Ir para o conteúdo CCNE Ir para o menu CCNE Ir para a busca no site CCNE Ir para o rodapé CCNE
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Aprendendo a ensinar: programa de iniciação à docência e as verdadeiras dimensões do que é ser professor



A docência vai além de dominar o conteúdo conceitual de uma disciplina. Envolve dominar conteúdos conceituais acerca do público com quem se vai trabalhar, como lidar psicologicamente com essas pessoas, como gerir uma sala de aula, como organizar sua ação didática, como planejar e avaliar, e tudo isso se aprende num curso de licenciatura. O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) oportuniza aos alunos colocar todos esses conteúdos em prática e entender as verdadeiras dimensões do que é ser professor.

O PIBID Física surgiu em 2009, com oito bolsistas e quatro escolas parceiras. Hoje, o programa conta com 24 bolsistas, mas o número de escolas parceiras caiu para três. Na universidade, os grupos trabalham realizando reuniões semanais, uma específica para cada escola, nas quais eles planejam as atividades, e uma reunião geral por mês, na qual cada grupo apresenta suas produções para os colegas. Nas escolas, eles trabalham utilizando simulações, obtenção de dados experimentais e utilização de ferramentas gráficas para analisá-los, e trabalham com leituras de texto – de divulgação científica, entre outros. As atividades estão vinculadas às demandas dos professores. “O professor, por exemplo, precisa de uma lista de exercícios. Os alunos fazem aqui, e ajudam a tirar dúvidas lá na escola. Precisa, por exemplo, de ajuda para alunos que estão envolvidos com questões do ENEM. Baseia-se uma atividade com questões do ENEM e faz-se oficinas aqui na UFSM e depois implementa-se ela nas escolas.” Explicou Inés Prieto, coordenadora do PIBID.

De acordo com Inés a existência do Programa se dá com o propósito de mostrar aos estudantes de licenciatura o trabalho que irão realizar nas escolas, após se formarem. “Esse programa existe um pouco para fixar o aluno na escolha dele. Mostrar: ‘olha, isso é o que nós temos aqui, temos incentivo, como é a escola, conheça as escolas, conheça os alunos do ensino médio, desenvolva atividades com eles’, então é um pouco para chamar o aluno que escolheu uma licenciatura para entrar em contato direto com seu futuro ambiente de trabalho.”

O novo edital do PIBID dita que apenas estudantes que tenham concluído até 60% do curso sejam permitidos para ingressar no Programa, e aí mora uma das maiores dificuldades do projeto: muitos desses alunos ainda não chegaram na etapa do curso onde se discute como organizar uma tarefa didática. “Tem um monte de coisas que [o estudante] precisa dominar para ensinar algo a alguém. Quando se ensina alguma coisa a alguém, é diferente de quando você aprende. Quando você aprende para si, você cria um esquema, domina o seu próprio esquema e está pronto pra você. Agora, quando você vai ensinar algo pra alguém, você precisa imaginar como organizar aquilo que você sabe para alcançar seu interlocutor.” É necessário se colocar no lugar do seu interlocutor, de forma a entender que ele, provavelmente, não possui a mesma base que você. “Por isso que eu digo que a tarefa docente é uma tarefa complexa”, finalizou Inés.


Publicações Recentes