Ir para o conteúdo CCR Ir para o menu CCR Ir para a busca no site CCR Ir para o rodapé CCR
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita

Aviso de Conectividade Saber Mais

Início do conteúdo

Unidade de Apoio Pedagógico – UAP

Sobre a UAP

É um órgão setorial do CCR, que assessora a Direção, as Coordenações, os professores, os técnico administrativos e os estudantes nas questões didático- pedagógicas.

Unidade de Apoio Pedagógico do Centro de Ciências Rurais foi instalada no dia 21 de janeiro de 1976, através de acordo da Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior/Departamento de Assuntos Universitários (ABEAS/DAU), sendo a primeira unidade a existir no Brasil, a nível de Centro, com o objetivo de promover o melhoramento constante do ensino e da aprendizagem, dentro de uma perspectiva de busca de integração do processo educativo com a realidade dos cursos de Ciências Agrárias. A partir de 1º de outubro de 1993, a UAP/CCR, através de um processo de reestruturação, desvinculou-se do Setor de Audiovisuais, passando a dedicar-se exclusivamente ao aspecto Pedagógico que é a essência do seu trabalho.

Promovemos eventos diversos como: cursos, encontros, reuniões, assessorias aos professores quanto à ação docente e à formação complementar dos estudantes e na capacitação profissional de técnico administrativos. Trabalhamos em quatro focos principais:

Assessoria à Direção do Centro: auxiliar a direção nas questões formativas, colaborando com propostas direcionadas aos docentes, discentes e aos técnicos administrativos.

Coordenadores de Curso de Graduação: auxiliar os coordenadores na discussão, encaminhamento e busca de soluções para os problemas dos cursos, elaborando propostas conjuntas e/ou em separadamente para a melhoria da formação dos cursos.

Na Formação Docente: proporcionar um programa de formação docente para professores iniciantes e também para os demais. Para a efetivação do trabalho, promovemos diversos cursos, encontros, reuniões, entre outras atividades.

Na Formação Discente: realizar encontros formativos nos quais se procura auxiliar os alunos a elaborarem seus projetos de formação, incentivando-os a se comprometerem com o seu desenvolvimento profissional e pessoal. Promover eventos diversos, nos quais os estudantes poderão encontrar uma formação complementar, além do currículo formal.

Notícias
SobreViver à Rotina Acadêmica com Sucesso
    O semestre tá terminando e é hora de deixar rolar as férias, descansar a mente e aliviar o coração.…
Avaliação do Evento
   Já está disponível um formulário de avaliação dos eventos que o Programa de Educação Socioambiental do CCR realiza.  …
A APRENDIZAGEM NA PERSPECTIVA DA NEUROCIÊNCIAS EM MAIO NO CCR!!
Você sabe o que é Neurociência? Sabe que ela pode te ajudar a compreender melhor como funcionam os seus processos…
Certificados
Os certificados dos Seminários realizados pelo Programa de Educação Socioambiental do CCR podem ser obtidos clicando no link abaixo. Certificados
Inscrição
Confira os nossos próximos eventos:   Seja bem-sucedido nos estudos Data: 23/04/2019 Horário: 16h Local: Auditório Flávio Miguel Schneider, prédio 42/CCR Inscrições AQUI
Informações
 Confira nossa programação e agende-se!!        A Unidade de Apoio Pedagógico do Centro de Ciências Rurais, promove o evento Seja…
Projetos

A Unidade também integra outros projetos. Aqui são citados alguns.

