Ir para o conteúdo .TXT Ir para o menu .TXT Ir para a busca no site .TXT Ir para o rodapé .TXT
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Mudança repentina



Projetos de extensão e campanhas da UFSM buscam se adaptar às condições do isolamento social

A UFSM suspendeu as atividades presenciais por conta da pandemia do coronavírus no dia 16 de março. A previsão inicial era de apenas um mês de suspensão, mas com aumento de casos no Brasil, a situação se agravou e todos os prazos foram adiados. O isolamento social dificultou o andamento de projetos de extensão e de campanhas já previstas, porém, através de adaptações foi possível realizar algumas ações. Entrevistamos Victor de Carli Lopes, técnico administrativo que atua na Pró-Reitoria de Extensão e o professor Luiz Fernando Cuozzo Lemos, coordenador de projetos de extensão na área de Educação Física.

O Observatório de Direitos Humanos (ODH) da UFSM, por exemplo, conseguiu realizar campanhas como a da Páscoa e a do agasalho. O ODH tem como propósito ampliar o debate sobre os direitos humanos e estimular a participação da comunidade em ações e reflexões, englobando grupos populacionais em situação de vulnerabilidade social. “Nesse momento, mais específico do isolamento social, outros problemas acabam surgindo, principalmente as dificuldades de subsistência dessas pessoas”, diz Victor. Ele informa que medidas assistencialistas se faziam necessárias. E esse foi o intuito da campanha da Páscoa: “levar doces e chocolates para as crianças para poderem aproveitar o feriado de uma maneira mais lúdica”, relata o servidor público da UFSM.

Descrição de Imagem: Fotografia vertical e colorida, ao ar livre, de Victor De Carli Lopes e uma mulher na entrega de doações. Eles estão no centro da foto, em frente a uma cerca de madeira. Ele tem pele morena, olhos escuros e cabelos cacheados, escuros e curtos. Usa máscara quadriculada branca e verde, jaqueta preta com mangas na cor cinza sobre blusão bordô; calças jeans cinza e tênis marrom. Ao lado, uma mulher com expressão facial alegre. Tem pele negra e cabelo escuro, que está preso para trás. Usa touca marrom, casaco rosa claro e calça verde água. Na mão esquerda segura um celular na cor rosa. No chão, em frente a ela, três sacolas fechadas, com doações. Em segundo plano e atrás de Victor e da mulher, uma casa de tijolos laranja e objetos no pátio da casa, com cobertores por cima. Ao lado, um carro bordô na garagem, uma cerca torta de madeira na cor cinza; no meio, um portão de ferro enferrujado, levemente solto e na cor branca. O chão é de terra com alguns tufos de grama. Ao fundo, o céu sem nuvens, o telhado cinza de uma casa e galhos de árvores em tons de marrom e verde.
Victor à esquerda em entrega de agasalhos

 Diferente dos outros anos, a campanha do agasalho precisou ser mais pontual, por conta do isolamento social e por tempo limitado. Foram apenas dois dias para arrecadações em locais específicos e as doações foram feitas em modelo drive-thru, assim como foi a da Páscoa, na qual as pessoas passavam de carro e deixavam a sua contribuição. Além disso, o Observatório contou com o auxílio de um carro da universidade que passou na casa de quem não tinha condições de se deslocar, mas que havia ligado com interesse de fazer doações e cadastrou o endereço.

Apesar dos “empecilhos logísticos”, como diz Victor, somente em um turno foi possível arrecadar mais de 1.000 peças de roupas e calçados para a campanha do agasalho. Para a ação da Páscoa, foram montados 330 kits de doces e chocolates, além de alimentos e materiais de higiene e limpeza. Os integrantes do Observatório avaliaram o resultado de forma positiva ao considerar todas as dificuldades proporcionados pela pandemia.

Lives e treinamentos à distância

Há ações que têm como característica primordial a realização de atividades presenciais e, por isso, precisaram se adaptar diante dessa impossibilidade. É o caso dos projetos coordenados pelo professor Luiz Fernando, do Centro de Educação Física e Desportos (CEFD), que trabalha com modalidades esportivas.

“Infelizmente, é impossível continuar com qualquer um dos projetos, por que eles são muito humanos, próximos, são muito de movimentos, de reunião de pessoas. Todos eles, eu não consigo pensar um, que eu consiga manter na plenitude ou com uma mínima adaptação.” lamenta, o professor. Entre os diversos projetos está o atletismo da universidade, que estava em ascensão nos Jogos Universitários Gaúchos (JUGs), porém as competições tiveram que ser interrompidas em virtude da Covid-19. No entanto, para as equipes há orientação e treinamentos online, que podem ser feitos à distância ou até mesmo em academias. 

​Com a intenção de aproximar-se da comunidade, Luiz Fernando, junto ao Núcleo de Implementação da Excelência Esportiva e Manutenção da Saúde (NIEEMS), o qual é coordenador, promoveu lives pela página do Instagram para entrevistar e conversar com estrelas do esporte, como o ex-jogador de basquete, Oscar Schmidt. Já foram realizadas mais de 15 entrevistas e que repercutiram em vários meios de comunicação. O professor enxerga sua iniciativa como uma possibilidade de difusão, visto que o conteúdo ficará registrado nas mídias como uma forma de destacar atividades de entretenimento e de informação para os interessados. 

Descrição de imagem: Captura de tela colorida da live, no aplicativo Instagram, de Luiz Fernando Cuozzo em entrevista com Oscar Schimitt. Centralizado na parte superior, está a tela de Luiz Fernando, que sorri. Tem a pele clara e cabelo escuro com penteado topete. Usa camiseta branca, e está em frente à uma parede branca. Em primeiro plano, está Oscar, que sorri. Ele tem pele clara e cabelo loiro claro nas extremidades da cabeça. Usa casaco azul royal com três listras brancas nas mangas. Ao fundo, uma estante de madeira marrom, com vidros nas portas. Na parte esquerda superior da captura, está a foto de perfil e o usuário do Nieems, em letras brancas. Ao lado, uma barra horizontal em tom de rosa, com a frase “Ao vivo” em branco; Ao lado, em uma barra horizontal transparente, desenho de um olho e “28”; ao lado, um “x” em branco. Na parte inferior, está a barra para comentar, curtir ou interagir durante a live.
Print da transmissão do professor Luiz Fernando com Oscar Schmidt

O professor destaca que desde o final de março, a intenção era seguir com as ações a partir desse enfoque de divulgação como forma de adaptação das atividades à distância. “Ficar somente em casa dando aulas para nós, que somos muito envolvidos e ativos em ações, em vários projetos, poderia causar uma situação de tristeza para mim e para os alunos”, completa o docente.

Com perspectivas para o futuro, tanto Victor, quanto Luiz Fernando, declaram ter planos junto aos projetos que fazem parte na UFSM. O Observatório vai aceitar doações para comprar materiais de cesta básica, higiene e limpeza, a fim de auxiliar as famílias em situação de vulnerabilidade social. Já o professor pretende continuar com as lives, bem como seguir com a preparação física dos atletas para o JUGs e outras competições que foram adiadas.

 

Reportagem: Flávia Morishita e Nathiele Pizzutti


Publicações Recentes