Ir para o conteúdo CAL Ir para o menu CAL Ir para a busca no site CAL Ir para o rodapé CAL
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Teatro Caixa Preta comemora hoje seus 30 anos



20111107 093444 foto2 041111 memoria

 

Ao chegar no Brasil, após dois anos de estudos nos Estados Unidos, entre 1978 e 1980, o professor do departamento de Artes Cênicas, Irion Nolasco, trouxe consigo para o interior do Rio Grande do Sul uma ideia inovadora. Essa ideia consistia na criação de uma sala de teatro nos moldes que se popularizam entre 1960 e 1970, eram as chamadas Black Box ou Caixas Pretas.

 

Foi então, que em 1980, Beatriz Pippi, Maria Lúcia Raimundo e Irion Nolasco, que compunham o departamento de Artes Cênicas da UFSM, iniciavam o utópico projeto de construir o primeiro espaço teatral dessa natureza no Rio Grande do Sul. E foi em 1988, com protagonismo de Inês Marocco, Paulo Márcio Pereira, Nair Dagostini, Elisabeth da Silva Lopez, Beatriz Pippi e Edir Bizognin e Berenice Gorini das Artes Visuais, que o teatro Caixa Preta inaugurou.

 

atrolino1

Personagem Atrolino criado pelo professor Máucio Rodrigues do departamento

de Desenho Industrial – na época estudante – para ajudar na campanha

de construção do Caixa Preta. (Ilustração: arquivo pessoal)

 

Hoje essa data completa exatos 30 anos. Após muitos esforços por parte do departamento de Artes Cênicas e do Centro de Artes e Letras, em 1988 a UFSM abrigava em seu território um espaço para apresentação de espetáculos locais, nacionais e internacionais. Para os estudantes do CAL se tornou um espaço onde se pode construir e criar, que rompe as paredes das salas de aula e permite colocar em prática o que se aprende dentro delas. “O Caixa Preta tem importância regional, é referência em santa Maria, principalmente como um teatro que não é convencional. É um teatro moldável, o que facilita muito pra questão de composição de espetáculos contemporâneos. Então pra gente que estuda teatro ter um espaço que a gente pode modelar, fazer acontecer mesmo, é muito legal” conta Sidney Júnior, estudante do terceiro semestre de Teatro.

 

 

20111107 093321 foto1 041111 memoria

Caixa Preta em construção (Fotos: acervo UFSM)

 

Atualmente, o teatro possui três bolsistas que auxiliam na sua organização e realização de espetáculos e tem em sua direção os professores Daniel Plá e Raquel Guerra do departamento de Artes Cênicas. Para o ano de 2018, a intenção dos diretores é fazer esforços para uma arrecadação de fundos que serão investidas em melhorias no teatro.

 

De acordo com Raquel, a ideia é pensar o Caixa Preta como um espaço cultural público e para o ano a intenção é que se encontrem parcerias internas e externas, que possam ajudar o teatro a se manter. “A gente tem como ideia futura de prospecção duas frentes de produção cultural pro espaço. Uma delas é os colaboradores internos, porque é um espaço público, está dentro da universidade, dentro do CAL, então a universidade como instituição tem que garantir a manutenção do espaço. Aí a gente tem também uma ideia de fomento externo. Digamos que enquanto prospecção são esses movimentos que a gente pretende fazer, inicialmente, como formas de obter apoio” aponta a professora.

 

O que são as Black Box ou Caixas Pretas?

 

Estilo iniciado em 1920, na Europa, a Black Box era também conhecida como teatro experimental, já que buscava uma aproximação do público com a ação do palco. Outra particularidade, é que os assentos podiam ser trocados de lugar, o que dava para os produtores a liberdade de criarem efeitos e ações em maior contato com o público.

 


Publicações Recentes