  • O desafio da Erosão Cultural alimentar: ações de aprendizado social nas escolas urbanas e rurais da região central do RS (Participante);
  •  Uso de Técnicas de Paisagismo para a Remodelação de Jardins e Educação Socioambiental em Escolas Públicas e Centros Comunitários de Santa Maria (Participante);
  •  I Congresso Latino de Sustentabilidade Socioambiental: espaços rurais e contemporaneidade (Co-orientador);
  • Sistematização das ações de extensão, ensino e pesquisa relacionadas às cultivres de milho crioulo realizadas nos municípios da microrregião Centro-Serra do RS (Participante);
  • Saúde na Perspectiva da Educação Ambiental (Participante);
  • DIA DESOL – Dia Interamericano de Limpeza e cidadania: reflexões para ações ambientais na UFSM (Participante);
  • Programa de Inovações Pedagógicas – Ações Articuladas de Formação continuada de Professores Junto à Rede de Educação básica – PROIPE (Participante);
  • Implantação do Centro vocacional Tecnológico em Agroecologia, Agrobiodiversidade e Sustentabilidade (Participante); 
  • Programa de Manutenção do Núcleo em Agroecologia, Agrobiodiversidade e Sustentabilidade: construção e socialização de conhecimentos e práticas no território da Cidadania Central – RS (Participante);
  • Seminários da Agrobiodiversidade Crioula e Dias de Troca de Sementes Crioulas de Ibarama – RS (Participante);
  • Saúde e Espiritualidade (Autor);
  • Programa de Educação socioambiental Multicentros na UFSM e na comunidade Local e Regional (Co-orientador);
  • Curso de Formação e Desenvolvimento Pessoal e Profissional Docente – Módulo I (Instrutor);
  • Projeto de extensão: Saúde Pública Vinculada às Noções de guarda Responsável “Amigo Animal” (Colaborador); 
  • Curso de Formação e Desenvolvimento Pessoal e Profissional Docente – Módulo II (Instrutor);
Equipe

Diretora da UAP:

  • Pedagoga Dra. Venice Teresinha Grings

Técnicas em Assuntos Educacionais:

  • Ma. Claudia Angelita Antunes Silveira
  • Ma. Janer Cristina Machado

Acadêmicas:

  • Ana Tércia de O. Machado- Acadêmica de Zootecnia;
  • Camila Tavares Paim – Acadêmica da Engenharia Florestal;
  • Mariana Marques Wolf – Acadêmica de Gestão Ambiental.
Cadernos

Objetivo Geral

 Produzir material didático com consistência científica para auxiliar professores e acadêmicos dos cursos das áreas das Ciências Rurais, bem como apoiar professores do ensino médio de colégios agrícolas e politécnicos nos seus estudos e pesquisas bibliográficas, constituindo fonte bibliográfica complementar.

Normas de Elaboração dos Cadernos Didáticos

1. Análise de Textos

            Os professores do Centro de Ciências Rurais, autores de textos destinados a servir de apoio ou de bibliografia complementar às suas disciplinas, poderão submeter seus originais à análise de seus respectivos Departamentos, considerando a publicação na forma de Caderno Didático. O exame dos textos será efetuado segundo critérios definidos pelos próprios Colegiados Departamentais.

2. Entrega de Originais à Comissão Editorial na UAP

2.1. Recomendações Gerais:

    Após o exame do Departamento, os autores deverão encaminhar seus textos à Comissão Editorial da seguinte forma: o caderno deverá ser entregue na forma de texto escrito salvo em .doc, gravado em CD ou pen drive, acompanhado de um memorando do Presidente do Colegiado Departamental, aprovando a obra.

            Os textos devem observar o modelo estrutural que segue:

a.  Capa padronizada;

b.  Título/Autor(es);

c.  Sumário;

d.  Introdução ou Apresentação;

e. Corpo do Texto (a estruturação dos capítulos e as divisões do texto são definidas pelos autores, e são de sua inteira responsabilidade. Sugere-se, no entanto, que, na medida do possível, seja evitada a utilização de grande número de subdivisões, a fim de não confundir o leitor);

f.  Referências Bibliográficas/Bibliografia – seguir normas da ABNT.

2.2. Características Técnicas do Texto:

   O Caderno Didático deverá seguir o número de publicação de forma sequencial (verificar a numeração com a Unidade de Apoio Pedagógico); Os cadernos Coleção Ciências Rurais devem ser impressos com o código ISSN: 1984-6118.

