Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

A pesquisa como forma de prevenção



Ouça esta reportagem:

.

Alguns mosquitos carregam consigo ameaças à saúde da população, devido às doenças que podem transmitir, como Chikungunya, Dengue e Zika vírus. Em busca de avanços científicos que relacionem a saúde pública a esses insetos, o egresso da UFSM Gabriel da Luz Wallau se especializou na área de Biologia Molecular e Bioinformática e, atualmente, trabalha na unidade da Fundação Oswaldo Cruz de Aggeu Magalhães, em Recife, onde existe um setor de pesquisa dedicado à Entomologia – o estudo dos insetos.

Gabriel ingressou no curso de Ciências Biológicas da UFSM em 2004 e só saiu da Universidade em 2013, ao concluir o doutorado em Biodiversidade Animal. Quando conheceu a disciplina de Biologia Celular, ministrada pelo professor Elgion Loreto, o acadêmico percebeu que havia descoberto o rumo de sua carreira: ser pesquisador. Na disciplina, Gabriel aprendeu como funcionam as células do corpo humano e dos animais, bactérias e plantas. “Ao produzir conhecimento científico, estamos ajudando a humanidade a se conhecer melhor e conhecer melhor as coisas que a rodeia”, observa o biólogo.

Durante o segundo semestre da graduação, o pesquisador iniciou estágio no Laboratório de Biologia Molecular e Sequenciamento, o LabDros, orientado pelo professor Elgion. Ali, estudava as moscas das frutas, chamadas drosófilas – que conferem o sufixo Dros ao Laboratório –, e foi nesse período que se interessou por se aprofundar no estudo do genoma e dos parasitas genéticos.

Entre genomas, mosquitos e computadores

O genoma é o conjunto de letras químicas que determinam características de um organismo, como, por exemplo, cor ou tamanho. O trabalho de Gabriel no momento é sequenciar o DNA de diferentes espécies de mosquitos, ou seja, estudar a sequência do genoma desses insetos. A partir desse estudo, busca-se permitir um melhor controle populacional, podendo diminuir o número de mosquitos ou até mesmo eliminá-los. Segundo o pesquisador, o genoma dos mosquitos é gigante, quase do tamanho do genoma humano (três bilhões de “letras” químicas), e por esse motivo não é possível realizar esse estudo manualmente anotando no caderno. É para suprir essa necessidade que se faz uso da bioinformática, outra área de atuação de Gabriel. A bioinformática utiliza os computadores para organizar, ler e interpretar informações sobre as sequências genômicas. O objetivo
final dessas pesquisas é entender como funciona o mosquito para poder prevenir a transmissão de doenças para os seres humanos.

Mesmo cinco anos depois de ter saído da UFSM, Gabriel ainda mantém contato e colabora com a Universidade, principalmente com o LabDros: “Trocamos ideias sobre projetos, ele nos auxilia na área de Bioinformática e compartilha amostras biológicas para analisar, tanto na UFSM quanto em Recife”, conta o professor Elgion. A área da pesquisa científica fascina Gabriel por estar em constante mudança: “Não existe trabalho repetitivo em ser cientista. Como ficar cansado ou entediado com algo que todo dia apresenta um quebra-cabeças novo para ser resolvido?”, questiona. Tanta admiração por ciência levou Gabriel a ocupar um lugar semelhante ao de quem lhe transmitiu conhecimento. A vontade de buscar e compartilhar descobertas tornou Gabriel orientador, no Instituto Fiocruz, de um grupo de pesquisa na área de patógenos/vetores, que abrange o conhecimento que ele adquiriu durante o período acadêmico na UFSM.

Reportagem: Mirella Joels
Ilustração e Diagramação: Pollyana Santoro
Locução: Marcelo de Franceschi



Publicações Recentes