Ronaldo Entler. São Paulo: Ed. 34, 2001.
______. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 2. ed. São Paulo: Loyola,
1999.
_____. A memória como processo no tempo presente. In: CASALEGNO, Federico. Memória
cotidiana: comunidades e comunicação na era das redes. Traduzido por Adriana Amaral,
Francisco Rüdiger e Sandra Montardo. Porto Alegre: Sulina, 2006, p. 263-286.
______. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática (14.
reimp. 2006). Rio de Janeiro: Ed. 34, 1997.
______. Cibercultura. Traduzido por Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999, 2. ed,
2000.
______. O que é o virtual? Traduzido por Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 1996.
______. Ciberdemocracia. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.
LIMA, Marco Antonio Aparecido de. A nova redação do artigo 6º da CLT – teletrabalho,
home office ou anywhere office. In: MARQUES, Jader; SILVA, Maurício Faria da. O
Direito na era digital. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, p. 113-122.
LIMBERGER, Têmis. Direito e informática: o desafio de proteger os direitos do cidadão. In:
Direitos Fundamentais, Informática e Comunicação: algumas aproximações. Ingo Wolfgang
Sarlet (Org.), Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
___________. O direito à intimidade na era informática: a necessidade de proteção dos dados
pessoais. Porto Alegre: Livraria do advogado, 2007.
LISBOA, Roberto Senise. O consumidor na sociedade da informação. In: PAESANI, Liliana
Minardi. O direito na sociedade da informação. São Paulo: Editora Atlas, 2007, p. 113-142.
LOJKINE, Jean. A Revolução informacional. Traduzido por José Paulo Netto. 3. ed. São Paulo:
Cortez, 2002.
LUCAS, Doglas Cesar. Direitos humanos e interculturalidade: um diálogo entre a igualdade e
a diferença. Ijuí: Editora Unijuí, 2010.
MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de
massa. Traduzido por Maria de Lourdes Menezes. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária,
1998.
______. A memória das tribos e o reencantamento do mundo. In: CASALEGNO, Federico.
Memória cotidiana: comunidades e comunicação na era das redes. Traduzido por Adriana
Amaral, Francisco Rüdiger e Sandra Montardo. Porto Alegre: Sulina, 2006, p. 146-166.
MACHADO, Santiago Muñoz. La regulación de la red: poder y derecho en Internet.
Madri: Grupo Santillana de Ediciones, 2000.
MAIA, Rousiley celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Francisco Paulo Jamil
Almeida (Orgs.). Internet e participação política no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2011.
MALCON, Arthur. A sociedade da informação e as mudanças nos mercados de trabalho e
de consumo. In: INSTITUTO DE ESTUDOS EMPRESARIAIS. Liberdade na era digital.
Porto Alegre: IEE, 2011, p. 34-51.
MARQUES, Garcia; MARTINS, Lourenço. Direito da informática. 2.ed. Coimbra:
Almedina, 2006.
MARTINS, Guilherme Magalhães. Boa-fé e contratos eletrônicos via internet. In: TEPEDINO,
Gustavo. Problemas de Direito Civil- Constitucional. Rio de Janeiro: Renovar, 2000.
______. Formação dos contratos eletrônicos de consumo via internet. Rio de Janeiro: Forense,
2003
MATTELART Armand. História da sociedade da informação. Traduzido por Nicolás Nyími
Campanário. São Paulo: Loyola, 2002.
MELLO, Álvaro. Teletrabalho (Telework): O Trabalho em Qualquer Lugar e a Qualquer
Hora… Rio de Janeiro : Qualitymark: ABRH-Nacional, 1999.
MENDEL, Toby. El Derecho a la Información en América Latina: comparación juridica.
Quito: UNESCO, 2009.
MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito
Constitucional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.
MEXÍA, Pablo García (director). Principios de derecho de Internet. 2. ed. Valencia: Tirant lo
Blanch: 2005.
MEYER-PFLUG, Samantha Ribeiro. Liberdade de Expressão e Discurso de Ódio. São
Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2009.
MIRANDA, Jorge. Teoria do Estado e da Constituição. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense,
2011.
MORGADO, Isabel Salema; ROSAS, António (Orgs.). Cidadania Digital. Livros
LabCom, 2010.