     Os textos encaminhados à Comissão Editorial devem obedecer a determinadas exigências técnicas:

a.  Papel A4 (210X297mm);

b.  Programa/Editor de Texto: Word, em suas versões mais recentes;

c.  Tipo de Letra: Times New Roman ou Arial – usar um tipo de letra que seja de fácil leitura; evitar usar itálico no texto: use somente em termos científicos e palavras estrangeiras;

d.  Corpo/Fonte: 12;

e.  Espaços/Entrelinha: no texto, usar preferencialmente o espaço duplo (2cm) ou um e meio (1,5cm); nas citações até quatro linhas, usar aspas e espaços iguais ao texto; nas que tiverem mais de quatro linhas, usar espaço um (01) e margem à esquerda de quinze (15). O fim de uma seção e o cabeçalho da próxima são separados por espaços extras. Quando uma seção terminar próxima ao fim da página, colocar o cabeçalho da próxima seção na página seguinte;

f.   Margens: superior e esquerda é de 3cm; inferior e direita é de 2cm ou 2,5cm; 

     * Quando o material for impresso em folha frente e verso usar margens espelho.

g.  Paginação: sequencial e ao alto da folha, sendo à direita para as páginas à direita e à esquerda para as páginas à esquerda; deve ser em algarismos arábicos, aparecendo a indicação e contando as páginas a partir do texto. Bibliografia, anexos, apêndices, glossário, índice devem ser incluídos na numeração sequencial das páginas;

h.  Número de páginas: variável entre 50 e 100 páginas (os casos especiais relativos ao número de páginas serão examinados pela Comissão Editorial);

i.   Impressão do texto: em branco e preto;

j.  Revisão de Texto: os autores deverão enviar seus textos devidamente revisados, o que pressupõe a correção linguística e a eliminação de eventuais problemas de digitação;

k.  Ilustrações: as ilustrações devem ser apresentadas, de preferência em preto e branco, constando no texto o local de posicionamento das mesmas, devendo ser citada sua fonte;

l.  Referências Bibliográficas/Bibliografia: as citações e a lista de fontes bibliográficas utilizadas devem seguir as normas da ABNT.

3. Características Gerais da Publicação:

3.1. Os Cadernos Didáticos do CCR terão capa padrão, a ser usada em todos os textos publicados, devendo ser acrescidos em cada capa apenas o título da obra e o nome do(s) autor(es). Na folha de rosto, deve constar o nome do Departamento de origem do(s) autor(es);

3.2. Os Cadernos Didáticos serão produzidos no formato padronizado de 21cm X 30cm. Em casos especiais, com a aprovação do Conselho Editorial, poderá ser adotado o formato alternativo de 15 cm X 21cm;

3.3. Os textos serão impressos em preto e branco;

3.4. A tiragem de cada publicação será definida pela Comissão Editorial, após consulta ao(s) autor(es);

3.5. A título de direitos autorais, serão repassados ao(s) autor(es) 10% da tiragem de cada edição, em exemplares.

 

Observação: O encaminhamento dos Cadernos Didáticos deverá ser feito por meio de CDs, pen-drives ou pelo e-mail uapccr@gmail.com em arquivo.doc, entregues  na Unidade de Apóio Pedagógico, que, após revisão das normas, encaminhará para a Imprensa Universitária.

Para visualizar o modelo dos cadernos didáticos, clique aqui

Os cadernos Coleção Ciências Rurais devem ser impressos com o código ISSN: 1984-6118.

 

Quais são as vantagens de ter um ISSN?

Os editores não são legalmente obrigados a ter um ISSN, mas há muitas vantagens em dispor desse código para suas publicações seriadas:

  • Como o sistema do ISSN é internacional e cada ISSN é único, um ISSN pode identificar uma publicação seriada independentemente de seu idioma ou país de origem, fazendo a distinção entre publicações seriadas com o mesmo nome ou títulos semelhantes;
  • O ISSN é usado onde a informação sobre publicações seriadas necessita ser registrada e comunicada com precisão (ordens de compra, pesquisas em base de dados, etc.);
  • O ISSN proporciona um método eficiente e econômico de comunicação entre editores, fornecedores e compradores de publicações seriadas. Propicia, também, um ponto de acesso útil aos catálogos de editores, diretórios comerciais, inventários automatizados, bibliografias, etc;
  • O ISSN é amplamente usado em bases de dados automatizadas na organização, recuperação e transmissão de dados sobre publicações seriadas;
  • O ISSN é amplamente usado por bibliotecas para identificar, ordenar e processar títulos de publicações seriadas;
  • Publicações que têm ISSN fazem parte dos registros de publicações seriadas mantido pelo Centro Internacional do ISSN, em Paris.

 

Para adquirir os cadernos didáticos, é necessário gerar uma GRU obtida na UAP.

