Ir para o conteúdo PPGEXR Ir para o menu PPGEXR Ir para a busca no site PPGEXR Ir para o rodapé PPGEXR
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Histórico

O Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural (PPGExR), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), constitui um programa tradicional e consolidado na área do conhecimento da Extensão Rural no âmbito das Ciências Agrárias. O PPGExR foi fundado em 1975 e, ao longo do tempo, realizou significativas mudanças para adequar-se às dinâmicas das ciências associadas à área, às temáticas da Extensão e Desenvolvimento Rural, aos problemas da sociedade e às políticas institucionais, estímulo das agências de fomento e orientações da CAPES.

Quando iniciou tinha a denominação de Curso de Pós-Graduação em Educação Agrícola e Extensão Rural, e possuía uma proposta voltada para a formação de quadros qualificados para atuar em colégios técnicos agrícolas e instituições de pesquisa e extensão rural, com o objetivo de viabilizar o processo de difusão e adoção de inovações tecnológicas na agricultura, com base no paradigma da difusão de inovações. Assim, nos primeiros anos de atuação, as pesquisas e ações do Curso estavam voltadas para a promoção da adoção de tecnologias, investigação de modelos de comunicação rural e de formas de interação entre extensionistas e agricultores, na medida em que estas eram as principais questões pontuadas nos processos de desenvolvimento agrícola e rural do país.

Na primeira metade dos anos 1980, como resultado de um processo de reavaliação do Curso que considerou as expectativas da sociedade e as novas orientações das políticas públicas de extensão rural, professores e pós-graduandos construíram uma nova proposta, centrada em uma melhor articulação entre Extensão Rural e desenvolvimento rural, derivando a mudança de nome para Curso de Pós-Graduação em Extensão Rural. Esta nova proposta curricular tirava a exclusividade do paradigma difusionista como foco teórico-metodológico ─ embora este ainda mantivesse o seu espaço no Curso e na Extensão Rural ─ para compor uma base mais pluralista, que incluía economia política e estudos antropológicos e sociológicos, visando à formação de um profissional com perfil crítico-reflexivo. Tal reorientação se refletiu na estrutura curricular e nas temáticas de pesquisa que passaram a englobar – além de aspectos teórico- metodológicos relativos à adoção de tecnologias – o estudo dos problemas vinculados às relações sociais de produção, à questão agrária, aos movimentos sociais no campo, às políticas agrícolas e de desenvolvimento rural dentre outros. Assim, passou a conciliar o estudo dos problemas rurais com estudo das propostas desenhadas para solucioná-los (políticas públicas e ação extensionista), realizando tal intento a partir de múltiplas perspectivas teóricas.

Na década de 1990, embora com redução significativa do corpo docente por aposentadorias, o Curso, em sintonia com as transformações sociais e econômicas que ocorreram no período, incorporou novos assuntos, contemplando o desenvolvimento local/regional, meio ambiente, a família e a saúde dos habitantes do meio rural, as formas de organização do trabalho rural e o trabalho feminino, as reformas institucionais dos serviços públicos de extensão rural, os novos meios de comunicação da extensão rural oficial, alternativas de organização social e as dinâmicas organizacionais cooperativas e agroindustriais. Naquele momento, instituiu-se um conjunto de linhas de pesquisa que tiveram vigência até 2004 e que abrangia as seguintes áreas temáticas: a) modelos e experiências em extensão rural e desenvolvimento; b) organização social rural; c) processos de comunicação rural e difusão tecnológica no meio rural; d) agricultura familiar e sustentabilidade; e) dinâmica econômica e desenvolvimento sustentável e f) sociedade, meio ambiente e desenvolvimento.

