Ir para o conteúdo Rádios Ir para o menu Rádios Ir para a busca no site Rádios Ir para o rodapé Rádios
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Egresso da UFSM, novo diretor do Inpe aponta para inserção de novas áreas do conhecimento na pesquisa espacial



Clezio De Nardin foi também coordenador geral de Ciências Espaciais e Atmosféricas do Inpe (Foto: Reprodução/Lattes)

Egresso da UFSM, o engenheiro eletrecista Clezio Marcos De Nardin tomou posse como diretor geral do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), no dia 2 de outubro. A nomeação foi feita pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes.

Em entrevista para o programa Editoria 107.9, da UniFM, com o jornalista Gilson Piber, Nardin falou sobre a aproximação com universidades que planeja para os próximos quatro anos. “Com a reestruturação que o ex-diretor Darcton (Policarpo Damião) promoveu, nós tivemos a oportunidade de facilitar a dinâmica de funcionamento, então vamos concentrar as ações nas áreas de pesquisa espacial e pesquisa ambiental, usando para tanto, o acesso ao espaço e desenvolvimento de artefatos espaciais. O ponto principal é que nós faremos isso nos aproximando com as universidades”, afirmou.

Quando questionado sobre a relação com a UFSM, o novo diretor do instituto informou que  gostaria de fazer uma visita ao reitor Paulo Burmann para discutir o envolvimento de pesquisadores de áreas além das tradicionalmente associadas ao setor espacial, como Engenharia, Física e Matemática, mas também Administração e Economia, importantes para o programa espacial e que, em sua visão, devem ser implementados, incorporados e potencializados.

A parceria entre o Inpe e a UFSM tem como um de seus maiores exemplos o NanosatC-BR, Programa de Desenvolvimento de CubeSats. O  primeiro nano-satélite produzido pelo programa, o NanosatC-BR1, foi lançado em 2014 e está em órbita desde então. O segundo, NanosatC-BR2, começou em julho a etapa de montagem, integração e testes, e tem previsão de lançamento para novembro de 2020, na Rússia, a bordo de foguete Soyuz.

Para expandir essa parceria, Nardin visa verificar com universidades a necessidade de um pequeno satélite para realização estudos. O Inpe seria responsável pela execução e gerenciamento do projeto e a universidade pelo desenvolvimento da carga útil. “Nós projetaríamos a plataforma, reduzindo os custos para a universidade, e a universidade teria seus estudos ampliados em, por exemplo, mapeamento hídrico e mapeamento agrícola”, disse o novo diretor. Segundo ele, com isso também seria possível o desenvolvimento de teses no Departamento de Economia, sobre os custos e as vantagens financeiras de monitorar plantações com satélites. 

A entrevista na íntegra você pode conferir no canal da UniFM no Farol UFSM.

Currículo:

Clezio De Nardin formou-se no curso de engenharia elétrica da UFSM em 1996. Entre 1999, se tornou mestre, e em 2003, doutor em Geofísica Espacial, ambos pelo Inpe. Em 2004 realizou um pós-doutorado, também no instituto, e se tornou pesquisador adjunto. Em 2008, passou em um concurso público para ser pesquisador associado do Inpe. Antes de ser anunciado como novo diretor do Inpe, Nardin ocupava o cargo de  coordenador geral de Ciências Espaciais e Atmosféricas do Inpe e vice-presidente da Latinamerican Association of Space Geophysics (Alage). Atualmente também é o representante brasileiro na Equipe Inter-Programa sobre Informação, Sistemas e Serviços do Clima Espacial (IPT-SWeISS) da OMM e membro do Grupo de Espertos em Clima.


Texto: Ana Laura Iwai, acadêmica de Jornalismo, bolsista da Agência de Notícias.

Publicações Recentes