Informes

 

A Direção do CCR por intermédio da UAP publicará, de acordo com a demanda e a disponibilidade de recursos, os Informes Técnicos de Extensão do CCR.

O Informe Técnico visa difundir a tecnologia gerada pela pesquisa no CCR, contribuir para o desenvolvimento socioeconômico da região e estimular ações integradas de pesquisa e de extensão.

Constituem o público-alvo:

  • Técnicos dos Escritórios Municipais e Regional da EMATER;
  • Técnicos das Secretarias Municipais de Agropecuária da Região;
  • Técnicos dos Escritórios de Assistência Técnica Privada, Cooperativas, Empresas Produtoras e Comercializadoras de Insumos Agrícolas e de Produtores da Região.
Normas de informes técnicos

O Informe Técnico constitui uma publicação autorizada pela Direção do Centro de Ciências Rurais, com vistas à difusão da tecnologia gerada pela pesquisa na unidade, contribuindo assim para o desenvolvimento socioeconômico da região e estimulando ações integradas de pesquisa e de extensão.

Os informes são publicados de acordo com a demanda e a disponibilidade de recursos, tendo como público-alvo os Técnicos dos Escritórios Municipais e Regional da EMATER; Técnicos das Secretarias Municipais de Agropecuária da Região e Técnicos dos Escritórios de Assistência Técnica Privada, Cooperativas, Empresas Produtoras e Comercializadoras de Insumos Agrícolas e de Produtores da Região.

Podem ser autores nos informes técnicos servidores (docentes ou técnico-administrativos em educação) e discentes de graduação e pós-graduação, sendo que, obrigatoriamente, deve figurar o nome de um servidor na autoria da publicação, preferencialmente o orientador da pesquisa que deu origem ao documento. É imprescindível que a maioria dos autores do documento seja vinculada ao Centro de Ciências Rurais, uma vez que o material é produzido com recursos do centro. Por exemplo, havendo um máximo de cinco autores, recomenda-se que pelo menos três sejam ligados aos cursos do CCR.

Os trabalhos devem ser enviados à Comissão de Extensão do Centro, responsável pelo exame do conteúdo e aprovação final para publicação, pelo servidor – professor ou técnico administrativo em educação – responsável pela pesquisa que originou o informe. A comissão pode sugerir alterações, as quais deverão ser acatadas pelos autores, a fim de que o texto seja publicado. Pode ainda decidir pela não publicação do mesmo, caso entenda que o texto desatende alguma das finalidades à que se propõe um informe técnico. A seguir, os informes são enviados à Unidade de Apoio Pedagógico (UAP), onde ocorre eventualmente sua revisão linguística e de normas técnicas.

Os textos são publicados em sequência, sendo numerados na UAP, após finalizados todos os procedimentos relativos à revisão do documento. Quando impressos recebem um registro de publicação seriada, o ISSN: 1984-6126. A impressão é feita em preto e branco, inclusive gravuras, pela Gráfica da Universidade Federal de Santa Maria. A tiragem é definida de comum acordo entre os autores, Comissão de Extensão e Direção do Centro, à qual caberá a decisão final.

O texto para o informe deve ser estruturado conforme a apresentação deste documento, contendo: a) título em negrito, com a primeira letra em maiúscula e tendo no máximo duas linhas; b) Máximo de cinco autores, dispostos lado a lado, nomes por extenso, centralizados na página e identificados em nota de rodapé; c) Figuras, tabelas, gráficos, referências bibliográficas, etc., devem seguir as normas do Manual de Dissertações e Teses da UFSM (MDT). As figuras devem estar com boa resolução de imagem. Solicita-se que o texto seja digitado em editor de texto word (.doc), fonte Arial, tamanho 12, espaçamento 1,5 e em um total de quatro laudas (duas folhas).