MORAIS, Paulo Soares de. Principais aspectos do comércio eletrônico frente ao Código de
Defesa do Consumidor. In: MARQUES, Jader; SILVA, Maurício Faria da. O Direito na
era digital. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, p. 143-152.
MOREIRA, Fábio Lucas. Da “sociedade informática” de Adam Schaff ao estabelecimento
dos fundamentos e princípios do marco civil da Internet. In: MARQUES, Jader; SILVA,
Maurício Faria da. O Direito na era digital. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, p.
13-46.
NISSENBAUM, Helen. Privacidad amenazada. Tecnología, política y la inbtegridad de la
vida social. México: Oceano, 2010.
PAESANI, Liliana Minardi. O direito na sociedade da informação. São Paulo: Editora
Atlas, 2007.
PALAZZI, Pablo A. (Director). Derechos y nuevas tecnologías. Derechos Personalíssimos.
Buenos Aires: Ad-Hoc, 2003.
PEREIRA, Marcelo Cardoso. Direito à intimidade na Internet. Curitiba: Juruá, 2006. 279 p.
PÉREZ LUÑO, Antonio-Enrique. Derechos humanos, Estado de Derecho y Constitución. 9.
ed. Madri: Editorial Tecnos, 2005.
______. ¿ Ciberciudadanía@o ciudadanía@.com? Barcelona: Gedisa Editorial, 2004.
______, Antonio-Enrique. Informática y libertad. Comentario al articulo 18.4 de la
constitución española. Disponível em: <
http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=26680&orden=0&info=link>. 05 fev.
2013.
______. Internet y los derechos humanos. In: Anuario de Derechos Humanos. Nueva Época.
Vol. 12. 2011, p. 287-329. Disponível em:<
http://revistas.ucm.es/index.php/ANDH/article/view/38107>. Acesso em: 08 mar 2013.
______. Cidadanía y Definiciones. Disponível em: <
http://bib.cervantesvirtual.com/servlet/SirveObras/23584061091481851665679/doxa25_06.pdf.
Acesso em 22 fev 2013.
______. Dogmática de los derechos fundamentales y transformaciones del sistema
constitucional. Disponível em: < http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2520506>.
Acesso em: 21 fev 2013.
______.
PINHEIRO, Patrícia Peck. Direito Digital. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
PINO ESTRADA, Manuel Martín Pino. O teletrabalho tranfronteiriço no Direito Brasileiro.
Revista de Derecho Informático. n 055, fev 2003. Disponível em: <http://www.alfa-redi.org/rdiarticulo.
shtml?x=1376>. Acesso em: 18 jul 2011.
______. Horas extras e Sobreaviso no Teletrabalho. Revista de Derecho Informático. n 121, ago
2008. Disponível em: < http://www.alfa-redi.org/rdi-articulo.shtml?x=10729>. Acesso em: 18 jul
2011.
PRATTI, Lisiane Peccin. A regulação do ambiente digital: propósitos, objetivos e resultados. In:
INSTITUTO DE ESTUDOS EMPRESARIAIS. Liberdade na era digital. Porto Alegre: IEE,
2011, p. 176-185.
RECUERO, Raquel. Redes Sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.
RHEINGOLD, Howard. La comunidad virtual: una sociedad sin fronteras. Barcelona: Gedisa
Editorial: 1996.
RIFKIN, Jeremy. A era do acesso: a transição de mercados convencionais para o networks e o
nascimento de uma nova economia. Traduzido por Maria Lúcia G. L. Rosa. São Paulo: Makron
Books, 2001.
RUARO, Regina Linden; RODRIGUEZ, Daniel Piñeiro. O direito à proteção dos dados pessoais:
uma leitura do sistema europeu e a necessária tutela dos dados sensíveis como paradigma para um
sistema jurídico brasileiro. Direitos Fundamentais e Justiça. n.11, abr./jun. 2010.
RULLI JÚNIOR, Antonio. Jurisdição e sociedade da informação. In: PAESANI, Liliana
Minardi. O direito na sociedade da informação. São Paulo: Editora Atlas, 2007, p. 79-98.
SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do
Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.
______. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus,
2004.
______. LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo,
SP: Paulus, 2010.
