Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Cuidado com o barulho!



A audição é um dos cinco sentidos humanos que possibilitam a percepção do mundo ao nosso redor. Além da captura de sons e da importância no que se refere aos aspectos psicossociais e linguísticos, por meio da audição também somos capazes de desenvolver o equilíbrio e o senso de localização. 

Nosso sistema auditivo consegue perceber os estímulos sonoros a nossa volta, independente da direção, profundidade, altura e largura do ambiente. Assim, torna-se possível que nosso corpo desenvolva a consciência de espaço. 

Apesar de toda a importância deste sistema, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta para a incidência de problemas auditivos: mais de 700 milhões de pessoas são afetadas. Cerca de 466 milhões, o equivalente a 5% da população mundial,  têm deficiência auditiva incapacitante. Estima-se que até 2050 o número aumente para 900 milhões, o que significa que uma em cada 10 pessoas irá perder sua audição de forma permanente. 

Ruídos e zumbidos

Em nosso dia-a-dia estamos frequentemente expostos a ruídos. De acordo com o especialista em otorrinolaringologia e professor do Departamento de Cirurgia do Centro de Ciências da Saúde, Fabrício Scapini, em termos psicoacústicos, ou seja, em relação à sensação que nos causa, o ruído é caracterizado como um som desagradável. Ele pode provocar incômodo tanto pela intensidade, como pelo tipo de som. 

A curto e médio prazo, como horas, dias ou semanas, o ruído é capaz de desencadear sensações de irritabilidade, insônia, alteração de concentração, dor de cabeça e taquicardia. Já a longo prazo, a principal consequência é a perda auditiva. 

E quando participamos de festas que possuem aquelas caixas de som no volume máximo? 

É comum que, ao deixar o local, sintamos um zumbido em nossos ouvidos. De acordo com o professor, a sensação é resultado de uma “fadiga auditiva” chamada Mudança Transitória Limiar.  “Ela ocorre por uma sobrecarga de trabalho da cóclea, que é o órgão que fica dentro da orelha e que transforma o som em impulsos elétricos para o nosso cérebro. Com repouso acústico, que significa ficar afastado de sons intensos por pelo menos 14 horas, a audição geralmente retorna à normalidade”, afirma. 

O zumbido também pode estar relacionado a perdas auditivas agudas ou crônicas, doenças do labirinto – que causam tonturas – ou problemas envolvendo os vasos sanguíneos e nervos do crânio. Dados da OMS revelam que o zumbido afeta 278 milhões de pessoas em todo o mundo.  Nessas situações é importante uma avaliação de especialista, para definir a causa. 

Ilustração do ouvido humano, dividido em 7 partes: canal auditivo, tímpano, ossículos auditivos, labirinto, nervo auditivo, cóclea e tuba de eustáquio.

Exposição a ruídos e suas consequências

A OMS também alerta que quase 50% das pessoas entre 12 e 35 anos correm o risco de sofrer perda auditiva devido à exposição prolongada e excessiva a sons altos, como o uso de fones de ouvido. Além disso, sons intensos e breves, como de fogos de artifício, buzinas e tiros podem causar perda auditiva irreversível. 

“Até mesmo um beijo no ouvido pode resultar em danos auditivos. Tudo depende da intensidade do som e da distância entre a fonte sonora e a orelha”, explica Fabrício. Segundo ele, o som que chega aos nossos ouvidos propaga-se pelo ar, então quanto mais próxima à fonte sonora, mais intenso ele pode ser. 

Dentre as doenças causadas pela exposição a ruídos, o professor destaca que a principal é a Perda Auditiva Induzida por Ruídos (PAIR), também chamada de Perda Auditiva Induzida por Níveis de Pressão Sonora Elevada (PAINPSE). Ela é gradativamente progressiva, conforme os níveis de exposição sonora. Geralmente a perda é bilateral e do tipo neurossensorial, que é irreversível.

Para evitar problemas futuros, o principal cuidado é manter-se distante de ruídos mais intensos e por períodos prolongados. Quanto à utilização de fones de ouvido, recomenda-se limitar o uso por até 90 minutos diários, além de ajustar o volume em, no máximo, 80% da capacidade do aparelho. Já para quem precisa trabalhar exposto a ruído, é essencial o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), o protetor auricular. 

Ilustração de medidor de intensidade sonora. O ruído de chuva é de aproximadamente 20 dB; o de um ônibus 60 dB; o de um cortador de grama 90 dB; o de um fone de ouvido 110 dB; e o de um revólver 140 dB.

Tecnologia aliada à audição 

O otorrinolaringologista Fabrício explica que o som é medido em decibéis (ou decibel). “A exposição sonora abaixo de 70 dB é normalmente bem tolerada. No Brasil, a Norma Regulamentadora Nº15 (NR-15) estabelece o limite de 85dB para exposição sonora de até 8h diárias. Acima de 85dB, já existe risco para perdas auditivas caso haja exposição diária e prolongada.”

Como saber se o ruído a que estamos expostos é prejudicial? 

A tecnologia pode nos ajudar nessa parte! Existem alguns aplicativos para smartphones que medem a intensidade sonora. Embora sua precisão não seja perfeita, eles são uma opção simples e rápida para medir os níveis de ruídos em determinadas situações. 

 Outra opção é um aplicativo lançado pela própria OMS, chamado HearWHO, que possibilita que as pessoas verifiquem sua audição regularmente e intervenham de forma precoce em caso de perda auditiva. O app foi feito tanto para quem está em risco de perder a audição, quanto para quem já possui alguns dos sintomas. 

É importante ressaltar que, embora a tecnologia auxilie na prevenção e identificação desses problemas, a avaliação otorrinolaringológica e fonoaudiológica ainda é a principal forma de detectar possíveis danos auditivos relacionados à exposição sonora. Estes profissionais estão habilitados para avaliar as funções auditivas e podem dar um diagnóstico com precisão. 



Repórter: Melissa Konzen, acadêmica de Jornalismo

Ilustradora: Giovana Marion, acadêmica de Desenho Industrial

Editor chefe: Maurício Dias, jornalista


Publicações Recentes