Ir para o conteúdo AGITTEC Ir para o menu AGITTEC Ir para a busca no site AGITTEC Ir para o rodapé AGITTEC
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

UFSM recebe visita de comitiva holandesa da Wageningen UNIVERSITY e empresas parceiras



No começo da semana passada, uma comitiva holandesa pousou em terras gaúchas. Representantes da Wageningen University Research (WUR), da Embaixada Holandesa, da empresa Syngenta, da empresa Rometron Nederland e da empresa Hiber compuseram a comitiva dos Países Baixos. Entre outros destinos, a comitiva visitou a Universidade Federal de Santa Maria, onde foi apresentado-lhes a Agittec, no espaço Coworking da Pulsar. 

 

Desde a aterrissagem, os holandeses tiveram uma agenda repleta de compromissos. No domingo (11), a comitiva se dirigiu até Não-Me-Toque, cidade de colonização predominantemente holandesa, na região de Alto Jacuí. Lá, foram recepcionados pelos cidadãos locais para uma programação cultural e jantar. Na segunda-feira (12), a comitiva holandesa visitou a empresa não-me-toquense, também de origem holandesa, Stara para conhecer sua estrutura e participar de reuniões sobre quatro projetos. Além disso, os holandeses aproveitaram para conhecer outra empresa local, a Cotrijal, uma cooperativa focada na agricultura de precisão. 

 

Na terça-feira (13), a comitiva holandesa visitou duas propriedades rurais. A primeira, conhecida como Fazenda Anna, localizada em Não-Me-Toque, é uma propriedade na qual o Projeto Aquarius utiliza em suas pesquisas, cujo objetivo é implementar no RS áreas comerciais com o ciclo completo de Agricultura de Precisão. A segunda fazenda visitada, conhecida como Estância Nova, em Carazinho, é do fazendeiro local Rogério Pacheco, que é referência na área de plantação de trigo. Na fazenda Estância Nova, as práticas avançadas de agricultura regenerativa na propriedade criam desafios de pesquisa e desenvolvimento em sensoriamento de propriedades agrícolas, para habilitar os sistemas de agricultura digitalizada e precisa do futuro, afirma o professor Dr. da UFSM Vinicius Kaster Marini.

Reitor junto a participantes da comitiva holandesa

Apenas na quarta-feira (14) que a comitiva holandesa chegou a Santa Maria para visitar e conhecer a UFSM. O primeiro compromisso em terras santa-marienses foi um encontro com o reitor da universidade, Luciano Schuch. Logo em seguida, os visitantes foram conhecer o espaço Coworking, da Pulsar Incubadora Tecnológica. No primeiro momento do encontro, o diretor da Agência de Inovação e Tecnologia, o professor Daniel Bernardon, apresentou a Agittec e seus números obtidos até o momento. 

 

Posteriormente, os pesquisadores da WUR, Corné Kempenaar e Ard Nieuwenhuizen, apresentaram suas experiências com a inovação na área de agrociência aplicada na Holanda.

Pesquisadores holandeses apresentam suas experiências na área de agrociência

Segundo Kempenaar, uma das maiores dificuldades com os produtores rurais holandeses é convencê-los a compartilhar os dados obtidos nas pesquisas com o governo. Em contrapartida, é obrigatório por lei os fazendeiros darem algumas informações, como por exemplo, a opção de não utilizarem mais nitrogênio em suas lavouras do que o necessário. Esse compartilhamento de informações entre produtores-governo é importante para que os fazendeiros recebam algum subsídio da União Europeia através da exibição que estão obtendo bons resultados. Outra dificuldade, de acordo com Kempenaar, é o receio dos produtores em aderir a novas tecnologias. Para eles, esses avanços tecnológicos trazem um custo maior para suas terras, mas eventualmente, os pesquisadores conseguem convencê-los que novos modos de agricultura podem trazer mais produtividade às lavouras. 

A seguir, a startup da Pulsar, a Auster realizou sua apresentação e explicou sobre a tecnologia que desenvolveram, denominada como Smart-N. O professor Telmo Amado apresentou em seguida o Projeto Aquarius, uma parceria público-privada entre UFSM e as empresas Stara, Cotrijal, Drakkar e OWS e encerrou falando sobre o projeto Arena Digital, ainda em desenvolvimento.

Empresa incubada Auster apresenta sua tecnologia, a Smart-N

Wageningen University

Wageningen University & Research (também conhecida como Wageningen UR é uma universidade pública em Wageningen, Holanda, especializada em disciplinas técnicas e de engenharia. É um importante centro de ciências da vida e pesquisa agrícola, que está localizada em uma região da Holanda conhecida como Food Valley. O WUR consiste na Universidade de Wageningen e no antigo instituto de pesquisa agrícola do Ministério da Agricultura da Holanda. A Universidade de Wageningen treina especialistas (bacharelado, mestrado e PhD) em ciências da vida e sociais e concentra sua pesquisa em problemas científicos, sociais e comerciais no campo das ciências da vida e recursos naturais. É amplamente conhecida por seus programas de agricultura, silvicultura e estudos ambientais. 

A WUR foi colocada entre as 150 melhores universidades do mundo por quatro tabelas de classificação principais. Wageningen foi eleita a universidade número um na Holanda por quinze anos consecutivos. A universidade está listada em 59º lugar no ranking do Times Higher Education e a melhor do mundo em agricultura e silvicultura pelo QS World University Rankings 2016-2020. A WUR é classificada em primeiro lugar nas áreas de ciência de plantas/animais, meio ambiente/ecologia e ciências agrícolas pelo US News & World Report. A universidade é considerada como a melhor instituição de pesquisa agrícola do mundo.

Startup Auster

A Auster é uma empresa que desenvolve tecnologias de gestão do nitrogênio na agricultura. A startup combina tecnologias de sensoriamento remoto da vegetação com as informações disponíveis da lavoura, geramos prescrições de insumos em taxa variável realmente inteligentes. Fornecemos soluções que se integram facilmente à rotina da fazenda, aumentam a produção de bens por área e reduzem o desperdício dos insumos nitrogenados, aumentando a eficiência e sustentabilidade do cultivo de nossos clientes.

A empresa desenvolveu um sistema de prescrição de Nitrogênio em taxa variável que reconhece a dose ideal para cada região do Talhão, o Smart-N. Com o uso de drones, são capazes de  quantificar diversos atributos da lavoura de forma rápida, remota e eficiente para prescrever Nitrogênio com mais precisão. Através da análise de imagens multiespectrais que captamos da lavoura, o Smart-N identifica o estado nutricional das plantas e o potencial de resposta à adubação. O Smart-N também previne desperdícios, pois onde não há capacidade de resposta ou onde já existe suficiência de nitrogênio, a taxa de fertilizante é reduzida, a fim de evitar perdas. Com essas informações, aliadas às imagens que são coletadas da lavoura, é possível saber cada ponto do talhão e a demanda de nitrogênio, potencial produtivo, além da disponibilidade do nutriente no solo com acurácia sem precedentes. 

O que é o Projeto Aquarius

O projeto é pioneiro na agricultura de precisão no sul do Brasil e na relação universidade-empresa-produtor. Com 21 anos de existência, hoje suas informações são utilizadas em todo o país e em países vizinhos como Argentina e Paraguai.

A coleta de dados como clima, solo e materiais genéticos, aliados com sistemas e plataformas digitais desenvolvidos pelo grupo,  são a base para a formação das prescrições de manejo que são utilizadas para que se possam tomar as melhores decisões no campo. Com as informações obtidas pelo Projeto Aquarius, é possível medir a produtividade e a rentabilidade, diminuindo custos e, principalmente, o controle do que é inserido no meio ambiente como defensivos agrícolas, por exemplo.

Professor Telmo Amado explica sobre o Projeto Aquarius

Cenário da agricultura holandesa atual

O governo holandês anunciou, em 5 de julho, sua intenção de reduzir em 50% as emissões de nitrogênio e amônia até 2030, percentual que pode variar de acordo com a necessidade de preservação de cada ecossistema. Para atingir essa meta, seria necessário diminuir em até 30% o número de animais de agropecuária no país, incumbindo os governos provinciais holandeses de elaborar planos de ação a serem implementados no período de um ano. Uma das medidas sugeridas é a desapropriação de fazendas que não cumprirem o limite de animais.

Entretanto, os agricultores se disseram excluídos do debate e alegam que a medida precisa de planos concretos, com ação coordenada pelo governo para propor alternativas viáveis para evitar impactos na renda dos agricultores. Além disso, os produtores temem dificuldades para alimentar a população, que hoje ainda depende do sistema agrícola convencional para produzir alimentos. Com isso, os donos de terras se reuniram em protestos por todo o país e somam outras categorias que também temem medidas que possam afetar suas atividades, como os pescadores. O governo respondeu aos protestos anunciando estar em contato com associações e representantes de agricultores e organizações-chave como a reNature para propor alternativas viáveis aos agricultores, como os sistemas de Agricultura Regenerativa. A ministra da Agricultura, Carola Schouten, diz que está “trabalhando por um setor agrícola forte, de olho em um ambiente agrícola sustentável”.

Futura parceria entre UFSM e Wageninegen UR

De acordo com o pesquisador Corné Kempenaar, essa ideia não está descartada. Ele diz que pensa na possibilidade de combinar os problemas no solo nas quais realizam pesquisas na holanda, com os dados obtidos aqui na UFSM e nosso conhecimento sobre o manejo do solo, pode ser algo interessante de se trabalhar em conjunto.

 

Para o diretor da Agittec, Daniel Bernardon, a visita dos holandeses é fundamental para fins de realizações de projetos que possam envolver a universidade em vista de pesquisas de desenvolvimento e inovação. Bernardon ainda diz que a participação da Agittec na visita é importante pois a agência é um facilitador no processo de Transferência de Tecnologia e de formalizador de acordos de cooperação, como de verificar potenciais oportunidades de Propriedade Intelectual que pode ser fruto do projeto.

 

 

Texto escrito por Luka de Andrade – Bolsista de Comunicação da Agittec

Revisado por Debora Tamiosso – Assessora de Comunicação da Agittec

Divulgue este conteúdo:
https://ufsm.br/r-399-4504

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes