Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

Em reunião com a imprensa, reitor faz pré-lançamento do Relatório de Gestão 2014-2017

Cerca de vinte profissionais da imprensa santa-mariense foram recebidos no Gabinete do Reitor da UFSM, Paulo Afonso Burmann, na manhã desta quinta-feira (19), para o pré-lançamento do Relatório de Gestão 2014-2017. O documento, distribuído entre os profissionais, sintetiza os eixos de atuação e os principais resultados obtidos pela Universidade no período de 2014 a 2017 – primeira gestão de Burmann à frente da Reitoria da UFSM, juntamente com o professor Paulo Bayard Gonçalves.

Ao iniciar a apresentação do Relatório, o reitor enfatizou o crescimento alcançado pela Universidade nos últimos anos mesmo diante dos constantes cortes e contingenciamentos orçamentários. A melhoria dos indicadores quantitativos e qualitativos, associada ao avanço da UFSM em diversos rankings nacionais e internacionais foram apontados por Burmann como evidências do comprometimento da gestão e da comunidade universitária com a instituição. “Em um cenário de crise, a universidade cresceu e continua crescendo. Nossos indicadores demonstram esse crescimento contínuo e progressivo, resultado de um processo de gestão aberto ao diálogo e às contribuições da comunidade”, avalia.

Entre os principais pontos do Relatório de Gestão, o reitor destacou os resultados positivos na ocupação de vagas pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) – que alcançou, em 2017, o índice de 96% – e os esforços da gestão para a manutenção das políticas de Assistência Estudantil, como estratégia para a permanência dos estudantes na Universidade. “A Assistência Estudantil na UFSM nasceu junto com a Universidade, por iniciativa do reitor Mariano. Hoje é um dos sistemas mais completos e complexos do Brasil”, afirmou Burmann.

A finalização e os novos investimentos em obras também foram destacados pelo reitor. Diante dos dados apresentados no Relatório, que evidenciam, principalmente desde 2014, o avanço contínuo na metragem quadrada de área construída em contraste à redução do orçamento de capital, o reitor expôs as dificuldades que se apresentam para o ano de 2018, com a mudança no processo de liberação do orçamento para as Universidade Federais pelo Ministério da Educação – cerca de 70% do orçamento de Capital está retido no MEC, sendo liberado mediante a negociação de projetos). “Nossa meta é que mantenhamos em 2018 a mesma proporção de crescimento. Esperamos que o orçamento acompanhe”.

Em relação ao campus de Cachoeira do Sul, Burmann lembrou que, dos R$ 129 milhões pactuados com o MEC, somente R$ 10 milhões foram repassados à Universidade. Mesmo assim, as obras no campus foram mantidas com recursos próprios garantindo que, até o final do próximo mês de maio, sejam inaugurados os dois primeiros prédios de sala de aula no novo campus. Além das restrições orçamentárias, contudo, a unidade da UFSM em Cachoeira do Sul ainda carece de servidores: dos mais de cem docentes necessários para o funcionamento das atividades no campus, atualmente a universidade conta com 64 profissionais: “Os estudantes estão chegando, mas ainda não temos perspectivas de alcançar o número ideal de docentes e técnico-administrativos para atendê-los”.

Na área da inovação, o destaque foi para a Agência de Inovação e Transferência de Tecnologia (Agittec), criada em 2015. Considerada um marco histórico na Universidade, a agência foi responsável por alavancar a UFSM em rankings de empreendedorismo, além de contribuir para a transferência da tecnologia produzida no campus. O desenvolvimento de projetos de inovação e tecnologia em parceria com as Forças Armadas e a iniciativa privada também foi ressaltada pelo reitor, que assegurou que “as parcerias público-privadas de forma alguma comprometem o caráter público da Universidade”.

Em contraponto aos investimentos na área da tecnologia, Burmann destacou também os avanços em projetos junto à comunidade, principalmente pelo diálogo constante com os movimentos sociais. O reitor enfatizou o papel do Hospital Universitário (HUSM) e a importância dos esforços para a abertura do Hospital Regional. Ainda lembrou do programa para inclusão de migrantes e refugiados que acolhe, hoje, 42 estudantes oriundos de diversos países castigados por conflitos e tragédias humanitárias e que foi reconhecido internacionalmente pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O Relatório de Gestão 2014-2017 será lançado oficialmente em evento direcionado à comunidade acadêmica no dia 2 de maio, quando o documento será disponibilizado, também, em formato digital. Na ocasião, os professores Paulo Afonso Burmann e Luciano Schuch farão a apresentação do Plano de Gestão para o período 2018-2021.