Ir para o conteúdo LabInter Ir para o menu LabInter Ir para a busca no site LabInter Ir para o rodapé LabInter
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Rede de Laboratórios de Arte, Tecnologia e Inovação (Rede LATI)

Equipe LabInter: Andreia Machado Oliveira, Evaristo do Nascimento, Fabio Almeida e Matheus Camargo Moreno

2015

Rede LATI

In 2015, LabInter participated in the creation of the Art, Technology and Innovation Laboratory Network (Rede LATI) involving five universities from around the country as part of an initiative funded by the Ministry of Culture and the National Network for Teaching and Research (RNP) towards the foment of technical culture through networked laboratories: UFSM, UFPA, UFC, UFBA, UFG. One project that resulted from this initiative was a telematic networked performance called Intermitências zerodimensionais.

 

 

O projeto foi concebido com as seguintes finalidades: contribuir para os objetivos estratégicos do MINC, em especial a Meta 43 do Plano Nacional de Cultura (PNC); conectar espaços multimídia em rede para experimentar, criar, fruir e difundir a cultura; democratizar as capacidades técnicas de produção, os dispositivos de consumo, e a recepção das obras e trabalhos; e mapear modelos de organização voltados à produção criativa transdisciplinar na fronteira entre arte, tecnologia, ciência e educação.

A Rede de Laboratórios de Arte, Tecnologia e Inovação é formada por um conjunto heterogêneo de cinco Laboratórios de Arte e Tecnologia e Cultura Digital: GP Poética/UFBA; LMI/UFC; Media Lab/UFG; ILDES/UFPA e LabInter/UFSM.

Ao longo do projeto, as diferenças entre os laboratórios foram apresentadas e percebidas como a principal riqueza da rede. Cada laboratório possui um rol de expertises e capacidades técnicas, além de trabalharem com conteúdos e áreas do conhecimento complementares. Tal diversidade fortalece a Rede LATI.

 

Objetivos:

1. Fomentar o desenvolvimento de experiências e projetos distribuídos que explorem a interseção entre os campos das Artes, Ciências, Engenharias e Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) visando contribuir para o fortalecimento de uma Cultura de Rede entre eles;

2. Estabelecimento de canais de trabalho e produção entre o ensino e a pesquisa de nível superior (universidades) e as formas emergentes de produção de conhecimento e inovação. (Por um entendimento mais amplo de extensão universitária);

3. Oferecer uma infraestrutura de comunicação avançada e de alta capacidade que possibilite o agenciamento de ações entre estes campos de prática e do conhecimento (Infraestrutura de rede e serviços).

As metas para implementação/desenvolvimento consistiram em:

– Destinação de um espaço físico que supor-te a infraestrutura necessária para desenvolvimento dos projetos;

– Reuniões semanais entre grupos de pesquisa sobre projetos interativos e interdisciplinares para desenvolver trabalhos colaborativos em rede e produção teórica;

– Desenvolvimento de projetos de ensino, pesquisa e extensão que considerem:

– apropriação crítica de tecnologias digitais de informação e comunicação;

– exploração de imaginários e linguagens híbridas;

– hardware livre;

– tecnologias móveis;

– realidade aumentada;

– produção na fronteira entre arte, ciência e sociedade;

– performances online distribuídas, experimentação e inovação.

– Extensão do Trabalho ao Coletivo Docente e Discente: organizar seminários, workshops e palestras à comunidade docente e discente a fim de atualização, capacitação e trocas de experiências.

– Elaboração de publicações.

– Projetos parceiros LABINTER, grupos de pesquisa vinculados com projetos de ensino, pesquisa e extensão, atuando na graduação e pós-graduação.

As ações realizadas priorizaram o desenvolvimento de um produto, resultante de ações em rede, que foi uma performance artística em rede telemática; bem como do registro de uma metodologia de pesquisa e criação em rede decorrente de tais ações. As ações em rede consistiram em: encontros semanais no LabInter para elaboração da proposta e ações em rede; uma residência online em gamificação com a participação da UFSM, UFBA, UFG, UFC e UFPA; encontros semanais online entre os labs; uma visita presencial à Vila das Artes em Fortaleza, com a coordenadora do projeto Cristiana Parente e uma visita presencial ao Media Lab/UFG, com o Coordenador Cleomar Rocha; e a realização da Performance em rede telemática Intermitências zerodimensionais.

Intermitências zerodimensionais

Durante a performance os pontos da Rede Lati interagiram através do navegador rodando webconf, ao mesmo tempo que a performance inteira era replicada em um link público desenvolvido em javascript e html514 por Wilder Fioramonte da UFG.

Como narrativa foram explorados conceitos como a presença do lúdico na interação do movimento do corpo gerando sons e possíveis brincadeiras que emergem naturalmente dessa possibilidade. Diálogos sonoros que surgem também acabam criando uma força de ligação entre os pontos. Cada zona de contato do aplicativo aciona um timbre diferente e a nota escolhida é um sorteio dentro de uma escala pré definida, o que causou um conforto sonoro e uma forte ligação de identidade e compleção.

Como finalização do projeto, ocorreu a performance em rede telemática Intermitências ze-rodimensionais, fazendo parte da exposição Laboratórios de Arte e Tecnologia do PPGART, curadoria Andreia Oliveira e expografia Matheus Moreno, durante o encontro da ANPAP 2015 na UFSM. Ainda, contamos com a participação do performer Cristian Lampert, do curso de teatro da UFSM.