Ir para o conteúdo CCSH Ir para o menu CCSH Ir para a busca no site CCSH Ir para o rodapé CCSH
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Cineclube da Boca exibe nesta quinta filmes que se destacaram no festival Assimetria



O projeto de extensão Cineclube da Boca retoma suas atividades nesta quinta-feira (7), com a exibição dos destaques do 1º Assimetria – Festival Universitário de Cinema e Audiovisual. O cineclube foi um dos promotores do evento, em parceria com o Laboratório de Pesquisa em Arte Contemporânea, Tecnologia e Mídias Digitais (Labart) da UFSM e a TV Ovo. O festival ocorreu de 14 a 16 de maio, contando com o apoio do Mestrado em Artes Visuais e do Centro de Artes e Letras, e também com a parceria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O evento ocorreu no auditório do prédio 67 do campus de Camobi, mesmo local em que os filmes que se destacaram serão exibidos novamente, às 19h, com entrada gratuita.

Nesta quinta, a sessão do Cineclube da Boca terá a presença de alguns diretores e membros das equipes de produção dos filmes, que vão participar de conversas e debates após a exibição.

Filmes em exibição:

Ansiedade (2017, 5 min), produzido no curso de Cinema da UFSC, ganhou o prêmio de melhor filme experimental. Direção: Bernardo Schmitt.

Sinopse – Documentário experimental que explora a ansiedade nas ramificações da sociedade moderna.

Sob o Signo do Escorpião (2017, 16 min), produzido no curso de Cinema da UFSC, ganhou o prêmio de melhor filme de ficção. Direção: Nathan Luchina.

Sinopse – A narrativa traz características de suspense. Virgínia levanta, faz um drinque, escreve. Um envelope sem remetente e de conteúdo misterioso perturba o seu dia.

Metamorfoses (2017, 15 min), produzido no curso de Produção Editorial da UFSM, ganhou o prêmio de melhor documentário e melhor filme pelo voto popular. Direção: Natália dos Santos Beck.

Sinopse – O documentário trata a tatuagem como um mecanismo de expressão do indivíduo através do corpo, abordando os temas da expressão visual, identidade e arte. Conduzida pela narração poética, a obra é composta por depoimentos de tatuados e tatuadores, performance artística, videoarte e trilha sonora autoral incitando um novo olhar sobre a tatuagem, a body art e a body modification.

– A Bailarina (2017, 2 min), produzido no curso de Desenho Industrial da UFSM, ganhou menção honrosa na categoria experimental. Direção: Lucas Argenta.

Sinopse – Por meio da técnica de rotoscopia, o filme constrói-se na expectativa nostálgica de uma menina que, ao rever objetos de seu passado, encontra uma caixinha de música que a envolve em um sonho de infância não realizado, o de se tornar uma bailarina.

Astronauta (2017, 11 min), produzido no curso de Realização Audiovisual da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), foi escolhido como destaque pelo júri popular na categoria ficção. Direção: Theo Tajes.

Sinopse – O filme conta a história de um menino e seu pai, que vivem em um enorme ferro-velho. A mãe (e esposa) os abandonou há muitos anos. Um dia, o menino encontra um capacete de astronauta em meio aos destroços e decide se aventurar mundo afora atrás de sua mãe.

D.R.A.G.O (2018, 12 min), produzido no curso de Produção Editorial da UFSM, foi escolhido como destaque pelo júri popular na categoria ficção. Direção: Alan Orlando.

Sinopse – O filme trata do ser em colapso. Silva é só mais um transeunte em crise existencial. A sua relação com um edifício da cidade é o pano de fundo para sua briga interna.

19 (2018, 5 min), escolhido como destaque pelo júri popular na categoria experimental. Direção: Calixto Bento.

Sinopse – O filme trata de um encontro proporcionado por versos e uma xícara de chá. Assim, busca na leitura desses versos uma experiência audiovisual influenciada pelo ato de tomar o chá, observado através da xícara.

Projeto 21: Anastácia (2017, 7 min), produzido no curso de Produção Editorial da UFSM, foi escolhido como destaque pelo júri popular na categoria ficção. Direção: Marcos Oliveira.

Sinopse – O curta-metragem faz parte do chamado Projeto 21, desenvolvido para a disciplina Produção Editorial em Mídias Digitais. O objetivo do filme é espalhar pelas redes sociais o mistério sobre a origem da personagem Tia Anastácia do Trote, mascote da semana de recepção dos calouros dos cursos de Comunicação Social da UFSM.

Com informações da Agência de Notícias UFSM


Publicações Recentes