Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Conheça Leonardo Kerber: um expoente no estudo paleontológico

Leonardo Kerber, coordenador do CAPPA/UFSM.

Leonardo Kerber possui uma extensa formação antes de ingressar na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), em 2016, através de concurso público e ocupar o cargo de Técnico Administrativo em Educação (TAE). É Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul (PUCRS-2008), Mestre em Geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS-2011) e Doutor em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Geociências da (UFRGS-2014). Em seu pós-doutorado, Leonardo foi pesquisador na Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul entre 2014 e 2015 e pesquisador de Pós-Doutorado na University of Zurich durante o início de 2016.

Desde 2018, Leonardo é Coordenador do Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica da Quarta Colônia (CAPPA), órgão suplementar da UFSM, onde também exerce o seu cargo como técnico administrativo. O trabalho como biólogo/paleontólogo do CAPPA engloba atividades tais como a coleta de fósseis, publicações científicas e divulgação dos resultados.

Para Leonardo, exercer a sua função como biólogo/paleontólogo faz surgir grandes responsabilidades em sua trajetória como educador/pesquisador, tais como a de coordenar os projetos dos estudantes e fornecer o apoio necessário para a estruturação de suas pesquisas e de contribuir para o desenvolvimento da instituição no escopo científico. Além disso, para o coordenador, “há uma responsabilidade em contribuir com o desenvolvimento da universidade no meio científico paleontológico, para que esta venha a se tornar uma instituição reconhecida nessa área do conhecimento, desenvolvendo pesquisa com excelência.”

A proximidade com os colegas do CAPPA/UFSM e também os estudantes corroboram para pensar o futuro da ciência que é, sem dúvidas, um desafio em tempos atuais, uma vez que uma das principais dificuldades para aqueles que trabalham com pesquisa é a captação de recursos. Entretanto, Leonardo destaca que a  jornada na pesquisa também é rica em recompensas, quando por exemplo ele consegue ver o progresso do trabalho, a evolução dos estudantes ao longo do tempo, o enriquecimento das técnicas e os resultados publicados em artigos científicos.

Como coordenador do CAPPA e pesquisador, Leonardo possui grandes expectativas para o seu futuro dentro do âmbito universitário. “Espero que, no futuro, eu possa olhar para trás e ver os resultados do trabalho que estamos realizando. Que a estrutura que estamos construindo seja mantida, que consigamos continuar formando recursos humanos e que a importância da ciência seja reconhecida pela sociedade”, comentou.

 

Texto por: J. Antônio de Souza Buere, acadêmico de Comunicação Social – Produção Editorial e bolsista do Núcleo de Divulgação Institucional do CCNE

Edição: Wellington Gonçalves, relações públicas do Núcleo de Divulgação Institucional do CCNE