Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Professor da UFRJ e Presidente do CNPq ministraram palestras no último dia do CIPED

O último dia do Ciclo Institucional Permanente sobre a Docência contou com a participação do Prof. Dr. José Antônio Borges com a palestra – A Tecnologia Assistiva Viabilizando a Inclusão dos Alunos com Deficiência. O professor da UFRJ, apresentou aos ouvintes inúmeras ferramentas tecnológicas criadas por sua equipe da universidade, que possibilitam a inclusão de pessoas com deficiência.

 

 Equipamentos como o Dosvox, ferramenta de escrita e leitura para cegos feita pelo computador, Braille Fácil, ferramenta que faz a transcrição pra braille e impressão especializada e o Microfenix, utilizado para pessoas com deficiências motoras, onde o mouse do computador é substituído por um microfone foram alguns dos exemplos trazidos pelo palestrante.

 

  O professor ressaltou as potencialidades das tecnologias brasileiras, apontando como há muitos exemplos de equipamentos e programas produzidos nacionalmente e que podem ser utilizados no ensino universitário e na sociedade de forma geral. Para ele, o investimento na produção de tecnologia brasileira, possibilita o barateamento dos custos (visto que equipamentos importados apresentam um preço muito superior) e dessa forma, podem ser acessados por um número maior de pessoas que necessitam.

 

  No período da tarde, foi realizada conferência com o Presidente do CNPq Prof. Dr. Mário Neto Borges com a mediação do Prof. Dr. Tiago Bandeira Marchesan. O Presidente reforçou o compromisso do CNPq no fomento da Ciência, Tecnologia e Informação, apontando a necessidade de investimento principalmente em tecnologia e inovação, visto que o Brasil encontra-se em 69º no ranking de produção nesse setor, enquanto que em ciência está na posição 13º.

  Mário Neto apontou que os produtos mais exportados pelo Brasil são alimentos, enquanto que tecnologias como maquinários e produtos químicos são os produtos mais importados. Ressaltou, desta forma, a necessidade de investir nesses produtos de maior importação para impulsionar o desenvolvimento brasileiro: “precisamos usar a nossa ciência para gerar riqueza e solucionar dos problemas do Brasil” colocou o presidente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Texto e fotos por Luciana Turcato, acadêmica de Jornalismo. – Núcleo de Comunicação Institucional do CE/UFSM