Ir para o conteúdo HERPETOLOGIA Ir para o menu HERPETOLOGIA Ir para a busca no site HERPETOLOGIA Ir para o rodapé HERPETOLOGIA
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Linhas de Pesquisa

Ecologia de Comunidades

      O estudo da diversidade e ecologia de comunidades de anfíbios e répteis tem enfoque nos ecossistemas do Sul do Brasil. As pesquisas realizadas visam: inventariar a herpetofauna; analisar  os padrões de diversidade; determinar a influência de fatores abióticos e bióticos e do espaço sobre as taxocenoses em diferentes escalas de observação; e iniciar o monitoramento da diversidade da herpetofauna em longo prazo, contribuindo com dados sobre biologia e ecologia das espécies. 

Biologia Reprodutiva de Serpentes

     A Biologia Reprodutiva faz parte da história natural de serpentes, sendo fundamental para a compreensão de sua dinâmica populacional e delineamento de modelos para conservação. O estudo da reprodução de serpentes neotropicais é realizado a partir do material depositado nas coleções científicas e trabalhos de campo. Os principais aspectos reprodutivos de serpentes brasileiras estudados são: dimorfismo sexual, ciclos reprodutivos, estocagem de esperma, modos reprodutivos, fecundidade, comportamento sexual e morfologia dos órgãos reprodutivos.

Ecologia Comportamental de Anuros

     A Ecologia Comportamental de anfíbios Anuros é desenvolvida com enfoque na atividade reprodutiva e comunicação acústica, visual e multimodal. O objetivo dos estudos são de investigar: as inter-relações entre habitat, sinais comunicativos e reprodução; as causas e processos relacionados a evolução da comunicação; e o significado funcional dos displays de comunicação.

 

 

Vertebrados terrestres exóticos e invasores no Brasil

 

 

     Essa linha de pesquisa tem como intuito para compreensão de diferentes aspectos da invasão de espécies de vertebrados terrestres, em especial da herpetofauna exótica e invasora do Brasil. O objetivo dos estudos é identificar novos invasores potenciais, conhecer suas distribuições, bem como avaliar seus possíveis impactos sobre os processos ecológicos, as espécies nativas e o ambiente físico