Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

O anel de formatura

Por Ruben Boelter*



Num final de tarde no ano de 1962, como de costume, após a última aula do dia, embarquei no Farquinho, ônibus antigo que, naquele dia, estava fazendo o percurso da UFSM para a cidade.

Ao entrar no ônibus, observei uma senhora, um tanto nervosa, com um gatinho no colo. Aproximando-me do seu banco, pedi licença e perguntei o que havia acontecido com o seu gatinho. Então ela respondeu:

— Ele foi castrado no Hospital Veterinário, e está muito agitado.

— Quem fez a cirurgia? Indaguei.

— Não sei quem foi, mas ao chegar, fui muito bem recebida por um veterinário alto, moreno, de olhos verdes e muito bonito.

Pelas características descritas, eu sabia que se tratava do Professor Petrucci, médico veterinário que vinha de Porto Alegre para ministrar aulas de Técnica Cirúrgica em nossa Universidade.

Enquanto o ônibus fazia o percurso pela Faixa Velha de Camobi, apresentei-me como aluno da Faculdade de Veterinária, e coloquei-me à disposição se ela precisasse de qualquer auxílio, tal como retirar pontos, aplicar medicamentos ou tratar de pequenos curativos. Ao chegarmos no ponto de desembarque, no Garajão, perguntei-lhe qual era seu nome.

— Eu me chamo Rosa Mena Barreto, sou professora aposentada, e moro na rua do Acampamento.

Então, pediu-me que ajudasse a levar o seu gatinho para examiná-lo novamente.

— A senhora pode contar com minha ajuda, no que for preciso.

Ao chegarmos a sua casa, verifiquei que não tinha somente um, mas vários gatos. Enquanto eu examinava minuciosamente aquele operado, ela me perguntou:

— O senhor não gostaria, de agora em diante, de ser o médico dos meus gatos?

Eu respondi que não havia nenhum problema e que eu faria tudo aquilo que me era permitido como estudante de veterinária. E, desde então, iniciou-se uma sólida amizade que, nesta vida, durou até a sua morte.

A Dona Rosa, como eu a chamava, lia muito, era espírita convicta, conhecia muitos detalhes da história do Rio Grande do Sul, gostava de política, do Brizola e fazia críticas severas aos nossos governantes.

Durante os dois anos que antecederam o final do curso, aprendi muito sobre doenças dos gatos e o manejo com essa espécie, a ponto de os colegas me chamarem de “doutor dos gatos”, e sempre que aparecia um caso clínico no Hospital Veterinário eu fazia questão de acompanhar até o fim.

A formatura finalmente se aproximava, e era necessário que tivéssemos o anel de formatura, para que o Diretor da Faculdade, simbolicamente, colocasse no dedo dos formandos.

Porém, eu e outros colegas não tínhamos condições de comprar o anel. Então combinamos que o formando que já tivesse recebido o seu diploma, ao retornar ao seu lugar, deveria passar o anel para o outro.

Levei, então, um convite para Dona Rosa, que agradeceu muito sensibilizada, e antes de sair de sua casa, pediu que eu esperasse um pouco.

— Doutor, tenho uma surpresa para você.

E, após alguns minutos, ela trouxe um dos seus gatos, que trazia uma pequena caixa amarrada numa das suas patinhas.

— É um presente dos gatinhos para você, disse-me ela.

E, para minha surpresa, ao abrir a caixa, havia um lindo anel de formatura e um cartão com os seguintes dizeres: “Ao nosso dedicado médico, com muito carinho, a homenagem dos pacientes Fantinho, Nenezinha, Malhada, Meu Velho, Rajado e Gencinho”.

Com o anel no dedo, na noite de 3 de dezembro de 1965, no Cine Glória, recebia, com muita emoção e orgulho, das mãos do paraninfo, Dr. Danilo Saraiva, o meu diploma de Médico Veterinário, com as presenças do reitor, Dr. Mariano da Rocha Filho, e do Diretor da Faculdade de Veterinária, Dr. Armando Vallandro.

Em memória à Dona Rosa, o anel que ganhei dos “gatinhos” ficará para um neto, bisneto ou sobrinho que venha a optar pela Medicina Veterinária.

*Ruben Boelter é médico veterinário e professor aposentado da UFSM. Em 2008, essa história foi premiada na 4ª edição do Concurso de Crônicas da UFSM, promovido pelo Programa Volver

**Ilustração: Filipe Duarte

***Texto publicado originalmente na sétima edição da Revista Arco e republicado em razão dos 60 anos da UFSM

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes