Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

6 dicas para ser produtivo em casa



Professoras comentam passos a serem seguidos por aqueles que têm dificuldades para estudar no ambiente domiciliar

O rápido contágio do novo coronavírus desencadeou, em alguns meses, uma pandemia. A doença, ainda sem vacina e tratamento cientificamente comprovados e disponíveis à população, já matou mais de meio milhão de pessoas ao redor do mundo. O isolamento físico é, no momento, o melhor método para conter a disseminação do vírus. Dentre as várias atividades suspensas, aquelas relacionadas à educação foram interrompidas no início da quarentena, em meados de maio, e a maioria delas ainda segue de maneira remota. 

O cenário incomum alterou a rotina dos estudantes, causou efeitos na saúde mental e também no rendimento, uma vez que realizar as atividades de maneira virtual é um método novo para a maioria deles. Se você precisa escrever artigo, Trabalho de Conclusão de Curso, dissertação ou tese durante a pandemia, as dificuldades podem ser ainda maiores. Mas não se desespere! Nós criamos uma lista com 6 dicas para organizar seus estudos e ser produtivo nesse período. 

Para isso, a Revista Arco conversou com a professora Clariane do Nascimento de Freitas, que é educadora especial e pedagoga, com especialização em Psicopedagogia, mestrado e doutorado em Educação, além de já ter atuado como tutora em cursos de capacitação e na modalidade Educação a Distância. Também entrevistamos a professora de Desenho Industrial Fabiane Vieira Romano, que ministra a disciplina Laboratório de Gestão. Ela é engenheira civil, com mestrado e doutorado em Engenharia de Produção. 

Confira abaixo os 6 passos para deixar de lado a procrastinação e ser produtivo durante a quarentena:

1 - Organize a rotina

O ambiente domiciliar pode facilitar distrações e dificultar a produtividade. Para quem divide o espaço – e, às vezes, os recursos, como celular e computador – com familiares, amigos ou colegas, manter o foco nas atividades pode ser ainda mais complicado. A professora Clariane explica que a questão principal é a organização e a disciplina. Definir horários para cada tarefa a ser realizada durante o dia é a principal dica para gerenciar o tempo livre.

Já a professora Fabiane, nas aulas do Laboratório de Gestão, estimula seus alunos a criarem um cronograma do projeto. Essa também é uma boa sugestão para  quem precisa estudar em casa. Para construí-lo é preciso pensar no processo de trabalho. Todas as atividades devem ser organizadas e sistematizadas, de forma a construir uma sequência do que precisa ser feito em cada fase. Depois, é necessário distribuir o tempo adequado para a realização de cada etapa. Assim, teremos traçado todo o cronograma e delimitado metas a serem cumpridas de acordo com os prazos. 

2 - Tenha um espaço adequado

 

 

Embora muitos não tenham um ambiente propício para os estudos, pequenas coisas podem auxiliar na concentração. Um espaço bem iluminado e arejado, longe da televisão e livre de distrações, como redes sociais e jogos eletrônicos, pode trazer ótimos resultados. Quando os cômodos da casa são compartilhados, uma dica é conversar abertamente com a família ou os colegas. “Se for necessário, coloque um bilhete na porta do quarto ou do espaço que está utilizando pedindo para não ser interrompido. Se está precisando de motivação, você pode colar post its com recadinhos motivacionais para você mesmo. Ou lembretes do que precisa fazer. Enfim, a criatividade não tem limites”, destaca Clariane.

3 - Cuide da alimentação e do sono

Outra dica importante é manter uma alimentação saudável e ter o sono regulado. Uma dieta balanceada é essencial para oferecer ao nosso organismo todos os nutrientes que são necessários e, assim, conseguirmos realizar nossas tarefas com eficiência. A memória, o raciocínio e a concentração também estão relacionados ao sistema digestivo e que podem ser bastante afetados pela falta de uma alimentação saudável. 

Junto à dieta balanceada deve estar o sono regulado, pois a quantidade de horas de descanso também está relacionada à capacidade de absorver conteúdo. Uma noite mal dormida diminui a concentração e afeta nossa memória e comportamento. Já quando temos um sono adequado podemos melhorar nosso desempenho intelectual, pois ficamos mais atentos. 

4 - Utilize ferramentas e aplicativos para gerir o tempo

Como já vimos, a organização de uma rotina, com atividades e horários bem estabelecidos, é fundamental para melhorar a produtividade em casa. E a tecnologia pode nos ajudar nisso! É possível criar um cronograma de estudos a partir de diferentes ferramentas, como explica Fabiane. Dentre os recursos que a professora apresenta aos seus alunos, estão o Gráfico de Gantt, Google Agenda e Trello.

Gráfico de Gantt: permite listar e distribuir as atividades, mostrar relações entre elas, estabelecer prazos de entrega e acompanhar o andamento dos trabalhos. Ele pode ser feito com papel e post its ou em ferramentas digitais, como o Excel. 

Google Agenda: possibilita adicionar eventos, organizar compromissos, compartilhar suas atividades previstas com outras pessoas, criar múltiplos calendários para cada área da vida, além de receber constantemente notificações sobre os horários e atividades agendadas. 

Trello: auxilia na organização e gerenciamento de projetos, por meio da criação de quadros e listas. Ele pode ser moldado conforme os interesses de cada usuário e ser usado de maneira individual e também para trabalhos em equipe. Dentro de cada seção é possível escrever textos e comentários, adicionar links e anexos, além de determinar prazos. 

5 - Adapte as atividades de acordo com suas características

Cada estudante é distinto e tem suas particularidades. Isso significa que os métodos que funcionam para o seu colega podem não dar certo para você. E vice-versa. Há quem aprenda melhor em silêncio, outros ouvindo música, alguns gostam de vídeo-aula, outros preferem ler e fazer resumos…enfim, o processo de estudo, o ritmo e a aprendizagem são diferentes para cada pessoa. A professora Clariane afirma que “o importante é o autoconhecimento. A partir do momento que identificamos de que forma aprendemos melhor, podemos usar isso a nosso favor”.

6 - Não interrompa os estudos

A última dica para focar nas atividades acadêmicas é não parar. Enquanto há possibilidade, tempo, condições físicas e psicológicas, é importante que o aluno mantenha suas atividades e dê continuidade ao que havia programado para realizar durante o semestre. Pode ser mais difícil devido às características do momento que vivemos, mas, se interrompidos, torna-se ainda mais complicado retomar e finalizar os projetos depois.

A professora Fabiane destaca que essa adaptação pode ser facilitada se mantivermos o contato com colegas, professores e orientadores, pois o momento requer um esforço conjunto. “É preciso a compreensão que não temos fórmulas nem soluções mágicas, não temos todos os recursos e infraestrutura ideais e necessários”, explica. Assim como os alunos, os educadores também foram surpreendidos pela pandemia e agora precisam encontrar maneiras para se adaptarem junto aos estudantes. “Não sabemos até quando essa pandemia vai durar e muito menos quando ou como será o retorno ao presencial. Mas podemos tentar não nos deixar abater. Podemos buscar fazer o nosso melhor nas condições que temos e aproveitar o tempo. Podemos seguir juntos”, complementa.



Reportagem: Melissa Konzen, acadêmica de Jornalismo

Ilustrações: Beatriz Dalcin, acadêmica de Publicidade e Propaganda

Mídias Sociais: Nathalia Pitol, acadêmica de Relações Públicas

Edição: Maurício Dias, jornalista


Publicações Recentes