Ir para o conteúdo PPGLETRAS Ir para o menu PPGLETRAS Ir para a busca no site PPGLETRAS Ir para o rodapé PPGLETRAS
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Membro da Academia Brasileira de Letras abre o primeiro dia da Festa Literária de Santa Maria



Apesar da forte chuva, dezenas de pessoas lotaram, no final da tarde desta quarta-feira (11), o auditório da Cooperativa dos Estudantes de Santa Maria (Cesma), no centro da cidade, para prestigiar a abertura da segunda edição da Festa Literária de Santa Maria (Flism).

A primeira atividade do evento foi um painel especial com o escritor membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) Ignácio de Loyola Brandão, mediado pela professora do curso de Letras da UFSM Raquel Trentin.

“O principal objetivo é levar a discussão da literatura para o centro da cidade, oferecendo um espaço com o formato menos acadêmico, mais festivo e de celebração das diferentes literaturas”, afirmou Raquel, uma das organizadoras e idealizadoras da Flism, juntamente com os professores Enéias Tavares e Gérson Werlang, com colaboração de outros docentes da UFSM.

Com mais de 40 livros publicados em diversos idiomas e ganhador de alguns reconhecimentos, como o Prêmio Jabuti de Literatura de 2008 e o Prêmio Machado de Assis de 2016, Ignácio de Loyola Brandão foi a personalidade escolhida para dar início às festividades da segunda edição da Flism.

Com passagem pelo jornalismo e escritor de crônicas, contos e romances, Loyola dividiu com o público o seu bom-humor ao relatar suas experiências literárias e curiosas histórias de vida, como a de uma paixão por uma mulher natural de Santa Maria na sua juventude.

Durante o painel, Loyola contou como escreveu um de seus maiores sucessos, o romance “Zero”, publicado em 1974, e também sobre a distopia “Não verás país nenhum”, de 1981. O primeiro teve sua primeira edição censurada e marcou uma certa mudança na literatura da época. Já o segundo aborda questões evidentes na atualidade, como a miséria e os problemas ambientais, mesmo décadas depois de escrito.

Ao mencionar a extinção de eventos literários importantes, como a Jornada Literária de Passo fundo, o autor foi aplaudido de pé pelos presentes ao evidenciar a Flism como um ponto de resistência no momento político atual. “Esta festa é um momento muito especial, pois contribui para desenvolver ou formar leitores”, ressaltou Loyola.

Ao final, o público pôde fazer perguntas e participar do lançamento de “Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela”, 45º livro escrito pelo autor.

A convidada desta quinta (12) é a autora da obra “A Casa das 7 Mulheres”, Leticia Wierzchowski. A programação segue até sexta-feira (13), com debates abertos, painéis especiais, lançamentos de livros e sessões de autógrafos no auditório da Cesma.

Programação completa e mais informações sobre o evento na página no Facebook.

Texto: Pablo Iglesias, acadêmico de Jornalismo, bolsista da Agência de Notícias

Fotos: Thiago Rampelotti/Divulgação 

Edição: Ricardo Bonfanti


Publicações Recentes