Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Próxima parada: o mundo da química

De uma forma diferente e descontraída, A Viagem de Kemi propõe uma alternativa para professores e alunos desvendarem a química



A palavra “química” vem do egípcio kemi e significa “terra negra”. É também o nome dado à ciência que estuda todas as transformações que acontecem no universo: da composição da terra, do mar, da atmosfera, dos seres vivos. Embora sempre tão presente, suas infinitas fórmulas e ligações não raro causam boas dores de cabeça a professores e alunos que tentam compreendê-la, explicá-la e experimentá-la. São números daqui, misturas dali; e o resultado, muitas vezes, são mais perguntas. A busca por desmistificar o ensino da química e ajudar a encontrar respostas deu origem à série A Viagem de Kemi.

A série foi criada, em 2011, como parte integrante do Projeto Condigital, dos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação, que tinha como objetivo a elaboração de mídias eletrônicas que servissem como material de apoio para as disciplinas do Ensino Médio. A proposta era desenvolver um total de 306 produções para cada matéria, divididas igualmente entre áudios, vídeos e jogos eletrônicos. A professora do Departamento de Química da UFSM e idealizadora de A Viagem de Kemi, Marta Tocchetto, considera este seu maior projeto profissional, devido ao desafio de traduzir o conteúdo de química para um formato leve, agradável e divertido, além do cuidado para não ferir conceitos, o que lhe exigiu uma ressignificação de concepções de ensino e metodologia.

A proposta inicial apresentada aos desenvolvedores dos materiais era que, ao fim das produções de cada uma das disciplinas, elas fossem reunidas em um kit a ser entregue às escolas de todo o país, o que, no entanto, não ocorreu. Para Marta, isso fez com que, não só a sua série, mas também aquelas produzidas por outros professores, deixassem de ter seu potencial totalmente aproveitado pelos alunos que poderiam se beneficiar delas. “Eu sempre me preocupei muito com a questão da divulgação desse material, então fizemos um canal no Youtube para colocar pelo menos os vídeos ali. Criamos também uma página no Facebook. Mas até então, era só isso”.

No início de 2014, a TV Campus, canal universitário da UFSM, tomou conhecimento dos vídeos e decidiu que o conteúdo faria parte de sua programação e que os vídeos seriam exibidos semanalmente. Marta destaca, no entanto, que a ideia é que A Viagem de Kemi sirva como ferramenta para o professor utilizar na escola ou mesmo para o aluno fixar os conteúdos aprendidos, e não como uma vídeo-aula. “Com uma média de dez minutos por episódio, eles são uma forma de fugir da aula convencional, a qual o professor muitas vezes está apegado. Isso porque é difícil, com toda a carga de trabalho, produzir algo novo ou diferente e, ao mesmo tempo, dar conta do vasto programa de conteúdos”.

Que tal embarcar nessa viagem? 

O mundo da química te espera! 

Repórter: Daniela Pin Menegazzo

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes