Ir para o conteúdo PET Sistemas de Informação Ir para o menu PET Sistemas de Informação Ir para a busca no site PET Sistemas de Informação Ir para o rodapé PET Sistemas de Informação
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

ReCAPTCHA



O que é?

reCAPTCHA é um serviço de CAPTCHA atualmente mantido pela empresa Google e consiste em uma aplicação do teste de Turing, que tem como objetivo gerar desafios que são impossíveis para uma máquina resolver, mas que a maioria dos seres humanos consegue. O termo CAPTCHA é uma sigla inglês para “Teste de Turing Público Completamente Automático para Diferenciar Humanos e Computadores”.

Evolução do ReCAPTCHA

Os primeiros CAPTCHAs surgiram nos anos 90, para impedir que bots introduzissem URLs à ferramenta de busca do site AltaVista. Em 2008, o processo foi atualizado para um tipo de desafio onde os usuários precisavam digitar palavras que apareciam em uma imagem distorcida. Esse método foi idealizado pela empresa reCAPTCHA e também ajudava a decodificação de arquivos digitalizados que estavam presentes na internet, isso funcionava utilizando um processo automático que digitaliza obras em formato digital, porém, muitas vezes o computador não conseguia entender algumas palavras que estavam escritas em livros mais antigos, essas palavras então eram direcionadas para o CAPTCHA onde as pessoas, ao digitar as palavras distorcidas ajudavam o computador a entender como era escrita cada palavra e assim era possível realizar com precisão a digitalização das obras. 

Para saber se a palavra estava correta ou não, eram disponibilizadas duas palavras, uma que o computador sabia e outra que ele não sabia. Quando o usuário acertava a palavra que o computador sabia, ele automaticamente entendia que a outra também estava correta.

Esse método de CAPTCHA não foi extinto, porém, com o passar do tempo, bots foram conseguindo decifrar os desafios porque foi descoberto que as palavras eram enviadas do servidor sem nenhum tipo de alteração e quando chegavam no computador do usuário era feita essa distorção, então, os bots procuravam essa imagem sem distorção e assim conseguiam burlar o sistema, que acabou gerando combinações de palavras cada vez mais confusas e impossíveis de serem decifradas até mesmo por um humano.





ReCAPTCHA 2.0

Em 2014, a Google evoluiu o sistema para o que foi chamado de reCAPTCHA 2.0, nesse novo método de verificação, uma caixa de seleção escrita “Eu não sou um robô” é mostrada para o usuário que só precisa clicar que já terá sua verificação concluída. 

Apesar de simples, esse método se mostrou mais eficaz do que o antigo, pois o sistema usa o movimento do mouse para determinar se é uma pessoa ou um robô que está realizando o teste, um robô tende a ir diretamente para a caixa de seleção, já um ser humano possui movimentos mais erráticos e imprecisos. Caso o sistema ainda suspeite que seja um robô que está realizando o desafio, outra verificação é solicitada, onde um retângulo com diversas imagens é mostrado, e é pedido ao usuário que selecione todas as imagens que contenham um item específico.

NoCaptcha

Mais uma evolução do sistema foi feita em 2017, nomeada de NoCaptcha, essa versão não mostra mais nenhum teste para o usuário, basicamente o próprio robô prova que o usuário não é um robô, isso é possível pois é utilizado análise avançada de risco e machine learning. Mas, quando o sistema não consegue identificar se você é ou não um robô, é preciso voltar ao de selecionar imagens. 

 

– Guilherme Garcia

 

Publicações Relacionadas

Publicações Recentes