Ir para o conteúdo Corpus Ir para o menu Corpus Ir para a busca no site Corpus Ir para o rodapé Corpus
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Por uma política de Fundo Documental



[pullquote align=”right”] [/pullquote]

O Laboratório de Fontes de Estudo da Linguagem – Corpus inaugurou, em meados de 2011, mais uma ação em sua política de preservação de acervos e arquivos pertinentes à sua área de atuação, trata-se da política que prevê a criação de fundos documentais. O primeiro fundo documental já é uma realidade, trata-se do Fundo Documental Neusa Carson, que está ganhando tratamento arquivístico nas dependências do Laboratório Corpus, vinculado ao programa de Pós-Graduação em Letras da UFSM. A criação de um fundo documental foi idealizada pela Professora Amanda Eloina Scherer, coordenadora do Laboratório Corpus, com a colaboração da professora do curso de Arquivologia, Rosani Pivetta, e da acadêmica de doutorado em Letras, Juciele Pereira Dias, tendo também o apoio do Departamento de Letras Clássicas e Linguística (DLCL) e da Direção do Centro de Artes e Letras (CAL). A expectativa deste grupo é de que tal iniciativa se transforme num programa de pesquisa capaz de abrigar sob sua égide diversos projetos que visem a legitimar e desenvolver uma prática de trabalho de arquivo sobre a trajetória acadêmica de pessoas que contribuíram para que a UFSM se tornasse a instituição que é hoje. Pela política de fundo documental essa história poderá ser socializada e fazer parte da memória de nossa universidade. A atividade primeira do Fundo Documental ocorreu em agosto de 2011 e teve a presença do diretor do Centro de Artes e Letras (CAL), professor Pedro Brum Santos, que fez a abertura oficial dos trabalhos. Assim, o Fundo Documental foi institucionalizado formalmente pela doação do Arquivo Pessoal da Prof.ª Dr. Neusa Martins Carson a partir da contribuição de seu filho, Hugo Carson. Importa destacar ainda que parte desse arquivo foi objeto de estudo de Juciele Dias, em iniciação científica (CNPq/PIBIC), sob orientação da professora Amanda Eloina Scherer, em 2006. Naquela oportunidade, teve início o trabalho de pesquisa e já contava com a sempre solícita disponibilidade do filho da pesquisadora. Trata-se, portanto, de um projeto que vem sendo trabalhado há mais de cinco anos e que agora se torna uma realidade oficial. Se por um lado observa-se que a política de criação de Fundo Documental já tem uma história no interior do Laboratório Corpus; por outro lado, é possível vislumbrar a recuperação de outros acervos pessoais e profissionais constitutivos da história institucional da UFSM que poderão compor um Centro de Documentação, é nesta perspectiva que os pesquisadores do Laboratório Corpus trabalham atualmente. O ano de 2012 tem sido profícuo no que tange a digitalização dos documentos constitutivos do arquivo doado pelo filho da pesquisadora Neusa Carson. Neste período agregou-se ao projeto a Profª. Dr. Verli Petri, diretora acadêmico-científica do Laboratório Corpus e a Profª. Dr. Simone de Mello de Oliveira, pós-doutoranda sob supervisão da professora Amanda Eloina Scherer, que ficou responsável pela coordenação da parte digital do projeto, ou seja, a discussão das questões do projeto à luz das novas tecnologias. Assim como, também ficou responsável pela implementação do projeto de digitalização do acervo com a colaboração da bolsista de graduação Bruna Cielo. Neusa Martins Carson, a linguista homenageada, foi professora do Curso de Letras da UFSM (anos 60/70/80) e do Curso de Pós-Graduação da PUCRS (anos 70/80). Destacou-se nacionalmente como pesquisadora em descrição linguística sobre línguas presentes no território brasileiro, tendo desenvolvido a gramatização da língua Macuxi, do estado de Roraima. Para saber mais sobre Neusa Carson clique aqui

[pullquote align=”right”] [/pullquote]

O Laboratório de Fontes de Estudo da Linguagem – Corpus inaugurou, em meados de 2011, mais uma ação em sua política de preservação de acervos e arquivos pertinentes à sua área de atuação, trata-se da política que prevê a criação de fundos documentais. O primeiro fundo documental já é uma realidade, trata-se do Fundo Documental Neusa Carson, que está ganhando tratamento arquivístico nas dependências do Laboratório Corpus, vinculado ao programa de Pós-Graduação em Letras da UFSM. A criação de um fundo documental foi idealizada pela Professora Amanda Eloina Scherer, coordenadora do Laboratório Corpus, com a colaboração da professora do curso de Arquivologia, Rosani Pivetta, e da acadêmica de doutorado em Letras, Juciele Pereira Dias, tendo também o apoio do Departamento de Letras Clássicas e Linguística (DLCL) e da Direção do Centro de Artes e Letras (CAL). A expectativa deste grupo é de que tal iniciativa se transforme num programa de pesquisa capaz de abrigar sob sua égide diversos projetos que visem a legitimar e desenvolver uma prática de trabalho de arquivo sobre a trajetória acadêmica de pessoas que contribuíram para que a UFSM se tornasse a instituição que é hoje. Pela política de fundo documental essa história poderá ser socializada e fazer parte da memória de nossa universidade. A atividade primeira do Fundo Documental ocorreu em agosto de 2011 e teve a presença do diretor do Centro de Artes e Letras (CAL), professor Pedro Brum Santos, que fez a abertura oficial dos trabalhos. Assim, o Fundo Documental foi institucionalizado formalmente pela doação do Arquivo Pessoal da Prof.ª Dr. Neusa Martins Carson a partir da contribuição de seu filho, Hugo Carson. Importa destacar ainda que parte desse arquivo foi objeto de estudo de Juciele Dias, em iniciação científica (CNPq/PIBIC), sob orientação da professora Amanda Eloina Scherer, em 2006. Naquela oportunidade, teve início o trabalho de pesquisa e já contava com a sempre solícita disponibilidade do filho da pesquisadora. Trata-se, portanto, de um projeto que vem sendo trabalhado há mais de cinco anos e que agora se torna uma realidade oficial. Se por um lado observa-se que a política de criação de Fundo Documental já tem uma história no interior do Laboratório Corpus; por outro lado, é possível vislumbrar a recuperação de outros acervos pessoais e profissionais constitutivos da história institucional da UFSM que poderão compor um Centro de Documentação, é nesta perspectiva que os pesquisadores do Laboratório Corpus trabalham atualmente. O ano de 2012 tem sido profícuo no que tange a digitalização dos documentos constitutivos do arquivo doado pelo filho da pesquisadora Neusa Carson. Neste período agregou-se ao projeto a Profª. Dr. Verli Petri, diretora acadêmico-científica do Laboratório Corpus e a Profª. Dr. Simone de Mello de Oliveira, pós-doutoranda sob supervisão da professora Amanda Eloina Scherer, que ficou responsável pela coordenação da parte digital do projeto, ou seja, a discussão das questões do projeto à luz das novas tecnologias. Assim como, também ficou responsável pela implementação do projeto de digitalização do acervo com a colaboração da bolsista de graduação Bruna Cielo. Neusa Martins Carson, a linguista homenageada, foi professora do Curso de Letras da UFSM (anos 60/70/80) e do Curso de Pós-Graduação da PUCRS (anos 70/80). Destacou-se nacionalmente como pesquisadora em descrição linguística sobre línguas presentes no território brasileiro, tendo desenvolvido a gramatização da língua Macuxi, do estado de Roraima. Para saber mais sobre Neusa Carson clique aqui

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes