Ir para o conteúdo PPGRI Ir para o menu PPGRI Ir para a busca no site PPGRI Ir para o rodapé PPGRI
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Nota de Palestra XV CEDN – Dia 5 | 28/04/2017 – A indústria brasileira de defesa: situação atual e perspectivas de evolução, Prof. Dr. Érico Duarte



O Prof. Dr. Érico Duarte proferiu a palestra “A indústria brasileira de defesa: situação atual e perspectivas de evolução”, na qual analisou a partir de uma perspectiva histórico-teórica a condição atual e as possibilidades futuras para a indústria de defesa brasileira, no intuito de oferecer apontamentos para qualificar as decisões e os projetos sobre indústria de defesa. O professor analisou o papel da indústria de defesa para a guerra, o papel do Estado e as especificidades da economia de Defesa em países em desenvolvimento.

O professor observou que as indústrias de defesa atuam como instrumento para garantir autonomia e vantagem de política externa, assim como em termos de promoção de exportações e incremento do desenvolvimento, mas sobretudo como um importante recurso político. Justamente por esse caráter político, a defesa é um tema de interesse e construção pública. Além da questão orçamentária, o setor exige programas e políticas contínuas que tenham utilidade política e estratégica, que o professor considera fundamentais para a consolidação e viabilidade de uma indústria de defesa.

Duarte destacou a necessidade de uma arquitetura institucional comandada pelo Estado, capaz de coordenar os processos complexos que envolvem a implementação e a consolidação de uma indústria de defesa, com capacidade permanente de formação de pessoal, técnicas e tecnologias para avaliar os projetos em andamentos. Por isso, se faz necessária uma profunda reestruturação do Estado, baseada na necessidade de autoridade e planejamento de longo prazo, na mobilização de recursos e na implementação de um sistema de inovação como política de estado. O professor enfatizou a necessidade de criar relações de interdependência, em setores específicos, entre empresas, universidades e Estado, a fim de criar um ambiente adequado para novas descobertas tecnologias e vantagens competitivas.

Texto: Ana Luiza Vedovato


Notícia vinculada a


Publicações Recentes