Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Caderno de Indicadores mostra evolução nos programas de fomento à iniciação científica e tecnológica na UFSM



Um Caderno de Indicadores da Coordenadoria de Iniciação Científica é a mais nova publicação da Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa da UFSM. O documento mostra a consolidação das políticas de pós-graduação, pesquisa e iniciação científica e traduz o sucesso na execução de programas de fomento mantidos pela Universidade e por órgãos externos.

Caderno de Indicadores mostra evolução nos programas de fomento à iniciação científica e tecnológica na UFSM

Um Caderno de Indicadores da Coordenadoria de Iniciação Científica é a mais nova publicação da Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa da UFSM. O documento mostra a consolidação das políticas de pós-graduação, pesquisa e iniciação científica e traduz o sucesso na execução de programas de fomento mantidos pela Universidade e por órgãos externos. O Caderno é uma publicação anual e analisa as demandas de solicitações, as alocações de recursos e serve como base para o planejamento de ações de incentivo à pesquisa na UFSM, para os próximos anos.

Desde janeiro do ano passado, a Coordenadoria de Iniciação Científica passou a ser o órgão responsável pelo gerenciamento dos auxílios financeiros e das bolsas relacionadas com os programas institucionais de iniciação científica e da organização e execução da Jornada Acadêmica Integrada da UFSM, a JAI.

Em 2010 houve um total de 722 bolsas de iniciação científica com concessão externa à UFSM, nos diversos programas do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e da FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do RS). Nos programas internos da UFSM foram 405 bolsas. Houve uma evolução em relação ao número de bolsas e auxílios disponibilizados aos professores da UFSM entre 2009 e 2010.

Esses incrementos observados foram reflexos dos novos programas de iniciação científica implementados em 2010 pelo CNPq e FAPERGS, bem como as novas concessões nos programas já existentes. Também foi criado no ano passado pela UFSM um programa novo de iniciação científica – o REUNI – e novas concessões nos demais já em execução. No total, foram 266 novas concessões, entre auxílios e bolsas, configurando um aumento global em torno de 31% quando comparado com o ano de 2009. Esse incremento vem acompanhando o crescimento linear no número de docentes doutores contratados pela UFSM, que foi de 6% entre 2009 e 2010.

Pelo acompanhamento realizado durante o ano de 2010, o Caderno de Indicadores identifica que 486 docentes da UFSM foram contemplados nos diversos programas e editais com algum fomento relacionado à iniciação científica e iniciação tecnológica.

PROGRAMAS DA UFSM

A UFSM mantém os seguintes programas próprios: Fundo de Incentivo à Pesquisa (FIPE), Fundo de Incentivo à Inovação Tecnológica (FIT), Programa Especial de Incentivo à Pesquisa ao Servidor Mestre (PEISM) e Programa REUNI de Bolsas de Iniciação Científica.

Fundo de Incentivo à Pesquisa (FIPE)

O Fundo de Incentivo à Pesquisa foi crido pra incentivar pesquisadores que tenham dificuldades em obter recursos junto às agências financiadoras tradicionais. Os recursos do FIPE foram repassados pelos Centros de Ensino à comunidade científica de acordo com editais que estabeleceram três programas de fomento: Auxílio à pesquisa de recém-doutores (Enxoval), FIPE Júnior e FIPE Sênior.

Em 2010 houve a contratação de novos 58 doutores pela UFSM – 52 deles com titulação obtida após 2006. Esse número de jovens doutores da Universidade ainda corresponde a uma fração muito significativa do corpo de doutores e, por isto, requer investimento para sua fixação, para motivação à pesquisa e para que, a partir disso, possa ter a perspectiva de participar em programas de pós-graduação.

O Caderno de Indicadores salienta que o número de professores doutores a serem contratados em 2011 aumentará esta relação, pois vários foram os concursos públicos realizados que aguardam liberação para contratação efetiva destes novos doutores para o quadro geral da UFSM.

Com o aumento do corpo docente em função do REUNI e do Programa de Apoio à Pós-graduação e Pesquisa, a Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa da UFSM projeta que é necessário manter para os próximos três anos a atual política de apoio preferencial aos jovens docentes doutores, com até cinco anos de formação.

O diagnóstico também mostrou que a produção científica indexada de nível internacional (Web of Science) da UFSM aumentou significativamente a partir de 2007, acompanhando proporcionalmente o aumento no número de contratações de professores doutores. Os dados, além de justificarem o crescimento expressivo no número de programas de pós-graduação na UFSM, também mostram o grande potencial que existe à pesquisa qualificada. Isto sugere a continuidade de uma política de fomento à pesquisa, com vistas a consolidar os programas de pós-graduação existentes e criar condições para novos programas.

Fundo de Incentivo à Inovação Tecnológica (FIT)

O Fundo de Incentivo à Inovação Tecnológica (FIT) tem por finalidade dar apoio financeiro e, prioritariamente, bolsas como contrapartida ao Programa PIBITI do CNPq. A Universidade abriu edital para concessão de Auxílio Integrado à Inovação Tecnológica, composto de bolsa de iniciação à inovação tecnológica (BIT) e auxílio à inovação. Outros editais abriram inscrições para concessão de bolsas de iniciação à inovação tecnológica Júnior (BIT Jr), que permitiram a cada docente solicitar uma bolsa destinada a alunos de ensino médio ou pós-médio da UFSM.

Impacto nos pedidos de proteção

Nesses anos em que a Universidade foi contemplada com bolsas do Programa PIBITI (2008 a 2010) e implementou o programa institucional FIT (2009) houve um número de 29 solicitações de registros de patente no Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia (NIT) da UFSM. Além disso, houve licenciamentos com e sem proteção de Propriedade Intelectual, tanto para patentes quanto para softwares e parcerias com outras instituições, evidenciando o perfil da UFSM no que se refere a desenvolvimento tecnológico e inovação.