Os informes constituem textos de vulgarização científica, portanto, não podem seguir o mesmo padrão que artigos e outras publicações acadêmicas. É importante que sua linguagem seja adequada ao entendimento do público externo à universidade, considerando-se que os seus leitores podem ter apenas conhecimentos empíricos ou do nível técnico mais básico em relação ao assunto abordado. Nesse sentido, recomenda-se que os autores:

1) Privilegiem uma linguagem clara, objetiva e acessível à leitura e compreensão, inclusive quando da transcrição de ideias dos autores referenciados;

2) Evitem usar somente a nomenclatura científica de animais, vegetais, procedimentos, etc., sempre que possível apresentando também os nomes de uso comum ou popular;

3) Apresentem, preferencialmente, os dados (resultados, recomendações) através de gravuras, fotos, ilustrações, etc., em substituição às tabelas ou outras formas científicas de descrição dos resultados;

4) Citem as fontes das gravuras utilizadas;

5) Enfatizem, ao longo do informe, os resultados das pesquisas sobre o tema, indicando claramente a aplicabilidade prática da tecnologia que está sendo difundida, bem como os possíveis benefícios advindos da sua utilização, considerando aspectos relacionados à sustentabilidade do sistema de produção;

6) Revisem cuidadosamente seus textos antes da submissão, a fim de dirimir, posteriormente, eventuais dúvidas que venham a surgir em relação à redação e ao conteúdo.

O texto pode ser organizado de forma contínua ou em seções. O primeiro parágrafo deve ter caráter introdutório do assunto, preferencialmente já mencionando o público-alvo ao qual o informe se destina. As considerações finais e as referências bibliográficas devem vir ao final, em seções separadas. Por se tratar de texto de difusão científica, com ênfase nos resultados práticos de um trabalho de pesquisa, recomenda-se a citação de, no máximo, 8 autores.

Os informes devem ser encaminhados à COMISSÃO DE EXTENSÃO por meio de correio eletrônico  ( comissaoextensaoccr@ufsm.br). Os informes deverão ser encaminhados pelos servidores (docentes ou técnico-administrativos em educação) que são autores da publicação. Não serão aceitos informes encaminhados por discentes.

Para visualiza o modelo dos informes, clique aqui

Formação Docente

A formação dos professores atuantes em cursos de graduação geralmente não contempla os saberes mais amplos necessários à docência, os quais auxiliam na preparação desses profissionais para realizarem melhor suas funções docentes.

O processo ensino-aprendizagem demanda implicações complexas, que exigem uma compreensão mais ampla, assim como referenciais teóricos com os quais os professores possam fundamentar suas ações.

 A necessidade dessa formação complementar e o interesse diversas vezes manifestado por parte dos professores em participar de cursos que contemplem sua prática profissional,  levou a UAP a idealizar e promover o curso Formação e Desenvolvimento Pessoal e Profissional Docente.

 Entendemos que tal trabalho é relevante por atender às demandas do mundo do trabalho contemporâneo, cuja tendência, num processo globalizado, exige que, permanentemente, estejamos revendo e buscando opções. Essas devem contribuir para que o profissional docente possa enfrentar os desafios que se colocam em um contexto de significativas mudanças, indicando a necessidade de maior reflexividade e comprometimento com uma educação emancipatória.

  • Compreender a complexidade e a dinamicidade do trabalho docente, por meio do qual se constrói e reconstrói o fazer pedagógico e seu conhecimento da realidade educacional;
  •  Oportunizar um quadro de saberes teórico-práticos, que ampliem a compreensão dos professores diante da complexidade e da dinamicidade do trabalho docente;
  • Criar um espaço de discussão sobre o papel formador/funções da Universidade e a relação entre Universidade e Sociedade;
  • Propor uma abordagem inovadora à formação docente, no que diz respeito ao desenvolvimento pessoal e profissional, resgatando a importância da prática pedagógica para a ressignificação dos saberes docente.

1. Profissionalização docente

 – Identidade docente;

– Saberes necessários à docência;

– Elementos de contextualização do ensino superior.

 2. Desenvolvimento humano com foco no adolescente, jovem adulto

 – Desenvolvimento humano do adolescente, jovem adulto e adulto;

 – Processos interativos nas relações humanas.

 3. Processos de ensinar e aprender

– Concepções e práticas de aprendizagem;

– A aula universitária: cenários, atores e programas de aprendizagem;

– Processos metodológicos e avaliativos.

4. Políticas públicas e gestão educacional no ensino superior

 – O Projeto Pedagógico da Universidade (PDI);

 – Projeto Político-Pedagógico de Curso.

5. Dimensões da docência: ensino, pesquisa e extensão

– Relação entre ensino, pesquisa e extensão.

