Ir para o conteúdo PPGQ Ir para o menu PPGQ Ir para a busca no site PPGQ Ir para o rodapé PPGQ
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Professora do NUQUIMHE recebe prêmio da American Chemical Society (ACS) e da Sociedade Brasileira de Química (SBQ)



Três mulheres cientistas Brasileiras foram reconhecidas com o primeiro Prêmio Women in Chemistry and Related Sciences, para mulheres Brasileiras que atuam na Química e ciências afins. Patrociando pela CAS, Chemistry Abstracts Services, uma divisão da ACS, American Chemical Society, e pela C&EN, Chemical & Engineering News. Os prêmios foram entregues em uma homenagem durante um simpósio na sede da FAPESP, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, no dia 11 de setembro de 2018.

 

As vencedoras foram, a Professora Clarissa Piccinin Frizzo, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e vinculada ao grupo NUQUIMHE, a Professora Cristiane Aparecida Furtado Canto, da Oxiteno, e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e a Professora Susana Inés Córdoba de Torresi, da Universidade de São Paulo (USP). Abaixo segue imagem das ganhadoras e organizadores.

 

Foto coletiva com Presidente da SBQ e Vice presidente da SBPC Agente da ACS no Braisl e Editora da Revista CNEWS 768x576

 

Essa premiação teve como objetivo promover a igualdade de gênero nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (do inglês, a sigla, STEM) no Brasil, bem como desenvolver uma perspectiva mais avançada na compreensão do impacto da diversidade na pesquisa científica e no campo da química. Cada vencedora recebeu um prêmio em dinheiro de U$ 2.000, um ID SciFinder válido por três anos, adesão à ACS por três anos e um certificado do prêmio. Como tal, a premiação visou reconhecer as mulheres cientistas que tenham alcançado feitos e contribuições para a química e ciências relacionadas. Foi usada uma definição inclusiva de ‘mulher’ e ‘feminilidade’, e boas vindas foram dadas a mulheres transexuais ou a pessoas não binárias que estivessem significativamente identificadas com a feminilidade para que pudessem concorrer a estes prêmios.

 

“Nesta primeira edição do prêmio, os jurados e juradas selecionaram um excelente trio de vencedoras que representam a grande química que o Brasil está exportando para o resto do mundo”, disse Bibiana Campos-Seijo, editora-chefe da C&EN e vice presidente do C&EN Media Group. “Estamos muito satisfeitos em nos juntar com colegas da CAS e outras organizações de apoio para lançar este prêmio que reconhece as realizações de mulheres químicas emergentes e veteranas no Brasil.” “A CAS quer fortalecer o relacionamento com a comunidade científica no Brasil”, disse Denise Ferreira, gerente nacional da CAS no Brasil. “Queremos reconhecer a pesquisa de mulheres cientistas e suas contribuições para a sociedade brasileira.”

 

Bibiana ressalta: “Essa é a primeira premiação desse tipo que promovemos e vamos fazer mais. Realmente espero que chegue o dia em que não será mais necessário criar iniciativas para premiar mulheres na ciência, mas por enquanto é importante”. Além disso, ela comentou de outra premiação pela ACS – o Talented 12 –, voltada para jovens cientistas, que teve pela primeira vez neste ano equidade de gênero entre os laureados, com seis homens e seis mulheres escolhidos.

 

Os prêmios estavam enquadrados em três categorias: Líder emergente na química e ciências relacionadas; Liderança na indústria e Liderança na academia. Clarissa Frizzo foi a vencedora do prêmio na categoria Líder emergente na química e ciências relacionadas. O prêmio reconhece as conquistas de uma cientista de destaque ou empreendedora com menos de 40 anos. Clarissa foi homenageada por sua liderança em projetos, preparação e aplicação de novos métodos para a síntese heterocíclica. Abaixo segue foto divulgação da Professora Clarissa ganhadora do prêmio.

 

Clarissa Frizzo

 

Para Clarissa, o prêmio serve como um incentivo não só para ela, mas também para outras mulheres de sua equipe. “Venho de uma universidade pequena, tenho certeza de que esse incentivo vai se refletir na universidade, no departamento e no meu grupo de trabalho. Tive a sorte de ter mulheres como professoras e orientadoras que serviram como exemplo para mim. Quem sabe esse prêmio possa servir de incentivo para outras mulheres também”, disse ela à Agência FAPESP.

 

O grupo parabeniza a professora Clarissa Frizzo e deseja que conquistas como essas se repitam e se multipliquem, e que os alunos e alunas da instituição e do grupo NUQUIMHE possam enxergar esse prêmio como reflexo de um trabalho árduo e constante.

 

As indicações para os prêmios do próximo ano começarão em breve.

 

 

Fonte: Agência FAPESP;

           Linda Wang, pela cobertura na C&EN;

           e Sociedade Brasileira de Química.

Fotos: Divulgação


Notícia vinculada a


Publicações Recentes