Os dados evidenciam que tanto o PIBIT quanto o FIT foram programas incentivadores para a área tecnológica, destinando recursos para a pesquisa voltada à tecnologia e inovação de serviços e produtos, voltados à proteção e registro de patentes.

Programa Especial de Incentivo à Pesquisa ao Servidor Mestre (PEISM)

O Programa PEISM também está vinculado à Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa e viabiliza o financiamento de servidores mestres com menos de cinco anos de titulação ou em período de estágio probatório na UFSM. O objetivo é que sejam motivados à pesquisa e à formação em nível de doutorado, tornando-se candidatos para ingresso futuro em programas de pós-graduação para contribuição efetiva na geração de pesquisa. O programa concede bolsas de iniciação científica ou auxílio à pesquisa para o professor mestre.

O acompanhamento realizado pela Coordenadoria de Iniciação Científica da PRPGP/UFSM neste programa detectou que o principal objetivo do mesmo está sendo atendido, pois houve um aumento linear crescente no número e no percentual de docentes mestres contemplados pelo programa.

Programa REUNI de Bolsas de Iniciação Científica

O Programa REUNI de Bolsas de Iniciação Científica foi criado em 2010 com o propósito de atendimento aos docentes doutores da UFSM com contratação a partir de janeiro de 2005 que não sejam detentores de bolsa de produtividade e de desenvolvimento tecnológico do CNPq e que não estavam contemplados em nenhum outro edital envolvendo iniciação científica e/ou tecnológica da instituição.

Em um diagnóstico realizado em abril do ano passado, foram identificados 200 professores doutores nessa condição na UFSM. O número é considerado expressivo.

O centro de ensino com maior número de contemplados foi o CESNORS (Centro de Ensino Superior do Norte do RS – Frederico Westphalen e Palmeira das Missões). Isso é um reflexo da contratação de docentes doutores nos últimos quatro anos, quando da implantação do programa de expansão (REUNI) da UFSM.

A Pró-reitoria acredita que, com a reedição deste edital em 2011, haverá aumento de novas concessões, principalmente no Centro de Educação onde, em 2010, houve a maior contratação de professores doutores.

PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM CONCESSÕES EXTERNAS À UFSM

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – Ações Afirmativas (PIBIC-AF)

O relatório do Caderno de Indicadores mostra que em 2010 foram indicados a estes programas 321 bolsistas. 33% deles são acadêmicos que tiveram seu ingresso na UFSM mediante a política de cotas. A avaliação é que o número de bolsas destinado pelo CNPq a este programa está muito aquém da demanda real apresentada pelos alunos bolsistas da universidade, com um déficit de 86 bolsas.

As atividades dos bolsistas são avaliadas pelos orientadores e mostram um alto índice de aproveitamento: acima de 90%. Foi identificada uma efetiva participação de bolsistas como autores ou co-autores em artigos publicados em revistas indexadas nacionalmente e internacionalmente. Este tipo de atividade faz parte do treinamento e capacitação dos bolsistas na área científica, o que permite a migração pra cursos de mestrado nas diversas áreas do conhecimento.

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – Ensino Médio (PIBIC–EM)

Em 2010, o CNPq lançou para as instituições de ensino superior o programa institucional PIBIC-EM. A UFSM foi contemplada com 51 bolsas nesta categoria e cinco escolas se vincularam ao programa, incluindo os três colégios da instituição (Politécnico, Industrial e o Agrícola de Frederico Westphalen).

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI-CNPq)

O programa teve um índice positivo de aproveitamento por parte dos bolsistas, mas a Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa considera que o número total de 40 bolsas destinadas pelo CNPq não atende à demanda apresentada pelos professores da instituição.

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PROBIC/FAPERGS

Em 2010 a Fundação de Amparo à Pesquisa do RS lançou o programa institucional PROBIC para as instituições de ensino superior do Estado e a UFSM foi contemplada com 120 bolsas nesta categoria.

NOVOS EDITAIS ABERTOS

O coordenador de Iniciação Científica da Universidade, prof. Alessandro Dal’Col Lúcio, destaca a importância de refletir sobre estes dados que integram o Caderno de Indicadores, no momento em que a Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa lança sete editais internos para concessão de bolsas de Iniciação Científica e Inovação Tecnológica para o ano de 2011. As inscrições podem ser feitas até o próximo dia 25 deste mês de março, no Portal do Professor – http://portal.ufsm.br/professor/login.jsp

Os editais lançados são os seguintes:

Fundo de Incentivo à Pesquisa (Fipe)

– Edital 07/2011 – Fipe Enxoval;

– Edital 08/2011 – Fipe Júnior;

– Edital 09/2011 – Fipe Sênior.

Programa Especial de Incentivo à Pesquisa para o Servidor Mestre (PEIPSM)

– Edital 11/2011.

Fundo de Incentivo à Inovação Tecnológica (FIT)

– Edital 12/2011 – Bolsa de Inovação Tecnológica (BIT);

– Edital 13/2011 – BIT Júnior.

Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni)

– Edital 14/2011 – Programa Reuni de Bolsas de Iniciação Científica.

Os editais estão disponíveis na página da PRPGP – www.ufsm.br/prpgp no link “Editais”. Nesta página, também está disponibilizado aos interessados um tutorial que demonstra como deve ser feita a solicitação de bolsas.

Mais informações pelo telefone (55) 3220-8082.





Publicações Recentes