Em meados dos anos 2000, observaram-se condições institucionais de recomposição do corpo docente, com a contratação de professores doutores e titulação de vários outros. Em consonância com esta nova conjuntura, durante os anos de 2003 e 2004, o Curso trabalhou em mais uma reforma curricular, visando atualizar suas linhas de pesquisa e disciplinas às novas demandas da política de Extensão Rural (que se anunciava na Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural) e às novas capacidades dos docentes que foram incorporados. Instituída em 2005, essa reforma resultou na agregação de novas disciplinas à base curricular anterior, reformulação das já existentes e reestruturação temática em três linhas de pesquisa: a) Dinâmicas econômicas e sustentabilidade na agricultura; b) Dinâmicas socioambientais e estratégias de desenvolvimento rural e; c) Processos de inovações sociotecnológicas e ação extensionista. Portanto, na reforma curricular de 2005 buscou-se revisar a abrangência das linhas de pesquisa do Curso, eliminar disciplinas que se tornaram inadequadas ao novo perfil docente ou que não eram demandadas pelos discentes, reformular o nome e o programa de várias disciplinas e incluir algumas disciplinas novas para contemplar áreas emergentes da Extensão Rural. No impulso desta reestruturação, entre 2006 e 2007 os docentes elaboraram e apresentaram a proposta de implantação do Doutorado. Os Conselhos Superiores da UFSM e a Capes aprovaram, em 2007, a criação do Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural (PPGExR), com os níveis de Mestrado e Doutorado. Por meio dessa iniciativa, fundava-se o primeiro Doutorado em Extensão Rural, no Brasil e na América Latina.

A Área de Concentração do Programa é denominada Extensão Rural e Desenvolvimento, a qual indica que o Programa se concentra na Extensão Rural como atividade de estudo, análise e intervenção no meio rural, visando promover o desenvolvimento econômico, social e ambiental. No atual quadriênio, a coordenação do PPGEXR se pautou da seguinte forma: a) oferta anual de 15 vagas para o mestrado e 10 vagas para o doutorado de 2017-2019 e oferta de 15 vagas para o mestrado e 15 vagas para o doutorado no processo seletivo de 2020; b) manter e reforçar as linhas de pesquisa; c) readequar a estrutura de oferta de disciplinas para tornar a matriz curricular mais flexível às demandas dos projetos de pesquisa dos estudantes de mestrado e doutorado; d) focar na produção científica voltada para periódicos nacionais e internacionais com boa avaliação no Qualis da CAPES; e) promover o crescimento dos grupos de pesquisa hoje existentes e vinculados ao Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural da UFSM; f) estimular a contínua inserção em projetos de pesquisa e desenvolvimento internacionais; g) participar de editais de internacionalização e h) formalizar uma comissão permanente de avaliação do programa. Para o alcance destes objetivos, considerou-se estratégico apoiar a produção intelectual dos alunos com vistas a ampliação do número de publicações, mas, sobretudo, pela diversificação dos periódicos selecionados para a publicação de artigos – orientando as publicações para periódicos com maior Qualis.

Para a formação de um profissional integral e de alto nível, capaz de dar respostas originais, consistentes, independentes e adequadas às demandas complexas que hoje se apresentam para a Extensão Rural e Desenvolvimento Rural e produzir conhecimentos e inovações relevantes com impactos positivos no desenvolvimento da sociedade, o Programa concebeu a sua estrutura curricular, entendendo que é necessário desenvolver nos pós-graduandos capacidades e conhecimentos epistemológicos, teóricos, históricos, contextuais, metodológicos, temáticos e instrumentais sobre as questões relacionadas à área e com base nestes princípios – e considerando as distinções próprias da formação de mestrado e doutorado.

Dessa forma, no que concerne o perfil do aluno egresso do Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, considera-se que o mesmo deve ser capaz, ao final de seu percurso acadêmico no Mestrado ou Doutorado, de: atuar com habilidade e proficiência na docência e pesquisa nas áreas de Extensão Rural e afins, bem como, na ação extensionista propriamente dita e/ou gestão de atividades de extensão;  analisar, avaliar e interpretar, em suas diferentes dimensões, a realidade do meio rural e de seus agentes econômicos e sociais; propor, implementar, gerenciar e avaliar ações de desenvolvimento rural e de desenvolvimento dos agentes econômicos e sociais rurais; considerar, em suas atividades de ensino, pesquisa e extensão, a complexidade da sociedade atual e suas dimensões econômicas, tecnológicas, ambientais, políticas, ideológicas, éticas e culturais; desenvolver ações de pesquisa, ensino e extensão voltadas para o exercício efetivo e consciente da cidadania solidária, responsável e ética; e contribuir para os processos de transformação positiva da realidade econômica e social do meio rural brasileiro e latino-americano. Por isso, os egressos do Programa poderão atuar especialmente em atividades ligadas ao ensino, pesquisa e/ou extensão, bem como na proposição, implementação, gerenciamento e avaliação de ações de desenvolvimento voltadas ao meio rural e aos agentes econômicos e sociais rurais.