Ir para o conteúdo Revista Arco Ir para o menu Revista Arco Ir para a busca no site Revista Arco Ir para o rodapé Revista Arco
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Vida, morte e poesia



“Quem lembrará de mim passados vinte anos?”. A preocupação do médico e poeta porto-alegrense Luiz Guilherme do Prado Veppo, expressa no poema “Alguém”, era vã. Falecido em 1999, aos 67 anos, o autor segue vivo em resgates como Prado Veppo – Obra Completa – 2ª edição, publicada pela Editora UFSM, em maio de 2019. 

A coletânea contempla os oito livros de Veppo, escritos entre 1962 e 1998. Foi organizada pelos professores Pedro Brum Santos, do Departamento de Letras Vernáculas, do Centro de Artes e Letras, e Vitor Biasoli, aposentado do curso de História, do Centro de Ciências Sociais e Humanas da UFSM. Ambos conviveram com Veppo e colaboraram para a obra do autor. “Ele era um sujeito muito apaixonado pelas coisas que fez e pela vida. Intenso, loquaz. Lia muito, tinha um conhecimento apreciável de poesia”, conta Pedro. 

A produção da Obra Completa demorou cerca de um ano. “No trabalho desse livro, buscamos os textos originais e isso nos possibilitou fazer correções, confrontos e orientar melhor o leitor”, explica Pedro, que conseguiu recuperar três poemas desaparecidos ou apresentados de maneiras diferentes em outras obras.

Com versos curtos, Veppo escrevia sobre as circunstâncias da vida, a morte e os dramas humanos. Os temas eram herança de infância e pré-adolescência difíceis, marcadas pela perda da mãe, aos dois anos de idade, e do pai, aos 14. Além disso, refletiam experiências vividas no exercício da Psiquiatria, em Santa Maria – para onde se mudou em 1954, a fim de estudar na primeira turma de Medicina da UFSM, a qual ajudou a fundar. 

Em Santa Maria, Veppo conheceu e se aproximou do artista Eduardo Trevisan, autor de telas espalhadas por vários estados brasileiros e pelo mundo. Além de ilustrar todas as obras de Veppo, Eduardo, que faleceu em 1982, deixou o legado ao filho, Flamarion. “Estive em todos os livros do Veppo, seja com desenhos ou como modelo para o pai, quando criança. Eu ‘me criei grudado’ neles e eles em mim”, relata. 

Para Flamarion, formado em Desenho e Plástica pela UFSM, em 1983, Veppo era um “Pairmão” – “única palavra capaz de traduzir a nossa proximidade”, define. O artista expressou em desenhos os versos do poeta, em um processo criativo conjunto, com lápis litográfico e Vida, morte e Santoro bico de pena com nanquim sobre o papel. “Eu tinha e tenho uma percepção bastante ampla da poesia dele, porque conversávamos intensamente sobre ela. Da mesma forma que ‘convivíamos’ a poesia, as ilustrações também eram criadas dentro de uma construção íntima e compartilhada”, explica o artista. 

Flamarion entende que resgatar o trabalho de Trevisan e Veppo é “manter viva a alma de Santa Maria pela arte de dois gigantes. Santa Maria é o que eles fizeram ser”. Pedro complementa: “Nós temos uma certa obrigação de fazer isso, como instituição: preservar na comunidade esses nomes que do passado nos falam. Veppo nos ensina”.

Reportagem: Andressa Motter . 

Ilustrações: Giovana Marion (capas dos livros) e Eduardo Trevisan (obra completa)

Diagramação: Lidiane Castagna e Pollyana Santoro 

Lettering: Pollyana Santoro

*Matéria publicada na 11ª edição impressa da revista Arco. *

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes