Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

A Maternidade na Ciência será tema de discussão em evento na UFSM, em 24 de agosto

A constituição de uma família é um desejo, para muitos, natural, estando qualquer pessoa sujeita à essa vontade. Muitos desejam ter o primeiro filho após considerar que sua vida está estável em alguns de seus aspectos, principalmente o pessoal e o profissional. Mas e quando a rotina da vida profissional e as suas demandas aparecem como um obstáculo para a materialização desse sonho? Esta pergunta foi levantada pelo grupo Parent in Science (Pais na Ciência), formado por mães e um pai cientistas, que estavam preocupados pela ausência do debate sobre a maternidade no universo científico, no panorama da ciência do Brasil. Desde 2017, o grupo realizou pesquisas levantando dados sobre a maternidade e a ciência e desenvolveu encontros em diversas universidades do país.

Na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o evento temático sobre maternidade na ciência tem como intuito discutir as diferentes características e perspectivas de ser mãe e pai durante a vida acadêmica, tais como a redução da produção científica, o conciliamento entre a profissão e filhos e também as licenças-maternidade e paternidade, visto que mulheres, após a gravidez, podem ficar até quatro meses afastadas da carreira, enquanto os homens têm apenas o direito a vinte dias de licença-paternidade.

O debate será conduzido pela  bióloga Fernanda Staniscuaski, pós-doutora em Ciências Biológicas, professora adjunta do Departamento de Biologia Molecular e Biotecnologia da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e mãe de 3 filhos e pelo biólogo Felipe Ricachenevsky, que foi pós-doutorando do Laboratório de Fisiologia Vegetal da UFRGS e atualmente é professor do Departamento de Biologia da UFSM e pai de uma filha. Ambos os professores são membros do grupo Parent in Science.

 

 

Foto: Fernanda Staniscuaski

 

Sobre ser mãe e professora, Fernanda comenta uma das dificuldades de sua trajetória pessoal:  “Um dos maiores impactos de ser mãe durante a carreira científica é a dedicação exclusiva aos filhos. Durante o primeiro ano de vida do meu primeiro filho, eu não consegui me dedicar à ciência. Quando voltei à vida profissional, me sentia aquém, pois fiquei dois anos sem publicar.”

Acesse Palestra Maternidade na Ciência – Parent in Science e confirme a sua participação.  

Data: 24/08

Horário: 14h

Local: Auditório do INPE