Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Marcia Barbosa fala sobre o “efeito tesoura” que atinge mulheres na ciência

Ingressou na graduação de Física em uma turma com 40 alunos. Destes, apenas quatro eram mulheres, ela mais três. Porém, destas mulheres, apenas ela se formou. Algum tempo depois, participou do Comitê Assessor de Física e Astronomia do CNPq, onde era a única mulher; foi também a primeira mulher a coordenar este comitê.

Esta é a trajetória sumária de Marcia Barbosa, professora, pesquisadora e diretora do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Uma história de pioneirismo que lhe trouxe uma preocupação: “Por que tão poucas mulheres na ciência?” Tal inquietação levou Marcia a representar o Brasil na “1ª Conferência Internacional de Mulheres na Física”, realizada em Paris, no ano de 2002. Um evento que reuniu mulheres de diversos países para discutir o porquê de tão poucas mulheres na Física e o que poderia ser feito para mudar aquela situação.

As descobertas levadas e discutidas naquele evento, foram trazidas à UFSM nesta terça (22), na palestra “Mulheres na ciência: Por que tão poucas? Por que tão lentamente?” Uma conversa sobre os números, quando o assunto é mulheres na Física, o que já foi feito para facilitar sua continuidade na pesquisa e o que ainda há para fazer.

Com gráficos que mostram a permanência de mulheres na Física, como bolsas para pesquisa, desde a graduação até o doutorado, em comparação com homens nas mesmas condições, a pesquisadora levou alunos, servidores docentes e técnico-administrativos da UFSM a pensar sobre o “efeito tesoura”- diminuição do número de mulheres nos níveis mais elevados da carreira, e o quanto isso é um problema mundial. Para a solução destes problemas “a palavra-chave é juntos”, diz Marcia sobre o que é possível fazermos.

A palestra “Mulheres na ciência: Por que tão poucas? Por que tão lentamente? Faz parte da programação do mês da mulher no CCNE e foi uma promoção do Centro de Ciências Naturais e Exatas e do Centro de Tecnologia.

 

Texto elaborado por Camila Jardim – Núcleo de Divulgação Institucional do CCNE