Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano
Início do conteúdo

Classificados para fase nacional da OBI passaram por projeto de extensão do CT

Pela primeira vez, Santa Maria tem representantes entre os classificados para a fase nacional da Olimpíada Brasileira de Informática (OBI). Dos quatro estudantes da cidade que chegaram à 3ª fase da competição, dois deles receberam aulas de computação pelo projeto Clube de Computação UFSM, coordenado pela professora do Departamento de Linguagens e Sistemas de Computação, Andrea Charão.

O Clube de Computação UFSM é um projeto de extensão registrado desde 2014, com o objetivo de disseminar fundamentos de computação a alunos do ensino fundamental e médio de Santa Maria e região, por meio de atividades variadas que estimulam o desenvolvimento do pensamento computacional. “O projeto é realizado em escolas que acreditam no nosso trabalho e nos permitem dar continuidade ano após ano. É dessa forma que os resultados aparecem”, explicou a professora Andrea.

Entre as escolas onde o projeto está sendo realizado, estão o Colégio Militar de Santa Maria (CMSM), onde estudam três dos classificados, e a Escola Marista Santa Marta, que também tem um representante na fase nacional da OBI. Eles são os primeiros santa-marienses a chegar tão longe na competição, que é realizada desde 1999. “Um dos motivos de existir do projeto Clube de Computação UFSM é o de divulgar a OBI, que é realizada há 20 anos e não tinha classificados da cidade”, contou a professora Andrea.

Garoto em uma sala com computadores ao fundo, segura sorridente um certificado.

Os estudantes santa-marienses chegaram à fase nacional na modalidade Iniciação, Nível 2. A professora Andrea falou sobre a importância de ter alunos participando da OBI: “A competição é bem conhecida em outras cidades, e por aqui não era tão divulgada. Ficamos muito felizes com a maior participação de alunos da cidade e por termos alunos classificados. Sabemos da dificuldade da prova, mas, ainda assim, estamos na expectativa por uma medalha”.

Obter uma boa classificação na fase nacional da OBI ainda pode abrir portas para o futuro dos participantes. “Alunos bem classificados nacionalmente ganham uma viagem e um curso em Campinas. Em modalidades mais avançadas, os alunos podem ter a chance de participar de competições internacionais. A OBI abre portas, tanto para oportunidades na área acadêmica, como no mercado de trabalho, constituindo um currículo de saltar aos olhos”, comentou a professora Andrea.

A prova nacional da OBI foi realizada no dia 11 de agosto, e o resultado deve ser divulgado em breve. Para mais informações, acesse o site da OBI.

 

Texto por Lucas Gutierres, acadêmico de Jornalismo. – Núcleo de Divulgação Institucional do CT/UFSM.