Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

Campus da UFSM de Palmeira das Missões participa de encontro de Jovens Indígenas

Jovens indígenas que estudam em Universidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina se reuniram na última sexta-feira (23) em uma atividade voltada para a juventude indígena da Terra Guarita, localizada no município de Redentora. O evento fez parte da comemoração do Centenário da demarcação da T.I. Guarita.

Durante todo o dia foram realizados debates sobre os desafios e perspectivas dos jovens indígenas na vida acadêmica. Dentre os assuntos abordados, foi destacada a importância de incentivar os jovens a ingressarem na Universidade para se formar em uma profissão e ajudarem no desenvolvimento das comunidades indígenas. Os participantes também realizaram uma exposição e cada acadêmico falou sobre as especificidades do curso escolhido.

campus da UFSM de Palmeira das Missões foi representado pelo acadêmico de Administração, Sidinei Gabriel Cristão e pelo Vice-Diretor do campus, Prof. Adriano Lago, que explicaram como funciona o Processo Seletivo Indígena da Instituição e tiraram as principais dúvidas dos presentes quanto aos cursos ofertados pela UFSM.

Para Sidinei, o evento foi essencial, tanto para ele quanto para a comunidade Kaiangan Terra Indígena do Guarita, para mostrar a importância da Universidade na formação de acadêmicos indígenas. “O evento teve como objetivo levar informações dos próprios acadêmicos indígenas, levando nossas experiências aos demais jovens da comunidade. Falamos como é a nossa vida dentro da universidade, os desafios que temos ao ingressar e durante toda a vida acadêmica, o compromisso que temos com a nossa comunidade no quesito de formação e desenvolvimento e a perspectiva de voltar após a formação”.

O acadêmico ainda frisa a importância do papel da Universidade na formação profissional dos indígenas. “É fundamental a participação direta da Universidade com a comunidade Kaingang, pois um dos principais objetivos da comunidade é incentivar futuros jovens acadêmicos para que tenham pensamento e trabalho coletivo para, assim, transformar a realidade, tudo o que é esperado de um acadêmico indígena”.

O Vice-Diretor do campus, Prof. Adriano Lago, ressalta a oportunidade de ter vivenciado as expectativas e demandas em relação à Educação Superior dos jovens universitários indígenas e seu papel no futuro de seu povo. “Participar das comemorações do centenário da demarcação da Terra Indígena Guarita e em especial, ouvir trajetórias de educadores indígenas, as conquistas e desafios vinculados a educação foi uma experiência gratificante. Hoje, as oportunidades conquistadas através do acesso ao Ensino Superior por parte de diversos jovens indígenas, carregam o desafio e a responsabilidade dos mesmos para com o futuro do seu povo e esse foi o tom das falas das lideranças indígenas e dos jovens universitários”.

Fonte:: Assessoria de Comunicação UFSM-PM