Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Energia nuclear também é assunto de mulher



Provavelmente você já tenha ouvido falar sobre a história de Marie Curie. Conhecida como “mãe da Física Moderna”, foi a primeira pessoa a ser laureada duas vezes com o prêmio Nobel. Curie é famosa por sua pesquisa pioneira sobre radioatividade, ao descobrir os elementos polônio e rádio, e isolar os seus isótopos. Ao lado dela, entre os séculos 19 e 20, outra mulher se destacou nas pesquisas no campo nuclear: Lise Meitner. A cientista desempenhou papel importante na descoberta da fissão nuclear.

 

As biografias de ambas revelam os desafios enfrentados pelas cientistas – desde o ingresso à universidade até o exercício da carreira. No tangente ao ramo nuclear, mesmo que sejam raros, há ainda registros do trabalho de mulheres nas fábricas e pesquisas sobre a criação de ogivas e armas nucleares, durante períodos de conflitos mundiais. Para além do ramo bélico, encontramos hoje múltiplas aplicações da energia nuclear e da radioatividade no cotidiano e o aumento da participação das mulheres nestas áreas.

 

Com o intuito de incentivar o trabalho de mulheres no ramo nuclear, surge a organização mundial Woman in Nuclear”.  A revista Arco entrevistou a  doutora Juana Gervasoni, presidenta da WiN-Argentina que comparecerá ao Seminário Internacional – América do Sul na era nuclear: riscos, desafios e perspectivas. Confira como foi a conversa:

 

ARCO: O que é a “Woman in Nuclear”, como surgiu e por quê?

Juana: A Woman in Nuclear (WiN) é uma organização mundial, certificada pela Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA), que apoia e encoraja as mulheres que trabalham nas indústrias nucleares em todo o mundo, em especial nas aplicações da energia e radiação. Fundada em 1992, tem como objetivo promover a compreensão e a consciência pública dos benefícios das aplicações nucleares e da radiação através de redes nacionais e internacionais. Trata-se de uma organização sem fins lucrativos que atualmente conta com cerca de 4600 membros em 102 países, e segue crescendo.

 

A WiN Global realiza uma reunião anual, além de publicar um boletim informativo mensal. Na Argentina, a organização iniciou suas atividades em 1992 sob direção da Doutora Maela Virso, da Comissão Nacional de Energia Atômica (CNEA) – instituição que concentra a maior atividade nuclear do país.

 

ARCO: Quem participa da organização?

Juana: Mulheres que trabalham profissionalmente em diferentes áreas do trabalho nuclear, como ciência e tecnologia, medicina e saúde, indústria e pesquisadoras das várias instituições da Argentina. Isto é, para todos os candidatos que desejam participar da promoção de atividades nucleares.

 

ARCO: Quais são os principais objetivos e ações da organização?

Juana: Na WiN, consideramos fundamental nivelar o caminho para as jovens que estão apenas começando na carreira científica, ajudando a aumentar a conscientização sobre as dificuldades e preconceitos de gênero que ainda existem e que devem ser superados, a fim de alcançar uma autêntica igualdade entre homens e mulheres no campo científico-tecnológico. O objetivo da organização é desenvolver um espaço propício para trocar ideias e estimular iniciativas conjuntas a partir da visão das mulheres que pertencem à atividade nuclear, em distintos setores da sociedade: científico-tecnológico, de saúde, cultural, educacional e social. Tudo isso, sem deixar de desenvolver um diálogo fluido com a sociedade para promover a conscientização, contribuição e educação das pessoas e da sociedade de tecnologias nucleares.

 

ARCO: Quando as mulheres começaram a trabalhar nas indústrias nucleares e o que representam atualmente? Desde a fundação da WiN, quais foram os avanços percebidos no ramo?

Juana: No primeiro Intercâmbio de Materiais de Informação Pública (Pime) em 1988, iniciado pelo comitê de informação da ENS, os programas de informação para mulheres foram discutidos como políticas públicas em ciência e tecnologia. Mas apenas três “mulheres nucleares” compareceram. No segundo Pime, em 1989, uma mesa redonda com seis mulheres e um homem discutiu a questão das mulheres e da energia nuclear. Este foi o ponto de partida. Um ano depois, em janeiro de 1990, o comitê de informação da ENS organizou uma reunião especial de mulheres – “Mulheres e energia nuclear” – presidida por Agneta Rising (Suécia) em Ascona, Suíça. A partir daquele momento, em cada reunião do Pime, o comitê de informações deixou espaço para uma reunião das mulheres participantes.


Somente na primeira reunião especial realizada em Helsinque, em maio de 1992, organizada pelo grupo finlandês “Energy Channel”, a WiN se estabeleceu como um grupo líder. Adotou a Carta WiN e estabeleceu o programa de trabalho de informação para 1993, que inclui a reunião constitucional da Organização WiN no dia da inauguração do PIME ’93 em Karlovy Vary, na República Tcheca.

 

ARCO: Como vê a participação e a valorização das mulheres na área de pesquisa e produção da ciência e tecnologia?

Juana: Geralmente, em Ciência e Tecnologia a participação da mulher é altamente importante e de excelência, mas a valorização do seu trabalho ainda não bem é reconhecido, persistindo a invisibilidade.

 

ARCO: Quais são as perspectivas futuras da organização para a utilização da energia nuclear e para o trabalho das mulheres na área?

Juana: Nossa perspectiva é divulgar ao público em geral, especialmente mulheres, informações sobre a tecnologia nuclear e sua contribuição para a sociedade, promovendo um ambiente colaborativo com outras organizações que contribuem para esse fim. Promover também a transferência de conhecimento e experiência, por meio de reuniões regulares entre seus membros e entre os demais grupos WiN. Além disso, promover o interesse pela formação técnico-científica, especialmente entre as mulheres, em um campo direta ou indiretamente relacionado ao setor nuclear ou à radiação ionizante.

 

Reportagem: Tainara Liesenfeld

Ilustração: Pollyana Santoro

Edição: Andressa Motter, acadêmica de Jornalismo


Publicações Recentes