Ir para o conteúdo Projeto Lazos América Latina Ir para o menu Projeto Lazos América Latina Ir para a busca no site Projeto Lazos América Latina Ir para o rodapé Projeto Lazos América Latina
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Sobre o Projeto

Logo_Principal

Resumo

Este projeto objetiva o desenvolvimento de plataformas tecnológicas (game, plataforma de comunidades e aplicativo) que proporcionem a identificação, o mapeamento e a análise das práticas comunicacionais em regiões rurais da América Latina, a partir de políticas públicas coordenadas pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação. Os produtos são demandas de entidades de fomento e propulsoras do desenvolvimento em escala mundial. Diagnosticou-se a necessidade a partir de relatos de profissionais de comunicação dessas entidades, especificamente pela dificuldade no desenvolvimento de pesquisas em diversos países com culturas variadas, sociais e produtivas. A proposta inovadora ancora-se na analogia de redes, visto que tais entidades se estruturam em fluxos institucionais e técnico-profissionais, os quais poderiam alimentar softwares de dados, neste caso o Nvivo, a partir do aplicativo, usado de forma descentralizada nos diversos países.

Objetivos

Este projeto objetiva o desenvolvimento de plataformas tecnológicas (game, plataforma de comunidades e aplicativo) que proporcionem a identificação, o mapeamento e a análise das práticas comunicacionais em regiões rurais da América Latina, tendo como base o projeto “Mais Algodão”, coordenado pela FAO/Chile, em países da América Latina.

Justificativa

O projeto justifica-se pela demanda crescente do reconhecimento das práticas e saberes locais a fim de desenvolver políticas públicas e projetos de desenvolvimento territoriais geridos pelas comunidades e levando em conta as particularidades culturais. O difusionismo, enquanto modelo de comunicação para o desenvolvimento, é substituído pelo modelo de comunicacional. Apesar de (re)sistir em outros formatos, o difusionismo é arcaico enquanto diretriz norteadora de processos para o desenvolvimento, pois desconsidera elementos fundamentais relativos ao processo de emancipação e sustentabilidade dos territórios. Por outro lado, as práticas difusionistas (não o modelo) se perpetuam e passam a configurar uma fase instauradora do modelo de comunicação. Esta fase com características difusionistas, exerce função de disponibilidade e acessibilidade de informações para a formação, capacitação e mobilização dos indivíduos como sujeitos comunicantes no desenvolvimento. O modelo de comunicação não se trata apenas de um método de diagnóstico caracterizado pela participação. Pois permeia todos os agentes envolvidos no processo de desenvolvimento, para além do relacionamento pontual na divulgação de políticas públicas ou levantamento de dados. Adotar o método de comunicação em instituições e processos e adotar uma postura democrática para o desenvolvimento. O maior desafio está no deslocamento do protagonismo na definição das demandas-problemáticas e de técnicas-estratégias, ou seja, as diretrizes do processo de desenvolvimento territorial são indicadas pelas comunidades e não impostas pelas instituições governamentais ou de fomento. Tais instituições tem o papel de apreender as demandas e viabilizar estrategicamente as proposições em sua diversidade. Por esse motivo, acreditamos em uma proposta que visa atender novas metodologias voltadas à extensão rural, no sentido de inserir, a partir de aplicativos, um mapeamento de redes de relacionamentos dos atores sócias no que tange à espaços de participação social. Em especial, no meio rural, esse mapeamento irá ajudar na criação de “alertas”, ou seja, entender que regiões precisam de atenção especial para implementação de políticas públicas e mensuração dos resultados das mesmas.

Resultados Esperados

Os resultados da proposta são potenciais para o aperfeiçoamento e disseminação do conhecimento acerca da relação entre TICs e a noção de pertencimento dos sujeitos em relação a políticas públicas na América Latina. Este avanço contribui tanto para o campo acadêmico como para o contexto social em que será desenvolvida a pesquisa, visto que visamos a integração continuada entre universidade e comunidades, de forma a alargar as relações e as trocas em busca do desenvolvimento territorial e da comunicação para o desenvolvimento, tema da FAO. Este convívio aliado à construção conjunta de conhecimento e a sua disseminação pode contribuir aos diagnósticos da realidade rural na estruturação de seus planos de desenvolvimento, especialmente na promoção de políticas públicas ligadas diretamente à problemática proposta. Além dos benefícios em termos de conhecimento científico, entendemos que o desenvolvimento da proposta e os resultados que alcançará qualificará a formação de recursos humanos em todos os níveis de ensino, visto que a equipe de pesquisa será integrada por acadêmicos de iniciação científica, mestrandos, doutores com titulação a menos de cinco ano, doutores com ampla experiência em pesquisa acerca do tema. Estima-se que os resultados sejam amplamente discutidos e apropriados para futuras pesquisas com intencionalidades diferentes, mas complementares.