Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé
  • Acessibilidade
  • Sítios da UFSM
  • Área restrita
Início do conteúdo

Histórico

História do SIFEDOC

Dando continuidade à primeira edição do “I Seminário Internacional e I Fórum de Educação do Campo da Região Sul do Rio Grande do Sul: campo e cidade em busca de caminhos comuns”, realizado na cidade de Pelotas e coordenado pela UFPel, tendo sido realizado nos dias 12, 13 e 14 de novembro de 2012, o conjunto de entidades organizadoras deliberou pela continuidade e ampliação desse espaço de reflexão, o que deve ocorrer no ano de 2013, em quatro regiões do Estado do RS.

O ‘I Seminário Regional de Educação do Campo’ para as regiões de Santa Maria, Erexim e Porto Alegre e o ‘II Seminário para a Região de Pelotas’, que será realizado em Jaguarão, faz parte do processo SIFEDOC. Os seminários regionais terão como tema geral ‘Projetos de escola do campo no Rio Grande do Sul’ e objetivam dar seqüencia a conjunto de ações e reflexões decorrentes de proposições das Entidades Organizadoras que, entre os seus objetivos, visam o fortalecimento teórico/prático das ações de organização e intervenção educativa, desenvolvidas junto às classes trabalhadoras, enraizadas na perspectiva da Educação Popular e da Educação do Campo.

Compreende-se que o amadurecimento do trabalho comprometido, com a emancipação das classes, grupos de trabalhadores,encontra-se desafiado a aprofundar as estratégias de intervenção, tanto pedagógicas quanto políticas. O que incide na reorganização teórico/prática, frente à hegemonia do capital, que coloca o ser humano em uma condição cada vez mais desumanizada e alienada.

Considerando as contradições vivenciadas atualmente na realidade educativa no cenário mundial e prioritariamente na América Latina, sob os condicionamentos históricos das políticas de globalização, o objetivo deste evento também se concretiza na consolidação de um espaço efetivamente coletivo e itinerante, capaz de ampliar o debate teórico e viabilizar a troca de experiências de trabalho e vida, nos diferentes espaços de educação formal e não formal no campo, sem negar a interdependência nas relações cidade/campo.

A articulação de todas as Instituições de Ensino Superior e diferentes organizações dos Movimentos Sociais, no Estado Rio Grande do Sul, ratifica a presença de iniciativas comprometidas com a investigação e proposição de caminhos a serem assumidos, como meios de resistência, exercício de contra-hegemonia e transformação dos limites impostos pela lógica estrutural da sociedade. Esse evento objetiva, ainda, sistematizar e problematizar possibilidades que reiterem e orientem a necessidade de encontrar um sentido coletivo para as ações cotidianas, em termos de fortalecimento dos processos sócio-educativos emancipatórios.