Pular para o conteúdo
Português English Español Français Italiano

Redes Sociais

Início do conteúdo

Retrato dos ingressantes no campus Frederico Westphalen com a adoção do Sisu


Divulgação Assessoria  3Com o objetivo principal de democratizar o acesso ao ensino superior público no país,
a Universidade Federal de Santa Maria tem como uma das formas de ingresso o Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Trata-se de um sistema online que por meio das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) seleciona candidatos interessados a ingressar em instituições de Ensino Superior de todo o Brasil. O vestibular da UFSM existia há mais de 30 anos, mas nas suas últimas edições a Universidade já contava com a nota do ENEM para complementar sua avaliação.

Com as mudanças no ingresso e os primeiros estudantes oriundos da Seleção Unificada, o perfil da comunidade acadêmica de Frederico Westphalen é outro. A Secretaria dos Cursos (Sugrad) realizou uma análise com base nos dados dos ingressantes do primeiro semestre de 2016 dos cursos com vagas ofertadas, que são: Agronomia, Engenharia Florestal e Jornalismo. É possível observar quais os reflexos do Sisu no Campus de Frederico Westphalen e de onde vem os alunos.

Mesmo com a nova forma de ingresso que abrange todo o país, conforme os dados das vagas preenchidas no campus de Frederico Westphalen, o perfil majoritário se dá por alunos gaúchos que corresponde a 85 %, sendo que desses, 50,5% são provindos ingressaram pelo Sisu.

tabela 1 

A partir dos dados apurados, se vê a quantidade de universitários por região do país, e constata-se que: dos 117 alunos ingressantes nas três turmas, 101 são do estado do Rio Grande do Sul, oito de Santa Catarina, seis de São Paulo, dois do Paraná e um do estado de Goiás. (geral/sisu)

Dos 101 universitários rio-grandenses analisando apenas os ingressantes via Sisu: são 75 alunos que vêm de 51 cidades diferentes. A cidade que apresenta o maior número de acadêmicos é Frederico Westphalen, com 13 ingressantes; sete via Sisu, e a segunda Palmeira das Missões com 6 ingressantes; 5 via Sisu. Dos oito alunos catarinenses, sete passaram por meio do Sisu e vêm de seis cidades diferentes, que são elas: Caibi, Condor, Cunha Porã, Itapiranga, Joinvile e São Miguel do Oeste. Dos seis alunos do estado de São Paulo, quatro ingressaram pelo Sisu e são de cinco municípios diferentes: Arujá, Campinas, Limeira, São Paulo e Ibitinga. Os dois acadêmicos paranaenses ingressaram pelo Sisu, um da cidade de Foz do Iguaçu e o outro de Renascença. E o ingressante do estado de Goiás é da cidade de Luziania e também ingressou por meio Sisu 

 tabela 2

  • §Geral: entre as formas de ingresso: processo seletivo (vestibular), transferência, reingresso, portador de diploma e Sisu.
  • §SISU: sistema informatizado, no qual instituições públicas de educação superior oferecem vagas a candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

 

De acordo com a tabela de perfis dos alunos ingressos no curso de Agronomia, foram ocupadas cinco vagas a mais do que é anualmente ofertado. Logo, o perfil majoritário do curso se dá pelo sexo masculino, o qual corresponde a 72 %, e o feminino com 28 %. Dos 65 ingressantes do curso, 46 ingressaram por meio do Sisu.

tabela 3

  • §Geral: entre as formas de ingresso, pelo processo seletivo (vestibular), transferência, reingresso, portador de diploma e Sisu.
  • §SISU: sistema informatizado, no qual instituições públicas de educação superior oferecem vagas a candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

 

Conforme a tabela de perfil dos alunos ingressos em Engenharia Florestal, percebe-se que dos 10 acadêmicos que tem sua origem no meio rural ambos são ingressos por meio do Sisu. Dos 28 alunos matriculados, 24 passaram pela presente forma de ingresso, sendo que desses 41 % são do sexo feminino.

tabela 4

  • §Geral: entre as formas de ingresso, pelo processo seletivo (vestibular), transferência, reingresso, portador de diploma e Sisu.
  • §SISU: sistema informatizado, no qual instituições públicas de educação superior oferecem vagas a candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

 

 

De acordo com a tabela de perfis dos alunos ingressos no curso de Jornalismo, notasse a baixa percentagem dos mesmos vindos da zona rural (três), ao contrário disso, 24 acadêmicos são oriundos do meio urbano, 18 via Sisu, isso, de 27 alunos matriculados.

 

 

 

Contraponto

Em entrevista à assessoria de imprensa da universidade, Paulo Burmann, reitor da Universidade, fala que o alto índice de preenchimento das vagas ocorre em função da facilidade do sistema. De acordo com ele, a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) oferece mais flexibilidade, pois os estudantes acabam tendo mais opções na escolha do curso.

O número de acadêmicos no campus de Frederico Westphalen, ingressos no primeiro semestre desse ano (com exceção do curso de Agronomia) é menor em relação à oferta de vagas. Elas foram preenchidas logo na primeira chamada, no entanto parte dos alunos não realizou a matrícula.

Na próxima matéria, será apresentado o resultado da pesquisa de opinião realizada com pessoas que não estão estudando, mas que conseguiram uma vaga na instituição, a fim de compreender o porquê do não preenchimento das vagas em alguns cursos, neste caso: Jornalismo e Engenharia Florestal. 

 

Fonte: Leila Fachinetto – bolsista Sugrad

 

Assessoria de Comunicação da UFSM-FW

assessoriafw@ufsm.br

De acordo com a tabela de perfis dos alunos ingressos no curso de Jornalismo, notasse a baixa percentagem dos mesmos vindos da zona rural (três), ao contrário disso, 24 acadêmicos são oriundos do meio urbano, 18 via Sisu, isso, de 27 alunos matriculados.