Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

​PDI: de cinco para dez anos

A elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFSM apresenta novos desafios nesta edição. Isto porque, a partir de agora, o documento terá vigência de dez anos, e não mais de cinco, como anteriormente.

Uma visão de longo prazo, segundo o pró-reitor adjunto de Planejamento da UFSM, Joeder Soares, fortalece a visualização do caminho a ser percorrido por uma instituição.

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) também seguiu esta proposta em seu plano, que está em fase de finalização. Segundo o pró-reitor de Planejamento da UFRGS, Ário Zimmermann, planejar para o período de dez anos, ao mesmo tempo em que gera incertezas, garante a continuidade dos trabalhos de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidos na Universidade.

O Plano Nacional da Educação (PNE) já seguiu neste caminho. Implementado em 2014, o atual documento valerá até 2024.

Além dos exemplos do PNE e da UFRGS, o tema também vem sendo discutido no Fórum de Pró-Reitores de Planejamento das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes). “Um plano com prazo maior, portanto, está alinhado com o que vem sendo discutido no âmbito da educação”, comenta Soares.

Definir uma visão para um período mais longo ajuda a caracterizar o PDI como um “Plano de estado”, e não como “Plano de governo”. “O PDI é o documento da Instituição como um todo, e não o plano de uma gestão que assume a Reitoria. O distanciamento dos prazos ajuda a separar os dois instrumentos, que cumprem propósitos diferentes”, explica o pró-reitor adjunto.

Os desafios enfrentados na elaboração do PDI 2016-2026 na UFSM são aprimorar o método de planejamento e transformar o horizonte que parece abstrato em ações concretas, que tenham a capacidade de dar direção ao caminho a ser percorrido, sem restringi-lo demasiadamente. Além disso, será importante acompanhar os resultados obtidos, bem como realinhar os planos de longo prazo.

Estes também foram os desafios enfrentados na UFRGS durante a construção do seu documento. Para Zimmermann, estimar metas para o período de dez anos foi o maior dos problemas. Nesse sentido, mesmo reconhecendo que os resultados desta primeira experiência são bons, ele comenta que aperfeiçoamentos podem ser feitos.

O PDI pode ser ajustado, caso se perceba que o que foi estabelecido precise ser modificado. “O desafio de elaborar o PDI aumenta, pois é preciso envolver a comunidade de maneira significativa, de forma que as suas diferentes visões e peculiaridades estejam contempladas. É, sem dúvida, um grande desafio e requer esforço adicional de todos”, acrescenta Soares.

Texto: Andressa Motter, acadêmica de Jornalismo, bolsista da Agência de Notícias

Edição: Ricardo Bonfanti

Foto de capa: Arquivo