Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Projeto Retalhos da Memória de Santa Maria – artigo 034 Os Calouros e o Trote



Fotografia vertical em preto e branco de uma jovem dentro de uma alegoria em forma de dentadura. A parte superior da dentadura forma uma cobertura arqueada até acima da jovem, a qual está em pé, por detrás dos dentes da arcada inferior. A jovem está na lateral direita da foto, levemente virada à direita, tem pele clara, cabelo escuro na altura dos ombros, usa uma faixa branca com a palavra Odonto sobre vestido cavado claro, justo e com cinto. Sorri abertamente e acena com a mão direita acima da cabeça. Apoia a mão esquerda no dente incisivo inferior central da alegoria. A dentadura é clara, está levemente de perfil, virada à direita, tem uma emenda vertical no palato e os dentes fixados individualmente na dentadura, como caixas quadradas baixas, brancas, arredondadas nos cantos, dispostas na vertical e com partes desalinhadas. Ao fundo, prédio com janelas e sacadas. Numa das sacadas, duas pessoas olham a alegoria.

Desfilando em carro alegórico na Avenida Rio Branco a Rainha do Curso de Odontologia saúda os santamarienses e dá as boas vindas aos calouros dos cursos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) no ano de 1963. Organizado pelos Centros Acadêmicos dos cursos e pela universidade, o desfile era tradicional na década de 60 e também servia como espaço para protestos dos estudantes. O jornal local noticiava como diversão, devido uso de indumentárias, aos carros enfeitados e às críticas com um humor sadio e respeitoso em cartazes e faixas.

A recepção dos calouros nas universidades tem tradição marcada pelo histórico medieval. Em universidades européias os calouros não podiam freqüentar as mesmas salas que os veteranos, para tanto, precisavam ter seus cabelos raspados e roupas retiradas e queimadas, isto como medidas profiláticas contra doenças. Mais tarde as palavras trote e bixo foram agregadas a este rito de passagem. Trote faz referencia ao andar dos cavalos, uma relação negativa de forma a identificar o calouro como alguém que precisa ser domesticado. Já a palavra bixo indica, pela presença da letra “x”, aquele que está marcado.

As tradições características nas recepções aos calouros tomaram outros rumos ao passar dos anos. Ainda com a idéia de inserir o calouro no âmbito acadêmico, surgiram atividades que não condiziam beneficamente com a idéia geral. A mais tradicional é o uso de tintas para identificar a qual curso pertence o bixo. Em 1987 foi noticiado em Santa Maria o uso indevido de tintas com produtos químicos que causaram queimaduras em alguns calouros. Acontecimentos como estes levaram a UFSM, assim como outras universidades brasileiras, a criar uma resolução que além de estimular a recepção humanizada aos calouros, veta qualquer tipo de ação que cause agressão física, moral ou tratamento desumano.

Atualmente na UFSM, é comum atividades de cunho social. Além de jogos e atividades organizadas pelo DCE e pró-reitorias, os diretórios acadêmicos de cursos junto com os veteranos organizam ações solidárias como recolhimento de materiais ou alimentos para doção.

Texto: Marcos Machado Paulo, Acadêmico do 3º semestre do Curso de Arquivologia da UFSM.

Audiodescrição da imagem: Fotografia vertical em preto e branco de uma jovem dentro de uma alegoria em forma de dentadura. A parte superior da dentadura forma uma cobertura arqueada até acima da jovem, a qual está em pé, por detrás dos dentes da arcada inferior. A jovem está na lateral direita da foto, levemente virada à direita, tem pele clara, cabelo escuro na altura dos ombros, usa uma faixa branca com a palavra Odonto sobre vestido cavado claro, justo e com cinto. Sorri abertamente e acena com a mão direita acima da cabeça. Apoia a mão esquerda no dente incisivo inferior central da alegoria. A dentadura é clara, está levemente de perfil, virada à direita, tem uma emenda vertical no palato e os dentes fixados individualmente na dentadura, como caixas quadradas baixas, brancas, arredondadas nos cantos, dispostas na vertical e com partes desalinhadas. Ao fundo, prédio com janelas e sacadas. Numa das sacadas, duas pessoas olham a alegoria.

Comissão de Audiodescrição da UFSM.

Artigo em Libras


Publicações Recentes