Referências Bibliográficas

A duração de cada encontro presencial será em média de três (2) horas/aula. O Curso será ministrado de forma semipresencial, sendo uma parte das atividades desenvolvida a distância, uma vez que os estudos dessa modalidade facilitam a dedicação aos saberes necessários à docência.

 Local: sala Cláudio Mussói, prédio 42 – CCR

 Dia da semana: terça-feira

 Hora de início do curso: 17h

 Carga horária total do curso: 67h

 

Módulo I

MÓDULO I

Data do encontro

Carga Horária

Tema

Instrutor

Carga Total

20/03/18

2h

Abertura

Venice, Zanella, NED

2h

Profissionalização docente

27/03/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Identidade docente

Dóris Bolzan

9h

03/04/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Elementos de contextualização do ensino superior

Jorge Cunha

10/04/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Saberes necessários à docência

Ana Carla Powaczuk

Políticas Públicas e Gestão do Ensino Superior

17/04/18

2h (presencial)

1h(Ead)

PDI

Frank Casado

6h

24/04/18

2h (presencial)

1h(Ead)

PPC

Juliane Paproschi

Desenvolvimento Humano

08/05/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Desenvolvimento humano do adolescente e do jovem adulto

Andrea Cechin

9h

15/05/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Desenvolvimento humano do adolescente e do jovem adulto

Andrea Cechin

22/05/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos interativos nas relações humanas

Andrea Cechin

Processos de Ensino e Aprendizagem

29/05

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos de ensino e aprendizagem

Rejane Cavalheiro

9h

05/06

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos de ensino e aprendizagem

Rejane Cavalheiro

12/06/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos de ensino e aprendizagem

Rejane Cavalheiro

19/06/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos metodológicos e avaliativos

Venice Grings

6h

26/06/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos metodológicos e avaliativos

Avaliação e encerramento do módulo

Venice Grings

Carga Horária Total

28 presenciais e 13 Ead  = 39h

 

             Módulo II  

MÓDULO II

Data do encontro

Carga Horária

Tema

Instrutor

Carga Total

Processos de Ensino e Aprendizagem

14/08/18

2h (presencial)

1h(Ead)

A aula universitária: cenário, atores e programas de aprendizagem

Doris Bolzan

18h

21/08/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos metodológicos e avaliativos: Apresentação trabalhos

Venice Grings

28/08/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos metodológicos e avaliativos: Apresentação trabalhos

Venice Grings

04/09/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Processos metodológicos e avaliativos: Apresentação trabalhos

Venice Grings

11/09/18

2h (presencial)

Tema a ser definido (livre escolha cursistas)

A definir

18/09/18

2h (presencial)

Tema a ser definido (livre escolha cursistas)

A definir

25/09/18

2h (presencial)

Tema a ser definido (livre escolha cursistas)

A definir

Dimensões da docência: ensino, pesquisa e extensão

02/10/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Relação entre ensino, pesquisa e extensão

Paulo Silveira

6h

09/10/18

2h (presencial)

1h(Ead)

Relação entre ensino, pesquisa e extensão

Paulo Silveira

Encerramento

16/10/18

2h (presencial)

Avaliação do curso e aplicação do questionário

Venice Grings

2h

Carga Horária Total

20h presenciais + 6h Ead = 26h

 

As inscrições estão abertas a partir do dia 12 de março de 2018. Serão oferecidas 30 vagas.

 As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio do Portal de Capacitações da PROGEP/UFSM (link:  https://portal.ufsm.br/capacitacao/index.html), utilizando para tanto as informações de SIAPE e senha comuns ao SIE e demais portais.

Atividades Desenvolvidas pela UAP

 

A Unidade de Apoio Pedagógico, em conjunto com a direção do Centro, atua em :

 

  • Avaliação Institucional do Centro;
  • Colegiado de cursos;
  • Comissão Permanente de Qualidade da Medicina Veterinária – CPQMVet;
  • Integração dos alunos do CCR aos cursos de graduação;
  • Promoção de eventos para a comunidade acadêmica interna e externa;
  • Recepção dos novos servidores no quadro funcional do CCR;
  • Recepção dos calouros no CCR;
  • Semana da Calourada.
Contato

Centro de Ciências Rurais
Prédio 42 – Sala 3129A
+55 (55) 3220-8403
uapccr@gmail.com