Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Projeto Retalhos da Memória de Santa Maria – artigo 091 Concurso nacional de Piano Villa-Lobos em 1965



Fotografia horizontal em preto e branco de dois homens e uma mulher, em um palco. Os homens com cabelos escuros, lisos e curtos, usam ternos escuros e camisas claras. Estão em pé, de perfil, na frente e no centro do palco, e cumprimentam-se com um aperto de mãos. O homem à direita segura um violino e um arco na mão esquerda. À esquerda dos homens, uma caixa de som clara, à frente um pedestal com partitura e à direita uma cadeira de madeira. A mulher, de cabelos escuros, lisos, curtos e presos com um laço claro, usa vestido claro, com mangas curtas e comprimento na altura dos joelhos. Está ao fundo e à esquerda do palco, em pé, de lado, virada à direita, entre uma cadeira de madeira e um piano escuro com partitura. À frente do palco, quatro degraus largos, ao fundo e aos lados, cortinas estampadas. Em primeiro plano, duas fileiras da platéia, com a parte posterior da cabeça de oito pessoas. Três são mulheres de cabelos escuros. Uma com penteado, outra, com os cabelos lisos, curtos e volumosos. A terceira de cabelos curtos, lisos, com pequenos cachos nas pontas, chapéu e roupa clara com listras finas.

No ano de 1965 acontecia, sob a organização da Faculdade de Belas Artes da Universidade Federal de Santa Maria e do professor Geraldo Maissiat, o 1º Concurso Nacional de Piano Villa-Lobos. O concurso teve candidatos de varias regiões do país que brindaram com seus talentos esse grande compositor brasileiro de projeção internacional. Esta homenagem foi abrilhantada com uma série de concertos de músicos famosos, violinistas, violoncelista, pianistas e a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, uma grande festa musical. A música de Heitor Villa-Lobos é única e inconfundível, pois une todos os estilos, explora a música popular brasileira, exalta o índio, o negro e o branco, e traduz tudo isso em sua música erudita. Sua produção é de uma extensão notável, cerca de mil obras abrangendo quase todos os gêneros. Além disso, o músico incentivava o canto nas escolas e preocupava-se com a educação musical no Brasil.

Texto: Jaqueline Inês Both, acadêmica do 6º semestre do Curso de Arquivologia da UFSM.

Audiodescrição da imagem: Fotografia horizontal em preto e branco de dois homens e uma mulher, em um palco. Os homens com cabelos escuros, lisos e curtos, usam ternos escuros e camisas claras. Estão em pé, de perfil, na frente e no centro do palco, e cumprimentam-se com um aperto de mãos. O homem à direita segura um violino e um arco na mão esquerda. À esquerda dos homens, uma caixa de som clara, à frente um pedestal com partitura e à direita uma cadeira de madeira. A mulher, de cabelos escuros, lisos, curtos e presos com um laço claro, usa vestido claro, com mangas curtas e comprimento na altura dos joelhos. Está ao fundo e à esquerda do palco, em pé, de lado, virada à direita, entre uma cadeira de madeira e um piano escuro com partitura. À frente do palco, quatro degraus largos, ao fundo e aos lados, cortinas estampadas. Em primeiro plano, duas fileiras da platéia, com a parte posterior da cabeça de oito pessoas. Três são mulheres de cabelos escuros. Uma com penteado, outra, com os cabelos lisos, curtos e volumosos. A terceira de cabelos curtos, lisos, com pequenos cachos nas pontas, chapéu e roupa clara com listras finas.

Audiodescritora roteirista: Pricila Arrojo

Audiodescritora consultora: Fernanda Taschetto



Publicações Recentes