Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Quando faltam as palavras

Psicólogo estuda como melhorar comunicação de pessoas com afasia, causada por lesão cerebral



Você já ouviu falar em afasia? O termo, pouco conhecido, dá nome à forma limitada com que pessoas acometidas por lesão no cérebro se comunicam. Trauma encefálico, acidente vascular cerebral (AVC) e tumores cerebrais estão entre as causas que afetam a linguagem, o entendimento, a percepção e a fala em si.

A afasia é o tema do mestrado do psicólogo Gabriel Barros, no Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana da UFSM. O interesse dele em pesquisar o tema surgiu durante o estágio hospitalar em Psicologia no Hospital Universitário de Santa Maria. “No dia a dia, eu encontrava com estas pessoas, que não conseguiam falar e nem se expressar. Era um problema confundido com demência e perda de memória. Eu via que faltava suporte e formas de instrumentalizar essa dificuldade”, relata Gabriel.

A partir disso, começou a estudar as manifestações dos sujeitos afásicos e suas subjetividades no convívio social – especialmente nas atividades coletivas realizadas pelo Grupo Interdisciplinar de Convivência (GIC), coordenado pela professora Elenir Fedosse, do Departamento de Fonoaudiologia do Centro de Ciências da Saúde da UFSM, e orientadora de Gabriel. O GIC tem como objetivo colocar os sujeitos afásicos em interação com diversas áreas, como Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia e Psicologia.

O mestrando explica que a comunicação com pessoas afásicas se dá por meio de gestos e sinais. “Na verdade, isso ocorre com qualquer sujeito não-afásico quando faltam as palavras. É uma problemática que envolve todos no contato e no exercício diários da linguagem”, comenta Gabriel, que buscou recursos alternativos para se comunicar com as pessoas afásicos. “Elaborei pranchas de comunicação e ali fui me instigando entender a temática da afasia, de fazer com que ela fosse vista como um problema a ser solucionado”, relata.

Ilustração das pranchas de comunicação desenvolvidas por Gabriel

Embora seja estudada na neurologia e exista bibliografia desde o início do século 19, a questão ficou escanteada – “parece que a ausência da capacidade de falar virou uma característica inerente à pessoa”, critica o psicólogo. Isso tem como consequência agravante o esquecimento de quem é o sujeito – e é justamente nisso que a pesquisa de Gabriel está centrada: Como considerar essa pessoa como alguém que tem desejos e vontades, embora não tenha fala?

Um dos primeiros passos é o tratamento, que consiste na reabilitação física do paciente. A técnica varia de acordo com a gravidade do caso e com a abordagem de cada terapeuta. A perspectiva utilizada pela orientadora de Gabriel é denominada enunciativo-discursiva, e consiste em trabalhar com a linguagem em convivência, na formulação e na enunciação do discurso. “Com isso, o sujeito cria caminhos próprios para lidar com a afasia”, pontua o psicólogo.

O acompanhamento leva em conta, ainda, o tipo de dificuldade – sensorial ou motora. Nessa última, o problema é basicamente na articulação, ou seja: a pessoa tem a noção do que quer falar, mas o movimento não ocorre. Já a sensorial envolve a dificuldade na compreensão do que é falado, mas ainda assim a pessoa se expressa. Como o sujeito afásico depende muito mais do outro, o trabalho está voltado a dar autonomia ao paciente, de maneira que consiga falar por si de alguma forma. O objetivo, segundo Gabriel, não é alcançar a normalidade pré-estabelecida: “É fazer com que o sujeito esteja confortável com a própria situação”.

Neste sentido, Gabriel lamenta que as pessoas – e, até mesmo, os profissionais da saúde – não conheçam a problemática, já que, normalmente, não é possível perceber o sofrimento do sujeito afásico. “A partir da problematização do tema eu encontrei vias de trazer um cuidado humanizado”, pondera o pesquisador.

 

Grupo Interdisciplinar de Convivência

O GIC realiza tarefas e exercícios terapêuticos, sempre respeitando os limites de cada um. Além das atividades coletivas, também há terapias individuais. Para participar do projeto é necessário preencher a lista de espera do Serviço de Atendimento Fonoaudiológico. Lá, o candidato passa por triagem para comprovar o diagnóstico de afasia e ingressa conforme a existência de vagas.

 

Reportagem: Martina Irigoyen, acadêmica de Jornalismo
Colaboração: Andressa Motter, acadêmica de Jornalismo
Ilustração: Marcele Reis, acadêmica de Publicidade e Propaganda

 

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes