Ir para o conteúdo Íntegra Ir para o menu Íntegra Ir para a busca no site Íntegra Ir para o rodapé Íntegra
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Represente Sua Voz: Negritude



O Represente Sua Voz: Negritude é uma proposta da Agência Experimental de Comunicação- Íntegra, que possui o intuito de proporcionar um espaço para que os estudantes dos cursos de Relações Públicas e Jornalismo, do Departamento de Ciências da Comunicação da UFSM-FW, divulguem seus trabalhos acadêmicos voltados às reflexões em torno da negritude. Mas afinal, o que é Negritude?

O termo “negritude” apareceu provavelmente pela primeira vez no poema de Aimé Césaire Cahier d’un retour au pays natal (1939). Os primeiros proponentes da Negritude enfatizavam, como pontos capitais no movimento: a reivindicação, por parte do negro, da cultura africana tradicional, visando à afirmação e definição da própria identidade; o combate ao eurocentrismo advindo do colonialismo europeu e da educação ocidental prevalecente; a valorização da cultura negra no mundo, em razão de suas contribuições específicas do ponto de vista cultural e emocional as quais o Ocidente, materialista e racionalista, nunca apreciou devidamente

Isto posto, pensa-se em um espaço no qual a produção acadêmica estudantil ganha protagonismo, principalmente as que são produzidos por estudantes negras e negros. Através de eventos produzidos pelos estudantes, de produções audiovisuais e da pesquisa acadêmica, os graduandos em comunicação da UFSM- FW nos proporcionam um outro olhar acerca da cultura negra. Nas legendas das postagens realizadas no Instagram da Íntegra, os bolsistas da agência colocam em pauta temáticas como: Racismo e Religião; Colorismo; A solidão do Homem Negro; e A solidão da Mulher Negra. Todos os textos são produzidos, subjetivamente, a partir dos sentidos e afetos mobilizados pelas imagens e aspectos que notamos ser relevantes para a discussão. Ademais, as produções audiovisuais enviadas pelos alunos direcionam o olhar para a negritude pelo viés da inserção de jovens negras e negros de todo Brasil em na universidade federal situada no sul do país; da importância da cultura de rua do povo preto como uma nova mídia de resistência; e das reflexões acerca da resistência proveniente do esfacelamento do corpo de Marielle Franco e Anderson da Silva.


Sumário:

  • Página 2 – Nós precisamos falar sobre religião e racismo
  • Página 3 – Nós precisamos falar sobre o Colorismo
  • Página 4 – Nós precisamos falar sobre a solidão do homem negro
  • Página 5 – Nós precisamos falar sobre a solidão da mulher negra
  • Página 6 – Documentário Negritude
  • Página 7 – Foram 83 tiros: um estudo de agendamento sobre as mortes de Evaldo Rosa dos Santos e Luciano Macedo nos jornais Folha de São Paulo e O Globo
  • Página 8 – Despadronizadas: podcast
  • Página 9 -Eventos
  • Página 10 – A Negritude na Ciência
  • Página 11 – Finalização

Publicações Recentes