SANTANA, Silvina; ROCHA, Nelson P. Teletrabalho: que oportunidade de trabalho para o
cidadão incapacitado? Disponível em:
<http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/pdf/aps/v20n3/v20n3a16.pdf>. Acesso em: 06 out. 2013.
SANTOS, Paloma Maria; BERNARDES, Marciele Berger; ROVER, Aires José. Teoria e
Prática de Governo Aberto: Lei de Acesso à Informação nos Executivos Municipais da
Região Sul. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2012.
SARMENTO, Daniel. Liberdade de expressão, pluralismo e o papel promocional do Estado.
Revista Diálogo Jurídico, Salvador, nº. 16 maio-junho-julho-agosto, 2007. Disponível em:
<http://www.direitopublico.com.br>. Acesso em: 27 de fev. 2012.
SARLET, Ingo Wolfgang (Org.). Direitos fundamentais, informática e comunicação:
algumas aproximações. Porto Alegre: Livraria do Advogado Ed., 2007.
______. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de
1988. 4ª ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.
______. A eficácia dos direitos fundamentais. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do advogado, 2006.
SIBILIA, Paula. La intimidad como espectáculo. Buenos Aires: Fondo de Cultura
Econômico, 2008.
SCHAFF, Adam. A sociedade informática: as consequências da segunda revolução
industrial. São Paulo: Brasiliense, 2007.
SIMÃO FILHO, Adalberto. Sociedade da informação e seu lineamento jurídico. In:
PAESANI, Liliana Minardi (Org.). O direito na sociedade da informação. São Paulo:
Editora Atlas, 2007, p. 5-30.
SINAY, Sergio. Conectados al vacío: la soledad colectiva en la sociedad virtual. Buenos Aires:
Ediciones B, 2008.
SILVA, Anelino Francisco da. O teletrabalho, uma forma de transformação do emprego.
Disponível em: <http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/23042-23044-1-
PB.pdf>. Acesso em: 06 out. 2013.
SILVA, Rosane Leal da. Adolescentes on-line: o ciberespaço como um ambiente de promoção
dos direitos humanos. In: PES, João Hélio Ferreira (coord). Direitos humanos: crianças e
adolescentes. Curitiba: Juruá,2010, p. 91-121.
______; NICHEL, Andressa; MARTINS, Anna Clara Lehmann;
BORCHARDT, Carlise Kolbe. “Discursos de ódio em redes sociais: jurisprudência brasileira”.
Revista Direito GV, São Paulo, vol. 14, n. 2, p. 445-468, jul-dez 2011.
______. Os impactos da utilização das tecnologias informacionais no mundo do trabalho:
apontamentos iniciais sobre o cyberbullying no teletrabalho. In: XX Congresso Nacional do
CONPEDI, 2011, Vitória. Anais. Vitória, 2011.
______;SANTOS, Noemi de Freitas. A exposição do consumidor à publicidade na internet: o
caso das promoção de vendas pelo Twitter. In: XX Congresso Nacional do CONPEDI, 2011,
Vitória. Anais. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2011. p. 3388-3416.
______. SANTOS, Noemi de Freitas. As fragilidades das políticas públicas de inclusão digital: o
Caso da publicidade infantojuvenil online. In: REIS, Jorge Renato dos; LEAL, Rogério Gesta
Leal; COSTA, Marli Marlene Moraes da. As políticas públicas no constitucionalismo
contemporâneo. [recurso eletrônico]: tomo 2. Santa Cruz do Sul : EDUNISC, 2010.
SILVA, Rosane Leal da; SILVA, Letícia Brum da. A sociedade informacional e a proteção jurídica de
dados Pessoais no Brasil: rumo ao constitucionalismo do Século XXI. In: VIII Seminário Internacional
de demandas sociais e políticas públicas na sociedade contemporânea, 2010, Santa Cruz do Sul. Anais
Santa Cruz do Sul, 2011.
______. As tecnologias da informação e comunicação e a proteção de dados pessoais. In: XIX Encontro
Nacional do CONPEDI, 2010, Fortaleza. Anais. Fortaleza, 2010.
______; KURTZ, Lahis Pasquali. Governo eletrônico, cidadania virtual e proteção de dados
pessoais: desafios ao Estado brasileiro. In: VIII Seminário Internacional de demandas sociais e
políticas públicas na sociedade contemporânea, 2011, Santa Cruz do Sul. Anais. Santa Cruz do
Sul: 2011.
______. Cultura ciberlibertária X regulação da internet: a co-regulação como modelo capaz de
harmonizar este conflito. Revista Brasileira de Estudos Constitucionais, v. 21, p. 279-312,
2012.
_____ ; HOCH, P. A. ; Letícia Almeida de La Rue. A utilização de cookies por sites de busca:
estratégias da publicidade on-line e violação de direitos do consumidor. Revista de Direito das
Novas Tecnologias, v. 6, p. 119-142, 2012.
______. KÜMMEL, Marcelo Barroso. As tecnologias informacionais nas empresas: os conflitos
decorrentes da monitoração das comunicações. Revista Direito Empresarial (Curitiba), v. 13, p.
181-201, 2010.
______. Sociedade da informação e desenvolvimento: desafios e fragilidades do projeto de
inclusão digital. Revista Direito Empresarial (Curitiba), v. 11, p. 79-98, 2009.
______. HOCH, Patrícia Adriani. A Lei de Acesso à informação e a contribuição dos sites
públicos na promoção da transparência. In: VERONESE, Alexandre; ROVER, Aires José;
GALINDO, Fernando Ayuda. (Orgs.). Direito e novas tecnologias. 1. ed. Florianópolis:
FUNJAB, 2012, v. , p. 228-258.
______. O desenvolvimento da teledemocracia e da cibercidadania no Brasil: o uso das
tecnologias da informação e comunicação pelo Poder Executivo Federal. In: XXI Encontro
Nacional do CONPEDI/UFU, 2012, Uberlândia. Anais. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2012.
p. 4824-4854.
______. KÜMMEL, Marcelo Barroso. O uso do conteúdo veiculado nas redes sociais pelos atores
da relação de emprego: a posição dos tribunais trabalhistas brasileiros. In: XXI Encontro Nacional
do CONPEDI/UFU, 2012, Uberlândia. Anais. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2012.
SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 9.
ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.
STROPPA, Tatiana. As dimensões constitucionais do direito de informação e o exercício da
liberdade de informação jornalística. Belo Horizonte: Editora Forum, 2010.
VAIDHYANATHAN, Siva. A googlelização de tudo: e por que devemos nos preocupar. A
ameaça do controle total da informação por meio da maior e mais bem sucedida empresa do
mundo virtual. São Paulo: Editora Cultrix, 2011.
VIEIRA, Anderson. Twitter: Influenciando pessoas & conquistando o mercado!
Rio de Janeiro: Alta Books, 2009.
VIEIRA, Sônia Aguiar do Amaral. Inviolabilidade da vida privada e da intimidade pelos
meios eletrônicos. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002.
VIRILIO, Paul. A arte do motor. Traduzido por Paulo Roberto Pires. São Paulo: Estação
Liberdade, 1996.
______. A bomba informática. Traduzido por Luciano Vieira Machado. São Paulo, SP : Estação
Liberdade, 1999.
______. Cibermundo: ¿una política suicida? Conversación con Philippe Petit. Traducción:
Cristóbal Santa Cruz. Chile: Dólmen Ediciones/Granica, 1997.
VOLKMER, André. A democracia na era digital. In: INSTITUTO DE ESTUDOS
EMPRESARIAIS. Liberdade na era digital. Porto Alegre: IEE, 2011, p. 90-109.
WANDERLEY, Janaína Félix Barbosa. Correio eletrônico: choque entre os direitos
fundamentais dos signatários do contrato de trabalho. In: MARQUES, Jader; SILVA,
Maurício Faria da. O Direito na era digital. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, p.
77-95.
WOLFF, Simone. O “trabalho informacional” e a reificação da informação sob os novos
paradigmas organizacionais. In: ANTUNES, Ricardo. BRAGA, Ruy (0rgs.). Infoproletários:
degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009, p. 89-112.
WOLTON, Dominique. Pensar a comunicação. Brasília: Editora da UNB, 2004.
______. La outra mundialización: los desafios de la cohabitación cultural global. Barcelona:
Gedisa, 2004.


Publicações Recentes